If we don’t, remember me

Eu estava pensando assim, quem inventou a carta? Não a carta de baralho, que essas a gente sabe, estuda na escola, mas as cartas cartas mesmo, quando foram inventadas, quem primeiro se viu distante um do outro que teve a idéia de  “cobrir” a distancia e ausencia com uma… carta,  ou bilhete,  epístola, misssiva , não é? No Brasil, até onde se sabe  a primeira carta foi a de Pero Vaz e seguem sendo  (ou não são?) insubstituíveis, pelo menos até o aparecimento do telefone…  Pois bem, esse post é sobre palavras (a dita e a escrita) e as imagens, esse fascínio que pega de jeito gente como eu.

Então, tão: já não é mais novidade para ninguém, e eu corro o risco de ser a última da classe… mas, com dizem os nossos irmãos do outro lado do oceano,  mais vale tarde que mais tarde e aqui está minha homenagem  e agradecimento ao moço (meu companheiro de Tumblr) do blog IWDRM,  que é campeão absoluto no quesito, luxo, riqueza e poder:-)  Estou encantada, um amor de perdição, pelas GIF‘s! Este post foi adiado desde dezembro do ano passado e acho que jamais o publicaria pois cismei que as gifs não funcionavam (perdiam o sutil movimento) no WordPress. (bem, eu ainda não sei, me digam, vocês). Burrinha, eu. Obrigada, Cat Miron.

Voilà: algumas gifs, todas de amados meus, incluindo ele, o mais poderoso, que faz aniversário no dia 31, ai, Jesus, apaga a luz! o meu Clint, ô lá em casa!…

“Hi, Lloyd. Little slow tonight, isn’t it?”

The Shining – (O Iluminado, 1980) – meu filme ‘tenebroso’ preferido. Jack Nicholson, adorado. Um Kubrick perfeito que a gente vê de olhos bem… fechados, lembram? ♦ ♦ ♦ Ela.  Mais linda, rycah e phynah impossível! Kim Novak:

kim novak

“Only one is a wanderer. Two together are always going somewhere”. Vertigo (Um corpo que cai), Hitchcock, 1958.

♦ ♦ ♦ OMG!

clint rulz: the good the bad the ugly

“Every gun makes its own tune.” (The good, the bad and the beautiful, Três homens em conflito, 1966

♦ ♦ ♦

Mas nem só de GIF’s vive a nossa atual fantasia. Também há lugar para as imagens digamos, tradicionais (JPG). Leia mais deste post

Juó Bananere. Quem?

JUÓ BANANERE.
Quem?!
(Bananeiro, Barbeiro,Poeta e Jornalista)
*************

Uma nota prévia:

Nunca fiz este blog sozinha. Nem mesmo no início, em 2001, quando *todos* se ajudavam. Eu sempre me interessei pela história dos blogs no Brasil e, de certo modo, sempre que posso, conto a história deles. Os mais famosos, os melhores, como o do Nemo Nox, o Por um Punhado de Pixels, o do querido Sérgio Faria, cujo nome não ouso dizer (private joke, nem tão private assim) o da Fezoca, claríssimo, espécie de blogmother (outra private joke) de nós todos, e vários outros, para citar alguns dos realmente célebres. Muitos deles fecharam as portas, tipo o bar Esperança, o que me deixa triste, e outros, acho que ficam pra sempre. Essa história de que blog acaba, não acaba, que passou o tempo etc… são especulações que redundam numa forma de estar e continuar fazendo blog. Mas o que eu queria mesmo dizer enquanto vou contando a história deles é que, embora admire profundamente os blogs e seus donos altaneiros que fazem seus blogs independentemente dos leitores, eu pertenço ao time daqueles que conseguem fazer um post pensando será que meu leitor X vai gostar? tomara que Y repare nessa escolha.. eteceterrá, vocês já entenderam. Eu poderia fazer uma dédicasse de praticamente todos os meus posts desde 2001 até o presente momento. Todos eles tem, de certa forma, um ou um grupo de destinatários certos. Claro que isso fica muito melhor se a gente só tem uns seis ou sete intrépidos e fiéis leitores. É o meu caso e eu não poderia estar mais feliz com eles. Assim, queridos. este post eu o fiz pela primeira vez em 2001. Tinha, se tanto, 15 linhas. Hoje, saiu isso que vc começa a ler agora. Ainda acho que vale a pena saber a respeito deste parodista satírico que era um ferrenho seguidor do “castigat ridendo mores. Que, na tradução alopradíssima do alopradissimo gênio Millôr Fernandes, passou a significar  também: Rindo castigam os mouros. Fiquem, mesmo os que já conhecem, com Juó Bananere.


