SR-10 : Delícias da Selminha: arroz duetto, camarão do Pará e bacalhau do Porto.(updated)

Seguinte, venham comigo:

O Sub Rosa, como (nem)  todos sabem, completa, no próximo dia 19 de setembro, 10 anos no ‘jardim florido de sua existência’ (hohoho). E como 10 anos, em valores internetianos, é uma loooonga vida, acho que a gente pode se permitir umas certas coisas, nunca dantes pensadas nem ousadas. Quem foi mesmo que disse que a cada dez anos é lícito perder a cabeça? Vai daí que hoje, como parte das intensas comemorações da efeméride (hahah, gostaram?), publico, com toda a pompa e circunstância, uma receita (é, sim, e feche essa boca!) da minha querida Selminha, a professora Selma Amadora Henriques Santalices.  Neste post,  tudo é dela, eu só fiz copiar a receita e claro, tirar as (nefandas) fotos (Pater peccavi).

Voilà, segurem os cintos e me digam qualquer coisa, depois.

Arroz DUETTO: camarão seco salgado e bacalhau.

ARROZ DUETTO (Camarão (seco salgado) e Bacalhau) by  Selminha
INGREDIENTES:

  • 600g de camarão salgado (fumado) seco e grande  (não são os da Bahia e sim os do Norte: Pará e Maranhão.
  • 2 xícaras(chá) de arroz  parboilizado (o que é isso?) ou arroz integral  –  *atenção*: não use o arroz branco beneficiado, o comum, de cada dia – você verá depois o porquê:-)
  • 600 g de bacalhau –
  • 2 cebolas grandes cortadas em fatias ou tiras.
  •  2 dentes (grandes) de alho amassados ou 3 se forem médios.
  •  1 tomate grande picado, com pele e sem sementes.
  • 100 gr de azeitonas portuguesas pretas sem caroço, picadas.
  • 1 xícara  (chá) de salsinha picada e coentro a gosto.
  •  1 colher de sopa de açafrão ou raminhos de açafrão. (não confundir com cúrcuma)
  • 1 vidro (250g) de leite de coco.
  • Opcionalmente, um tantinho assim de curry (caril), a gosto.
  • 1 pimentão vermelho picado (em cubos)
  • pimenta a gosto
  •  1 maço de brócolis
  •  Azeite de oliva, q.b – ou seja, a gosto.

MODO DE PREPARAR:

Dessalgue o bacalhau (ponha-o de molho de véspera mudando a água umas 4 vezes). Retire a pele e as espinhas, dê uma fervura, reserve a água e desfie o bacalhau em lascas ou pedaços médios. Refogue-o em azeite com bastante alho, cebola, tomate, pimentão, coentro,  cebolinha verde. Deixe apurar o refogado e reserve.

Descasque o camarão, dessalgue-o (deixe-o de molho umas 8 horas, trocando a água 3 vezes)  e reserve alguns – dos grandes e bonitões – para enfeitar. Refogue-o (em azeite) com cebola, tomate, pimentão, salsinha, manjericão.

Cozinhe os brócolis mas, por favor, não deixe que amoleçam, o ponto deve ser al dente, mezzo crocante. Separe as flores e refogue-os rapidamente em azeite. Reserve.

Cozinhe o arroz utilizando a água do bacalhau (se a quantidade for pequena, complete até o suficiente). Aqui, a explicação da “exigência” de arroz parboilizado ou integral: para ‘contracenar’ com o duetto bacalhau & camarão, o arroz não pode ser mole, tipo molenga, empapado ou mesmo tipo risoto. Deve oferecer resistência ao ser mastigado, ‘tendeu? Vá pela Selminha;-), que está aqui ao lado.

Adicione o leite de coco ao camarão refogado no azeite, e deixe ferver e então misture-o com o arroz. Em seguida, adicione o bacalhau. Só no final, isto é, depois de tudo, adicione o brócolis (a “crocância”:-), lembra?), as azeitonas, misturando delicadamente , por fim, a salsinha.

Agora, tal como o Michelangelo, contemple sua obra de arte, e ao invés de bater com o martelo, use a sua energia, seu bom gosto para enfeitá-la: pode usar azeitonas inteiras, aqueles camarões, insinuantes e bonitões cozidos com casca e flores de brócolis. Sim, pode usar ovos cozidos cortados em 4 partes etc.

