Ausencia – Vinícus de Moraes

Jean Seberg no Maxim's Paris, 1957, no filme "Bonjour Tristesse"(1958)

Jean Seberg no Maxim's Paris, no filme "Bonjour Tristesse"


Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces
Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.
No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida
E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.
Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado.
Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados
Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada
Que ficou sobre a minha carne como nódoa do passado.
Eu deixarei… tu irás e encostarás a tua face em outra face.
Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada.
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite.
Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa.
Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço.
E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.
Eu ficarei só como os veleiros nos pontos silenciosos.
Mas eu te possuirei como ninguém porque poderei partir.
E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas.
Serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.

=-=-=-=-=-=-
♣  ♣ 
Ah! Parabéns e muitas graças ao  santo nosso de cada dia, almost teen:-)
Parabéns, São Google

Alguma coisa acontece…

E… eles?;-) Updated: Waldick, sempre no meu coração…(R.I.P)

e eles querem <b>mais</b> o quê?;-)

e eles querem *mais* o quê?;-)

só pra avisar que estou kicking pouco mas muito alive e espero voltar pra valer, logo, logo. Com esta ilustração do awesome Nick Deawr.

Que poema lindíssimo, Marie, la Tourvel., putzgrilo. Corram lá.  Não conhecia a autora.

*****  ***** ****
Sem mais, queiram aceitar um forte amplexo…;-)
A música, claro,  é de Dorival, que adoro tanto que é difícil escolher só uma. Mas vou ver.
Bom, acudiram vários cavaleiros cavalheiros que resolvi colocar 3:
Esta do fantástico músico e compositor  Dorival Caymmi – Canções Praieiras, que eu não acredito que você não tenha (ai, tadinho!) ou não conheça hohoho

A segunda é com João Gilberto e outros baianos maravilhosos: Milagre. (Se sabe que muda o tempo, Se sabe que o tempo vira…ah!)

Acontece que o grandioso Dorival foi, é , um baiano feliz, com sua Stella Maris!

=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-===-=-=-=

Putzzzzz….Agora mudando de direção: Deus de um outro dos meus Olimpos, estou traspassada de dor. Waldiiiiick? O que vamos fazer sem ele, eu e Beki Klabin?Olha, nem vou falar nada: Mas onde é que a gente vai parar? Obrigada pela triste informação. A gente tinha quase a mesma idade apenas dias de diferença…;-)  num é possíver….tsc tsc… Fala, Waldick, canta aquela nossa: -)))Ouçam só:

=-=-=-=-=

Lamento, igual e e profundamente por FERNANDO TORRES. A vida é um valor precípuo e é a morte que nos dá a referência dessa igualdade. Existencial. A distinção é pelos feitos. Vejam essa foto aqui, muito representativa.