Juó Bananére – que se proclama(va) candidato à Gademia Baolista de Letras (os que não forem paulistas, leiam em voz alta, que percebem melhor:-) é o pseudônimo literário do engenheiro, poeta , jornalista Alexandre Ribeiro Marcondes Machado . Surgiu na revista “O Pirralho“, uma publicação satírica fundada por Oswald de Andrade nos anos 1910. Oswald escrevia para a revista uma coluna sob o pseudônimo Annibale Scipione, no ‘dialeto’ macarrônico ítalo-paulista empregado pelos imigrantes italianos que viviam nos bairros operários de São Paulo. Ao viajar para a Europa, em 1912, Oswald transferiu a coluna a Alexandre Machado, que a transformou em um enorme sucesso. Machado (1892-1933) começou a carreira literária na adolescência, escrevendo versos satíricos e humorísticos publicados em jornais do interior de São Paulo. Além de escritor, ele se formou em engenharia civil e abriu um escritório de engenharia e construção responsável por erigir diversos edifícios na capital e no interior do estado. Entusiasta da arquitetura colonial brasileira, Machado publicou em 1926 o álbum artístico “Arquitetura Colonial do Brasil”.

Bananére, no entanto, é sua criação mais conhecida. No traço, o personagem Juó Bananére foi criado pelo desenhista Voltolino (pseudônimo de Lemmo Lemmi -1884-1926), sócio de Andrade em “O Pirralho”, que se teria inspirado para o seu personagem na figura de Francesco Jacheo, um importador de vinhos ítalo-paulista que morria de vontade de “fare il giornalista” e cuja linguagem especialíssima, mistura de português e dialeto napolitano, inspirou ao desenhista o perfil do “barbiere, poeta e giurnalista”.

Algumas amostras do humor e do italiano macarrônico de Bananére:

MIGNA TERRA

Migna terra tê parmeras,
Che ganta inzima o sabiá.
As aves che stó aqui,
Tambê tuttos sabi gorgeá.

A abobora celestia tambê,
Che té lá na mia terra,
Tê moltos millió di strella
Che non tê na Ingraterra.

Os rios lá sô maise grandi
Dus rio di tuttas naçó;
I os matto si perdi di vista,
Nu meio da imensidó.

Na migna terra tê parmeras
Dove ganta a galligna dangola;
Na migna terra tê o Vap’relli,
Chi só anda di gartolla.

*****
CIRCOLO VIZIOZO
Prú Maxado di Assizi

O Hermeze un dia parlô.
– Se io éra aquilla rosa che está pindurada
Nu gabello da mia anamurada,
Uh! che bô!

A rosa tambê scramô,
Xuráno come un bizerigno:
– Se io éra aquillo gaxorinho!…
Uh! che brutta cavaçó!

I o gaxorigno pigô di dizê:
– Se io fossi o Piedadô,
Era molto maise bô!

Ma o Garonello disse tambê
Triste come un giaburú:
– Che bô si io fosse o Dudú!

*****

VERSIGNOS
A

O alifante é bicho troxa,
Chi quarquer griança lógra;
Tê una lingua cumprida,
Piore da lingua da sogra.

B

O Bacate é una fruitinha
Chi tuttos munno cunhéce;
A gente mexe bê elli
I disposa . . . o che parece?

C

Coraçóçino da genti
Gentiçino da ardêia,
Chi ripicca a Vermaria
Tuttos dia as seis i meia.

D

Deuse fui chi fiz a terra,
A luiz i a scuridó,
Má a Guarda Nazionale
Chi fiz fui u Piedadó.

E

Eva, a primiéra molhere,
Tinha gara di macaca,
I u Hermeze da Funzega
Tê gara di urucubacca.

F

Fuzilê cun lemó verdi
Nu fundo du riberó;
U riberó pigô elli
atirô nu Capitó.

G

Gallo veglio bota ôvo
uguali come as gallinha;
Pidaço de teglia e cacco,
Mandioca muída é farinha.

H

O H na lingua du Piques,
Non presta p’ra cosa nisciuna:
E’ come u guexo du Artinho
Chi non cabi in parti arguna

I

Inzima d’aquillo morro
Tê un brutto carrapató
Pintado come una onça
I maiore chi un tostó.

*****

(Princípio universal da paródia/intertextualidade: só funciona se vc tiver em mente, o “texto” original que é referido.)