Você pode fazer qualquer coisa que goste, acrescentar o que quer que você ache que vai bem no prato e sirva imediatamente, não sem antes pedir ao seu companheiro (a) que faça a escolha na carta de vinhos:-). Bon appetit!

Depois, é só correr para o abraço, beijinhos e carinho sem ter fim…

Arroz duetto:camarão do Pará e Bacalhau do… Porto

=-=-=-=-=

Bom, sabem como é, não é? A receita da Selminha é maravilhosa mas também pode servir  apenas como um ponto de partida, você vê aí, pode imprimir a sua marca pessoal, afinal é a desobediência à receita que faz descer a ponte levadiça da sua criatividade. (viva o  clichê hihihi). Se você usar variações bem-sucedidas, por favor, deixe-nos saber. Mande-nos dizer.

Afinal é  assim que a banda toca, o mundo gira, foi assim que  saímos da Idade da Pedra e estamos aqui hoje, o Sub Rosa postando receitas ahá!:). Sem contar que Selminha, matemática (professora de Cáculo Diferencial e Integral e Cáculo Numérico – feche a boca de novo) e também apaixonada por química,   agora não quer saber de outra vida :  “faz chover” na alquimia dos saberes e dos sabores. E conta com você, diga lá:)

Por fim, aqui, Selminha e … a garotinha do  Wizard of Oz, over the rainbow, elas são as minhas duas meninas,  minha versão pessoal do Rose et Bleu (Les demoiselles Cahen d’Anvers) d’après Renoir. Digam se elas não são iguaizinhas(sp):-)

Disclaimer: isso foi antes, agora não faço mais a maldade” de colocar vestidinhos na Dorothy. Pater peccavi, e perdoai-me meu Deus, eu não sabia o que fazia. Sorry:-(

=-=-=
UPDATE: (em 25/08/2011): Justiça se faça, sobre a culinária paraense, seus peixes, frutos do mar e outros departamentos, nada como esse blog, dessa mulher-maravilha, maravilhosa, carioca, apaixonada pela minha/nossa terra: a gastrônoma Andrea Potsch. Dê uma lida aqui e veja porque a culinária é uma arte nobre. Apicius (tanto o nobre romano quanto o nobilíssimo brasileiro) que o digam. Cultura é isso!
(**) Sobre o grande jornalista brasileiro, Apicius, ou Roberto Marinho de Azevedo, Rebecca Lockwood escreveu esta brilhante monografia. q.v.). Rebecca , entre outras tantas distinções, é formada em Jornalismo,  UniverCidade RJ.  A  formação gastronômica – Chef de Cuisine, pela École Le Courdon Bleu de Paris. E mais, Curso de Iniciação à Prova de Vinhos Integrado na Equimagos, em Portugal. Confiram no site.

Sorry, banlieue:-) – que pode ser traduzido pelo simpático e reconfortante: “Te mete!”
=-=-
Ah! e já que falaram em música. Olhem, digo, ouçam esta. Se combina com a ementa, eu não sei, mas que é divina, lá isso é:

Billie HolidaySolitude de Duke Ellington, Eddie DeLange e Irving Mills (adouro, adouro, adouro):

http://www.divshare.com/flash/playlist?myId=8333004-ef3

Sobre sub rosa
The most of all things and persons in the entire world drives me *flabbergasted". That includes me.

30 Responses to SR-10 : Delícias da Selminha: arroz duetto, camarão do Pará e bacalhau do Porto.(updated)

  1. marilia j. disse:

    Meg, fiquei tentada. Mas, para desespero dos meus convivas, eu não como camarão. Além do mais não sou exatamente jeitosa pra arriscar mudar receita alheia. As fotos estão lindas. E o sub rosa pode tudo! Você também, claro…

  2. valter ferraz disse:

    Meg, atacando na cozinha, agora!
    Aqui em casa adoramos camarão(menos o Pablo, que detesta).
    A Aninha não pode ler isso porque senão vai querer mexer na receita, sacumé? Mas o post foi tentador. A dificuldade será o tal arroz, mas vamos tentar e depois te falo.
    Madrinha, quero deixar aqui meus votos de Longa Vida ao Sub Rosa!
    Beijo, menina

  3. Nelsinho disse:

    Colorido e apetitoso!