=================

Isso tudo, era do nosso conhecimento, assim, por volta dos anos 1980.  E assim foi até no início do século XXI: os happy few que conheciam trocavam olhares e sorrisos superiores daqueles que … conheciam o tamanho da…”INCRENCA*

Até que em 2001, o poeta –giurnalista, foi tema de um estudo minucioso, neste livro:

Benedito Antunes, professor de Literatura Brasileira na UNESP, em Assis, organizou a primeira coletânea dos trabalhos em prosa de Juó Bananére, publicados pela revista “O Pirralho” entre 1911 e 1917, e a primeira edição dos trabalhos de Bananére desde que “La Divina Increnca”, uma coletânea de paródias poéticas e de algumas de suas colunas, foi relançada nos anos 1960.

Trabalho cuidadosamente anotado e precedido por três ensaios detalhados sobre o escritor Alexandre Ribeiro Marcondes Machado (o nome real de Bananére), sobre o “macarrônico” que ele usava como forma de expressão e sobre a posição de Bananére na tradição literária e satírica brasileira, a coletânea do Professor Antunes é uma referência essencial sobre um dos escritores mais engraçados- bem engraçado sim, mas também importantes pois retratou uma época, a chamada belle époque paulista- do Brasil.

Olha só o convite:-):

Juó Bananére: As Cartas d’Abax’o Pigues

# CUNVITO # Tegno a onrra di acunvidá o signore p’ra sisti, oggi,

as otto ores da notte, a migna festa che io dó inda a migna gaza.

C’ua stima da consideraçó Juó Bananére giurnalista

(Tragico di rigoro)

Fonte: ig LER – matéria  do tradutor e escritor Paulo Migliacci.

****

Fiz  este post em 2001, mas  até hoje,  10 anos depois, Bananére, parece,  não se tornou mais conhecido do que era então, julgo.

*****

Bom, o que se poderia acrescentar à matéria de Migliacci? Quase nada, a não ser o  que diz de Bananére, Folco Masucoi, editor de seu livro mais conhecido: LA DIVINA INCRENCA, 1966, 10ª ed. – ( A 1ª é de 1924).

‘Satírico terrível criou um estilo humoristico empregando metade do portugués e metade do italiano, escrevendo, com clareza, na algaravia quase desaparecida então comum nos bairros paulistanos habitados por imigrantes peninsulares.’

Alexandre Marcondes Machado nunca foi nacionalmente conhecido nem reconhecido; mas o tipo por ele criado, Bananére, vulgo Bananeiro em S. Paulo, barbeiro e jornalista, tornou-se popular, em sua época. Seu nome consta no Dicionário de Escritores Paulistas com indicação de várias de suas obras, sua independéncia política e financeira, o entusiasmo pela arquitetura colonial brasileira. Em 1954, foi destacado num artigo de Otto Maria Carpeaux, no “Diário de São Paulo”. Pode ser considerado precursor da paródia moderna. E Décio Pignatari o considera precursor de certos personagens típicos do escritor Antônio Alcâtara Machado e…até msmo de Macunaíma ou de Seradim Ponte Grande (o primeiro o anti-herói brasileiro, ou o heróis sem nenhum caráter de Mario de Andrade e o segundo ah! .. de Oswald de Andrade. ***** Bananére capta a fala paulista da época e a reproduz, graficamente, segundo Saliba. Chega a ressaltar alguns traços essenciais do chamado “dialeto caipira”, registrados por Amadeu Amaral. Bananére gravou, em 1920, alguns de seus poemas em disco. Tudo se perdeu, como se perde na leitura, hoje, “a mímica, o tom da voz e o improviso gestual” do humorista.

Imaginem “As Pombas” de Raimundo Correa, o “Ora direis ouvir estrelas” de Bilac, ou “O Corvo” de Poe, declamados nessa língua estropiada, mistura de italiano com português, assimilando o linguajar caipira, sem ser nem uma coisa nem outra e se parecendo um pouco com todas elas.

Bananére deixa passar por sua obra como passa certamente por seu “Salón de Barbieri”, uma galeria de tipos que perambulam pela “Barra Funda”, “Piques”, “Buó Rittiro” , tais como varredores de rua, vendedores, todos “avacagliados” na vida. Na fábula-paródia de La Fontaine “U Lobo i u Gordeirigno”, que termina como já se sabe no lobo comendo o cordeiro, Bananére tira a moral da história:

O qui vale nista vida é u muque“.

=====

INDISPENSÁVEL:

LA DIVINA INCRENCA

É importante lembrar que a paródia (uma inversão ou desvio de um texto, utilizando a ironia, a sátira, etc, funciona melhor, ou só funciona, se se conhece o original)

Vejamos:
O soneto As Pombas (não riam) de Raimundo Correa.
E As pombignas do nosso herói Bananere.

AS POMBAS

Vai-se a primeira pomba despertada…
Vai-se outra mais…mais outra…enfim dezenas
De pombas vão-se dos pombais, apenas
Raia sangüínea e fresca a madrugada…

E à tarde, quando a rígida nortada
Sopra, aos pombais de novo elas, serenas,
Ruflando as asas, sacudindo as penas,
Voltam todas em bando e em revoada…

Também dos corações onde abotoam,
Os sonhos, um por um, céleres voam,
Como voam as pombas dos pombais;

No azul da adolescência as asas soltam,
Fogem…Mas aos pombais as pombas voltam,
E eles aos corações não voltam mais…

(Raimundo Corrêa)
*******
AS POMBIGNAS

(P’ru aviadore chi pigó o tombo)

VAI a primiéra pombigna dispertada,
I maise otra vai disposa da primiéra;
I otra maise, i maise otra, i assi dista maniera,
Vai s’imbota tutta pombarada.

Pássano fóra o dí i a tardi intêra,
Catáno as formiguigna ingoppa a strada;
Ma quano vê a notte indisgraziada,
Vorta tuttos in bandos, in lilêra.

Assi tambê o Cicero avua,
Sobí nu spaço, molto alê da lua,
Fica piqueno uguali d’un sabiá.

Ma tuttos dia avua, allegre, os pombo!…
Inveis chi o Muque, desdi aquilio tombo,
nunga maisa quiz sabe di avuá.

(Juó Banarere)

Voltolino cria o personagem Juó Bananereeste é o traço do Voltillo

========================

UM GLOSSÁRIO;-) .

Os livros:

CARELLI, Mario. Juó Bananére. In: ___. Carcamanos e comendadores: os italianos de São Paulo: da realidade à ficção, 1919/1930. Trad. Ligia Maria Pondé Vassallo. São Paulo: Ática, 1985

FONSECA, Cristina. “Juó Bananére. O Abuso em Blague”. S. Paulo: Editora 34, 2001

CASELLA, César Augusto de Oliveira. LA DIVINA INSGUGLIAMBAÇÓ, que traz como epígrafe esta obra-prima: “A artograffia muderna é una maniera de scrivê, chi a gentil scrive uguali come dice. Per isempio: – si a genti dice Capitó, scrive kapitó; si si dice Alengaro, si scrive Lenkaro; si si dice dice, non si dice dice, ma si dice ditche.”

FRIEDMAN, Abilio. Juó Bananere. Uma série de 4 artigos.

Este post  é uma tentativa – não  sei se bem sucedida- de ressoar, talvez ressair,  uma espécie de “memória da escrita”.  Se, algum dia, algum post do Sub Rosa chegou, realmente, perto desse tom, o de poetry recollected in tranquility, eu o dedico ao autor de um dos mais admiráveis blogs escritos no Brasil. O do escritor, publicitário (o mesmo que propagandista?), crítico  e finíssimo humorista Rafael Galvão. O homem é danado, feito o cinema de  Fassbinder! Fora que ele fala uma porção de línguas, incluindo esta:  RaУкраїнська, Ngband.

 

Como ‘vaes’ você?

Ava, film a touch of venus, 1948

Uma saudade imensa, uma falta sem tamanho.
Vim, hoje, porque acho que sempre temos um encontro aqui, às sextas-feiras.
Ainda não posso ficar por muito tempo, tenho um prazo a cumprir. Acho, porém, que logo após o dia 20, ou antes até, volto pra este lugar que é sina,  é  fado, na ausência é que a gente vê.
Queria agradecer a todos, todos que vêm aqui, a todos que escreveram no post abaixo, nos demais posts, a quem irei respondendo aos poucos. E também, aos que me têm escrito em particular, que me têm emprestado uma força de que não suspeito em mim.
Logo, logo, as coisas se arranjam, as doenças curam-se, os problemas resolvem-se, enfim… o que pode o real contra a imagem, não é? Quem há de não concordar com isso? Com a força da representação?

Eu quero deixar um ou dois presentinhos pra vocês, além da Ava Gardner, naturalmente, de quem estou lendo uma autobiografia bem malcriada. Ava-My Sory– de Ava Gardner e seus três maridos. Uma nota: O filme A Touch of Venus é aquela coisa, ou seja não é grande coisa, mas ela está linda e seu partner é um dos atores que eu mais amo: Robert Walker, vocês conhecem, não é? Se não, conheçam. He’s something special.

1– Este aqui, naquele conhecido efeito morphing, uma beleza, só não concordando com a presença, sem nenhuma congeniality, da Bullock.
Já é meio antigo (meio? bondade!) mas sempre vale a pena ver a Tipi Hedren. Ou não é?