  4. Flavia Viana disse:

    Olha só a minha querida prof.Selma, a melhor prof do mundo. Deixa eu me exibir aqui, p/ primeira vez: tenho a felicidade de não só conhecer essa criatura doce, linda e muito importante mas minha maior felicidade mesmo é que ela gosta de mim.
    Prof, a sra arrasou, e olha q já conheço seus quitutes matemáticos kkkkkkkkk
    Parabéns p/ seu aniversário, seja feliz e q Deus lhe dê muitos anos de vida sempre.
    Que tal já resolveu ser estrela do meu curta?
    beijos pra vc e para a Dorothy. voces duas estão lindas.
    como prêmio de consolação: as fotos estão lindas, tb.

  5. Malu disse:

    Maravilha!Adoro cozinhar e esse prato é para ocasiões bem gostosas, só para amigos e amores!!!

  6. sub rosa disse:

    :-))))
    Olá queridos, queridissíssimos:
    Muito obrigada por comentarem e em especial, obrigada pelo carinho à minha(nosssssa) adorável Selminha.
    Acreditem foi muito divertido fazer este post, vocês “não tem noção” hahahah.
    Querido afilhado:
    ah! vá chamar a minha querida Aninha Pontes, pois o que é de uma receita, ao fim e ao cabo se não puder ser discutida pelos pares que se dedicam e dominam a *nobre, nobilíssima* arte da culinária? (com perdão da palavra) hein, hein?
    Depois venho falar sobre o arroz, você leu o link? Dificuldade? vou consultar a Selminha, póesperar, sim?

    O Pablo não gosta de camarão?!!!!!!!?????!!!!!! E o Érick?
    Valter, querido, existe algum ser , na face de nosso amado planeta que não goste de camarão??/!!!!! Que não se sinta especialmente tocado e movido pelo charme, veneno e graça desses adoráveis artrópodes:-)))
    Uia!

    Então, beijos a todos e obrigada minha doce Flavitinha, pela referência à nossa Dollydorothy.
    Nelsinho, esse laconismo é bom sinal?:-)
    E as fotos,ai, sou um talento perdido, espero que achem e me devolvam:-(((
    tiau!
    =-=

  7. sub rosa disse:

    Marília, das maravílias: explique isso melhor, você não come porque não gosta ou porque não pode?:-))

    Malu; seja muito bem vinda, minha querida, a Selminha adorou o que vc disse, de amigos e amores. Eu também.
    Fique à vontade e se gosta de cozinhar, vai ter o que dizer, diga o que achar, que vai ser bom pra todos.
    E volte sempre:-)
    bjs

  8. Meg do céu! Mas isso é uma paella paraense caprichadíssima, hein? Já anotei a receita, diga a Selminha que vou fazer e depois conto como me saí. Tenho ainda no freezer camrão seco que trouxe de Belém. Preciso é comprar filetes de açafrão, meu pacotinho de ouro acabou já faz algum tempo.
    Um grande beijo nas duas. Estou com saudades de conversar con vocês.

  9. Meg do céu! Mas isso é uma paella paraense caprichadíssima, hein? Já anotei a receita, diga a Selminha que vou fazer e depois conto como me saí. Tenho ainda no freezer camrão seco que trouxe de Belém. Preciso é comprar filetes de açafrão, meu pacotinho de ouro acabou já faz algum tempo.
    Um grande beijo nas duas. Estou com saudades de conversar com vocês.

  10. Celia Trakl disse:

    Eu vou mandar prender voces tudinho, ate a professora Selma (prazer, professora) e a linda Dorothy :-)
    Não se faz uma maldade dessas, com quem anda sequinha de saudades da comiida da nossa terra que nao tem igual no mundo, seguida da cozinha portuguesa que eh dos deuses e que usa o acafrao e o curry, ahmmy nhamy, adoooro.
    Toh de mal coceis (com voces, se eh que me entendem)
    au, au e cosquinhas na barriguinha da Dorothy.
    Ei, Flavia, larga de show, macuxy:-)
    beijos.

  11. Luci disse:

    Iça! professora eu nem acreditei quando vi seu rostinho la no facebook. Arrasou, hein?
    saudades professora e um cheiro na dorothy.
    ah em tempo esse prato é lindo mas um pouco salgado, não acha?
    sim, salgado pro meu bolso shuahuahuash.

  12. oubienoubien disse:

    Ei, Meg, vc não precisa justificar nada, como diz a nossa Marília, o sub rosa e você podem tudo.
    Mas mesmo que não fosse assim, eu queria- sem pedantismo, longe de mim – mas por causa de um trabalho que venho tentando, a custo, realizar – lembrar que a culinária (criação e execução) está muito ligada a uma simbologia do corpo, do amor , da magia, do encantamento, da transformação. A sociologia até mesmo mais que a antropologia e a psicanálise mostram isso, não acha?. Se eu tivesse tempo, e mais um tantinho assim de talento, faria aqui uma aproximação entre esses “departamentos”. Mas basta lembrar os contos de fada, as literaturas, principalmente as obras que tratam de poções e alimentos “envenenados”, os relatos de amor, de poder, bruxaria etc. estão lá muito à mostra esse poder vital da preparação de uma “receita”:-). Para o bem ou para o mal, para o amor, para o ódio, para a vida e para amorte, ali estão exemplos de consagração do corpo e da persona femininos. (não me perguntem sobre o masculuno que não sei responder:-)))
    E lembro de Jorge Amado (não sei se meu raciocínio está à altura da articulação mas só para dar um exemplo), mostra esse poder da sedução que a mulher usa não só em Dona Flor, mas no Quincas berro d’agua também.
    Sem esquecer Laura Esquivel, Carmen Posadas, Isabel Allende (como água para chocolate) fazem essa ligação também.
    Por isso eu também me surpreendi com o “laconismo” do Nelsinho, afinal o Eça de Queroz hein? Todos os romances são repletos de cenas e bastidores de uma gastronomia.
    Nelsinho, desculpe citar você, mas a culpa é sua que já nos acostumou a sempre esperar uma referência artística nos seus comentário, prova disso é seu blog, que, muitas vezes não sei se leio ou se comento, tempo escasso.
    Portanto, Meg amiga querida, nem precisava se preocupar.
    Eu acho que só faltou a música para completar a “ementa”:-) Qual seria?
    =-=-
    Por fim, engolindo em seco diante da provocação da Flavinha malvada: quero dizer que a Selma de quem tanto a Meg fala(va), é uma linda senhorazinha com ar de anjo (e ensina matemática?). E a Dorothy é um bibelozinho, um biscuí, que carinha de travessa.
    Não há como fugir dessa realidade: o Sub Rosa é um must e cada post é um flash.
    E agora voltando pro tronco:-)

  13. Meg, my dear…
    provando que eu não sou mesmo lá muito normal, não como camarão porque não gosto (idem com chocolate). E aí os mais próximos interpretam isso como birra para estragar os passeios gastronômicos a restaurantes que servem frutos do mar. Em compensação adoro polvo. Vai entender…

    Helô, concordo contigo. Comer é um ato muito, mas muito social. Eu sempre me perguntei o que havia de estranho no fato de frequentar restaurantes sozinhas – principalmente os de comida japonesa (parece que tá todo mundo me olhando de solsaio). Dá a impressão de que tem umas comidas que não se pode comer só. Isso só pode ser fruto de algum tipo de ritual ligado à alimentação (hehe)… viajei, né?

    Liguem não, é o isolamento…. Tá me deixando piorzinha que o normal. Mas logo passa. Ou não (como diria o Caetano)

    Já faz tempo, escrevi um poema chamado COMIDA DE SE COMER SÓ.

    “Sou suicida da multidão.
    Não porque vá morrer,
    Mas porque sou a multidão
    E porque vilipendio a idéia de só e junto,
    Comendo, sozinha,
    Um prato de sushi
    Porque não me conformo
    Com a idéia
    De que os sós
    Apenas comem McDonald’s.
    Por isso, como feijoada
    Numa roda de amigos imaginários
    E bebo cerveja com a lua.”

    Saudações a todos e agora, depois da furtiva pausa, volto à autoescravidão, que na reta final está sendo em turno ininterrupto.