Women in Film.

2– Este aqui, também meio velhinho, muita gente conhece, mas é para as horas de navegação ou pesquisa com rádio na web.
É nosso e é muito interessante.

Canal FunarteVejam e ao navegar confiram em Imagens—> Entrevistas e —>Serviços.

Me digam o que acharam do Paulo Autran e da Tonia Carrero, esplendorosos, novos, majestosos, lindos.
Ao alcance dos olhos.

***
Bem, crianças, ainda estou com pouco fôlego, vou indo, mas antes deixem que eu diga que Deus existe, e  ele e a Tereza gostam de mim.
Obrigada, amiga, adorei, a-do-ro e vou adorar sempre a Marilyn. E que russos, hein?:-)

Me aguardem pra antes do Oscar©, que é quando minha porção maior  da minha  légèreté aflora que é uma beleza. Salve, salve!

=-=-=
(*) Como vaes você? (vocês viram isso aqui?:-)

***

BASIL WOLVERTON: Producer of Preposterous Pictures of Peculiar People who Prowl this Perplexing Planet

É claro que eu sei que não se faz isso aí. O título:-) vocês sabem.
Mas vem cá, diz se dava pra resistir…

Assim sendo, o post já está feito e – como o tempo  agora consome qualquer coisa que não seja leitura e meus médicos nem tão bonitões, deixo para vocês essa meraviglia, l’ottava del mondo:

THE MICHELANGELO OF MAD MAGAZINE

E aqui o SLIDESHOW

the dreamer_Wolverton

Bem,  como disse Holland Cotter:

“If you were a pre-teen in the 1950s and had precocious friends or a with-it dad, it’s a good bet you knew the cartoons of Basil Wolverton, the Michelangelo of Mad magazine, even if you didn’t know his name.”

Ah sim, ele, como todo mundo praticamente, de sua época, ‘o-de-a-va’ as feministas.

(Aliás, qualquer dia faço um post sobre como é mesmo essas história das mulheres anti-feministas (cacilda, tem hífen ou não tem ? ) isto é, as que são e não sabem e juram que mão são:-)

E quem está vendo a série MAD MEN? Anyway, opinião de propagandista, publicitário ou seja lá que nome que se dê  lá pros tais que trabalham em advertising agencies, eu passo:-).  A única exceção que faço é para o Rafael Galvão, porque é o único que não escreve como tal, digo, como sendo:-) Ele, simplesmente, escreve como escritor.  E espero que ele escreva um dia, antes da série pular o tubarão, como fez  com HOUSE.:-), certo Rafaeli? A série já está na 3a. temp.

-0-0-0-0

Fica então o post para todos que apreciam o gênero. Art&Design, graphic novels and so on.

E… eles?;-) Updated: Waldick, sempre no meu coração…(R.I.P)

e eles querem <b>mais</b> o quê?;-)

e eles querem *mais* o quê?;-)

só pra avisar que estou kicking pouco mas muito alive e espero voltar pra valer, logo, logo. Com esta ilustração do awesome Nick Deawr.

Que poema lindíssimo, Marie, la Tourvel., putzgrilo. Corram lá.  Não conhecia a autora.

*****  ***** ****
Sem mais, queiram aceitar um forte amplexo…;-)
A música, claro,  é de Dorival, que adoro tanto que é difícil escolher só uma. Mas vou ver.
Bom, acudiram vários cavaleiros cavalheiros que resolvi colocar 3:
Esta do fantástico músico e compositor  Dorival Caymmi – Canções Praieiras, que eu não acredito que você não tenha (ai, tadinho!) ou não conheça hohoho

A segunda é com João Gilberto e outros baianos maravilhosos: Milagre. (Se sabe que muda o tempo, Se sabe que o tempo vira…ah!)

Acontece que o grandioso Dorival foi, é , um baiano feliz, com sua Stella Maris!

=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-===-=-=-=

Putzzzzz….Agora mudando de direção: Deus de um outro dos meus Olimpos, estou traspassada de dor. Waldiiiiick? O que vamos fazer sem ele, eu e Beki Klabin?Olha, nem vou falar nada: Mas onde é que a gente vai parar? Obrigada pela triste informação. A gente tinha quase a mesma idade apenas dias de diferença…;-)  num é possíver….tsc tsc… Fala, Waldick, canta aquela nossa: -)))Ouçam só:

=-=-=-=-=

Lamento, igual e e profundamente por FERNANDO TORRES. A vida é um valor precípuo e é a morte que nos dá a referência dessa igualdade. Existencial. A distinção é pelos feitos. Vejam essa foto aqui, muito representativa.