  14. Nelsinho disse:

    Finalmente vim aqui, atento ma non troppo, depois de um embarque de alguns dias off-shore meio tumultuados, com ecos nos que se seguiram e seguem. Ossos do ofício que são afinal terapêuticos, porque eu reajo muitas vezes sem paciência, mas apavoro-me ao pensar que terei de, em algum momento, mandar tudo às favas e juntar-me definitivamente àquele meu outro insuportável “eu”.:(
    Fiquei muito feliz e ufano em ser citado! Sobre a culinária, sou leigo mas chegado às cores, cheiros e sabores da boa mesa, em que que as artes bahianas estão definitivamente incluidas. Isso, porque li todos os livros de Jorge Amado, parando no Teresa Batista, por enxergar risco de clichê e uma consequente diminuição da minha grande admiração por ele! Provavelmente eu estaria errado, mas é a pura verdade. Não queria arriscar a perder o charme, clima, odores, etc., fortemente ancorados na minha alma, nas várias e várias vezes que li, em todo ou em parte como se fosse uma cartilha, o inesquecível “Tenda dos Milagres”! Gostaria de dizer mais sobre o “tenda” e outras estórias sobre culinária, mas temo estar sendo enfadonho.

  15. oubienoubien disse:

    Marilia, como se diz por aí:CQD ou QED.
    Ir sozinha a um restaurante é quase ser um ET. Conheço esse lance. Aliás, se for homem no problem, já reparou?
    Eu estava muito insegura depois que comentei, adorei o feedback.
    Obrigada.
    Nelsinho, isso, isso mesmo. Esse aí é um comentário à altura:-).
    Se eu entendi bem, e já vi algumas referências lá no seu blog, por mais apavorante que seja, você parece ser apaixonado por esse seu ofício tanto quanto pela sua arte, será que errei ao dizer isso?
    Então, se eu tiver atirado certo no que vi, tenho uma sugestão: atire-se agora no medo. Afinal, ter medo, como diz a “nossa” professora, ter medo exige coragem:-).
    Aconselho aos que vem aqui sem comentar, os meus três blogs preferidos (estou mesmo virando um animal internético): o do Nelsinho, o da Rose (que as vezes me enche de tristeza) e o da Marilia, cada post uma delícia.
    agora,… tronco, aliás, cadê a Isabela?
    Helô.

  16. Rose disse:

    Vozes: ”o da Rose* (que as vezes me enche de tristeza)”

    Euses: ”Se essa Rose for eu, nada a ver. Sou de encher de alegria, ora se sou! Se for outra Rose, deixo estar. há muitas Roses no mundo.

    Saudações a todos do sub-rosa, estou viva, alegre , básica”.

  17. aninha pontes disse:

    Meg, minha querida:
    Isso é uma bela covardia. Você e Selminha juntas, vieram, só para nos fazer sofrer.
    Uma receita dessas, me faz até sonhar com o prato.
    Mas Meg, ao contrário do que disse o bem, não é o arroz a parte mais difícil, mas sim o camarão. Onde vou achar camarão do Norte do país?
    Principalmente onde moramos, no meião do mundo, ou no fundo do estado de SP.
    Mas que a receita me deixou com água na boca, isso sim, quase me afoguei.
    Eu adoro camarões e bacalhau, então, nem se fala.
    Mas é verdade, o Pablo não gosta nerm de camarões, nem de bacalhau.
    Érickinho não morre de amores, diz que tem alergia, mas come.
    Ai, ai, ai… preciso pensar no que fazer, porque acho que vou ficar com essa receita aqui na cabeça, até sei lá quando.
    Judiou. Isso sim.
    Parabéns querida. Pelas comemorações, pela receita, por você estar aí, nos presenteando.
    Um beijo grande prá vc e outro para Selminha.

  18. Isabela disse:

    Oi, Meguita, oi pessoal!

    Como sou grande fã da culinária paraense, eu que já fui no Lá em casa, na Casa das 11 janelas, no Mangal das Garças, comi tacacá com jambu, maniçoba, provei esses camarões… tomei sorvete na Cairu, comi filhote, feijão corridinho e otras cositas… só tenho a dizer que esse prato de Selminha me deixou morrendo de vontade de voltar aí.

    Eita povo que sabe cozinhar e aproveitar os sabores! Vocês estão de parabéns! Quem mora aí tem um grande privilégio, aproveite Flavinha. Se morasse aí, acho que perderia rapidamente minha silhueta e entendo a saudade de Célia pelos sabores da terra.

    Beijo carinhoso para você, Selma querida. E Dorothy é linda, beauty pura.

    Beijão Meguita, beijos a todos.

    Beijos para Helô. O sumiço foi por uma boa causa ;-), mas obrigada por perguntar :-)))

    P.S.: Quando alguém está com a cara meio “assim”, sempre pergunto “que cara de jambu é essa?” kkk Ou “Que cara de jambu ralado é essa?” kkk

  19. Celia Trakl disse:

    Isabela, mas voce eh phynah mesmo:-)
    estou cansadissima mas nao quero ir dormir sem agradecer a voce pela gentileza, estava me sentindo um cachorrinho com rabinho entre as pernas, gente, ninguem leu meu comment nem a Meg, sniff.. aih vem voce e que lindo.
    sim, Isa, vc sabe bem do que esta falando, qdo sai de belem, o la em casa era o supra sumo do chique, da elite, a alta burguesia popularizando a culinaria paraense, com as influencias da portuguesa, indigena e africana, etc..Infelizmente a D Ana Maria e o Paulo morreram, mas deixaram a semente dessa alta gastronomia. que so fez crescer.
    Ai, que saudade…. na amazonia tudo eh riqueza, falta valorizar.
    Agora essa de cara de jambuKKKKK, digo eu:-)
    E quer saber? se cara de jambu mata , o cara de jambu ralado, então, esfola.
    Ja esta no meu repertorio. que bom vc aparecer.
    Obrigada, Isa, gente phynah eh oouuutra COUSA:-)
    bj

  20. Carlos Miranda disse:

    Meg,
    hoje é dia de nascimento do Borges. Você fez alguma coisa neste sentido? Textos, por ex.
    Fizemos aqui uma aproximação do Monegal, da Clarice e, claro, Borges.
    abraço

  21. Daniella disse:

    Maggie:
    Amazing! I bet it taste great too well done !
    I’m over my head with work. Thanks for your words of support, dear.
    It’s wonderful to have friends like you, and Selma.

  22. luma rosa disse:

    Fui conferir o charme do bonitão, mas ele “fugiu, sumiu, escafedeu-se!! Oh! Arlindo Orlando volte. Onde quer que você se encontre” – o link do camarão não está funcionando.
    Vivendo e aprendendo! Não sabia que arroz tem proteína na composição.
    #euri Mesmo que a Selminha negue, tem semelhança com a garotinha de Renoir ;)
    Em casa ninguém come arroz parboilizado – reclamam que o gosto é artificial. Já o integral, adoro! Mas neste prato, não acho que combine.
    Tenho uma dica para não deixar o arroz empapado. Basta ferver água e jogar no arroz branco já lavado até cobrí-lo. Deixe descansando e com fogo desligado até que esfrie. Escorra e refogue normalmente. Este “escaldado” cria uma proteção no arroz, que não deixa soltar o amido na água.
    A minha dificuldade é a mesma da Aninha – onde moro não vendem este camarão :( e eu fiquei morrendo de vontade de provar esse prato, bandida!!
    Meg, dez anos merece uma grande comemoração! Pode contar comigo!!
    Beijus,

  23. Lais Castro disse:

    De dar água na boca… mas, vou comer somente com os olhos! :))

  24. Nara Gorayeb disse:

    Olá, causou-me admiração ler neste site para não confundir açafrão com curcuma. Como oriental, e ao que eu saiba, açafrão e cúrcuma são a mesma coisa, outro nome usado é zadoína.
    caso eu esteja errada, favor me esclarecer, sim?
    No mais, gostei muito do que li.

  25. sub rosa disse:

    Gente, fiz um update (no capricho). Foram vários emails e comentários, sugerindo mudanças, acréscimos, apontando links quebrados (obrigada, Lumíssima, meu anjo e Magaly do meu amor). Coisas que atingem lindamente o coração e ainda bem.
    Fiz tudo direitinho, como sempre faço pra vocês:-).
    Olhem como ficou (ainda mais) rico o nosso post. Nunca imaginei que rendesse tanto. Sou uma sortuda. Há links ricos, preciosíssimos, deu até uma inveja do meu próprio blog hohoho.
    As pessoas citadas, todas da mais alta qualidade.. É! quem é bom já nasce feito, dizia um célebre filósofo peripatético:-)
    Fiquem à vontade ‘pra’ o que quiserem, sintam-se em casa, recebam as pessoas, conversem etc… (obrigadíssima, Helô, minha anja, notei seu esforço, que lindo!). Ou não façam nada se preferirem.
    Coloquei a música que pediram. Digam o que acharam, sim?
    Dou boas vindas à Laís e à Nara. Laís, que blogs lindos os seus. Nara, adorei sua pergunta, sinto não saber responder agora, verei isso com alguma precisão, não sei se vou ser capaz, mas tento, juro. Quem souber…, faz favor, OK?
    Por enquanto, infelizmente, é só: vou fazer alguns exames sob uma denominação imponente:
    “VECTOELETRONISTAGMOGRAFIA”! .
    Espia só!
    (agora, ninguém mais tira onda comigo, qualquer coisa, chamo na chincha: você já fez esse exame? Pois é, eu fiz!).
    Vou te contar, a minha vida social ultimamente anda intensa e nada invejável: vivo indo a mais médicos do que todos aos que já fui antes. Um verdadeiro recorde! Torçam por mim, queridos. Tá bem?
    De modo que estou decidindo qual vai ser o novo post e fazendo a preparação prévia pro tal exame. Enquanto isso…
    Não esperem por mim, acordados.
    Obrigada a todos.
    Um grande beijo.

  26. Flavia Viana disse:

    ¡Hola, que tal!, meglyn, legal ver você de volta,
    Celi, não vi seu comentário parece qdo tinha mais de 100 comentários, perdia-se tudo, ninguém lia. pronto, falei.
    Celi, vc quis dizer show off:-)? kkkkk, ninguém responde p/ vc? kkkk, e você se esforçou tanto kkkk e puxa, e ainda falou na cã da Meg e nada kkkk mas gostei do macuxi, ê saudade das brabas.
    Ei, dona Luna Rossa, eu tb, eu tb, adoro arroz integral, mais proteína e muito mais fibras,delicia com gergelim torradinho e umas castanhas caju picadas.
    Luma, maiorrrr apoio pra vc nos ajudar na comemoração dos 10 anos do SR. Tô dentro, tamos. Eba!
    Eu adorei seu post/Hitchcok. um dos meus filmes preferido é Rope.
    http://luzdeluma.blogspot.com/2011/08/perversao-em-preto-e-branco.html
    Puxa, irado seu link:
    http://ultimosegundo.ig.com.br/cultura/cinema/especial+50+anos+de+ipsicosei/n1237590300102.html

    Sugestão de música pelo comsorte:
    Madeleine Peyroux Dance me to the End of Love (apesar de nao ser da minha epoca, adouro tb.
    TGTIF
    \^~^/

  27. Flavia Viana disse:

    Ei, Isa, eu sei, eu sei, eu sei o motivo do sumiço
    parabéns. bj
    :-)))

  28. oubienoubien disse:

    Megz,
    nem me diga nada, eu me sinto feliz aqui, com o carinho de todos. Isso não é pouca coisa.
    Eu já fiz a nistagmo e posso garantir que mesmo não tendo nada de grave (e espero que seja o seu caso) a sintomatologia é péssima, um horror, sem exagero. Bons exames pra você e melhores resultados.
    Quanto ao blog, você notou, é? às vezes sou muito corajosa, ou melhor, temerária e isso não é bom.:-(
    Desculpe, Célia eu realmente não consigo ler tudo, mea culpa, “vacilei, dancei”:-). Fiquei beige.
    Obrigada, Nelsinho. Obrigada, Marilia, minha crítica literária favorita:-.Obrigada, Isabela, parabéns!
    (não eu nao sei o motivo do “sumiço”, mas se a Flavia lhe deu parabéns… ora…você merece os parabéns. Conte com os meus.
    Luma Rosa: eu engrosso o cordão das camaraosecogrande prejudicadas. Nós queremos o Arlindo Orlando ao vivo, aqui.
    Você é mesmo muito versátil mesmo não, Luna?
    Entendo nada de blog mas sei que leio os tres melhores.:-), incluindo o seu, claro. :-)
    Então, em setembro, teremos, festas de aniversário, é isso?
    Nara, se vc descobrir isso do açafrão, se a diferença existir, me conta, viu?
    Bom, um bom fim de semana a todos e sugiro a música:
    Let’s face the music and dance, com a Diana Krall.
    que tal!?
    beijos
    Helô

  29. Luci disse:

    Meiguinha e Selma:
    Um presente para vocês, digam se gostaram:
    http://www.estadao.com.br/especiais/ginger-rogers-cem-anos,142804.htm
    bjus

%d blogueiros gostam disto: