Como ‘vaes’ você?

Ava, film a touch of venus, 1948

Uma saudade imensa, uma falta sem tamanho.
Vim, hoje, porque acho que sempre temos um encontro aqui, às sextas-feiras.
Ainda não posso ficar por muito tempo, tenho um prazo a cumprir. Acho, porém, que logo após o dia 20, ou antes até, volto pra este lugar que é sina,  é  fado, na ausência é que a gente vê.
Queria agradecer a todos, todos que vêm aqui, a todos que escreveram no post abaixo, nos demais posts, a quem irei respondendo aos poucos. E também, aos que me têm escrito em particular, que me têm emprestado uma força de que não suspeito em mim.
Logo, logo, as coisas se arranjam, as doenças curam-se, os problemas resolvem-se, enfim… o que pode o real contra a imagem, não é? Quem há de não concordar com isso? Com a força da representação?

Eu quero deixar um ou dois presentinhos pra vocês, além da Ava Gardner, naturalmente, de quem estou lendo uma autobiografia bem malcriada. Ava-My Sory– de Ava Gardner e seus três maridos. Uma nota: O filme A Touch of Venus é aquela coisa, ou seja não é grande coisa, mas ela está linda e seu partner é um dos atores que eu mais amo: Robert Walker, vocês conhecem, não é? Se não, conheçam. He’s something special.

1– Este aqui, naquele conhecido efeito morphing, uma beleza, só não concordando com a presença, sem nenhuma congeniality, da Bullock.
Já é meio antigo (meio? bondade!) mas sempre vale a pena ver a Tipi Hedren. Ou não é?

Women in Film.

2– Este aqui, também meio velhinho, muita gente conhece, mas é para as horas de navegação ou pesquisa com rádio na web.
É nosso e é muito interessante.

Canal FunarteVejam e ao navegar confiram em Imagens—> Entrevistas e —>Serviços.

Me digam o que acharam do Paulo Autran e da Tonia Carrero, esplendorosos, novos, majestosos, lindos.
Ao alcance dos olhos.

***
Bem, crianças, ainda estou com pouco fôlego, vou indo, mas antes deixem que eu diga que Deus existe, e  ele e a Tereza gostam de mim.
Obrigada, amiga, adorei, a-do-ro e vou adorar sempre a Marilyn. E que russos, hein?:-)

Me aguardem pra antes do Oscar©, que é quando minha porção maior  da minha  légèreté aflora que é uma beleza. Salve, salve!

=-=-=
(*) Como vaes você? (vocês viram isso aqui?:-)

***

Sobre sub rosa
The most of all things and persons in the entire world drives me *flabbergasted". That includes me.

36 Responses to Como ‘vaes’ você?

  1. Tereza disse:

    Meg, saudades!
    Que bom que gostou das fotos da Marilyn:)
    Depois volto para comentar o post da lindíssima Ava. Vou deixar um presentinho para você. Se ainda não viu, acho que vai ficar horas vendo:)
    Eu ainda não terminei de ver, mas a parte que vi gostei muito. Melhoras para você, querida.
    Beijos.

    Fotos raras de pessoas famosas:
    http://acidcow.com/famous/14534-rare-photos-of-famous-people-part-10-88-pics.html

  2. Tereza disse:

    Ava era lindíssima.Não consigo lembrar quais os filmes dela que eu vi.Não sei se vi a Condessa Descalça ou se ouvi falar dele.Sei que vi a Ava na tela. E se não me lembro dos filmes, não me esqueci dela, belíssima.
    Ainda quero ver A touch of Venus.
    Ler a autobiografia malcriada da Ava deve ser tudo de bom:) Adoro autobiografias malcriadas:)Aproveite e conte para nós algumas das coisas loucas, divertidas e interessantes do livro:)))
    Obrigada pelos presentes.
    Já tinha visto Women in film, mas o Canal Funarte eu não conhecia.Já fui lá e gostei muito. Excelente a seleção de cantores e entrevistas.
    Cuide-se bem.
    Beijos.

  3. Rose disse:

    Um vídeo ‘nada a ver’ com o contexto deste post, mas , ‘flertando/trafegando num dialogismo em primeiridade”/ ( iche, baixou a profa de semiótica)” com o contexto do post anterior que se completou por ser tão completo Presente! Cá estou, Mestra.

    ( só para provocar emoções)

  4. sub rosa disse:

    Hahahaha
    Vocês precisavam ver a minha cara, agora, neste instante. Tipo assim, happy face, dos cartoons , aquela do filme ‘Tudo pode dar certo’ (o Larry David dizendo que *hate happy faces*).

    Vou contar uma coisinha: há muito anos, uns dez anos atrás, um dia , num blog (que imperdoavelmente não lembro o nome, pois já desapareceu, foi deletado), um blogueiro escreveu um post, cheio de orgulho:

    “É, receber comentários é fácil, quero ver é responder..”.

    A gente morreu de rir porque [ATTENTION, please!] esse tempo *não* era a época em que blog virou “midía” maisntream, como hoje:-), ele disse isso a sério, e a média de todo mundo era entre dois, três até 10, 12 comments, isto para os de grande Ipobe:-). Não passava disso. E então, ele estava se orgulhando mesmo e chamava a nossa atenção para a sublime missão de responder:-)
    =-=-=-

    Eu estou aqui revivendo a situação . “Puxa, disse a princesa: como é bom!”

    De fato, deve ser um pouco triste receber 100, 800 comentários, não que as uvas estejam verdes :-))).
    Não dá pra ler nem responder.
    E será que vcês já repararam que quem mais comenta sou mesmo eu, quer dizer as respostas mais gordas são as minhas.
    Fala sério, ter blog é bom, ter comentários é que eu quero ver:-)
    -===
    Queridos, obrigada.

    =-=-=
    Rose, Teresa, Magaly, ( que logo virá):
    obrigada, meninas, meninos, eu devo minha saúde a vocês, todos os tipos de saúde.

    E ah! eu repondo, sim, eu vou respondendo aos poucos.
    Tudo sobre Ava, Eve, e a minha Marilyn.
    Não tenho dúvida, Tereza, Marilyn é a maior lenda per omnia secula seculorum.

    Tereza, no link que vc me mandou, o primeiro, eu caí no choro, juro, acredite, não é força de expressão, eu chorei -sim- por ver aqueles meninos russos, novos, uns descobrindo a Marilyn, que já morreu há +/-50 anos.
    E, talvez, eu tenha chorado mais ainda por ver rapazes e moças dizendo que não a conheciam e *NÃO* gostavam dela. E isso é igualmente importante.
    Quer coisa mais mito, lenda, diva, musa e tudo mais numa pessoa só?
    Além de medir o poder de mobilização das pessoas, idéias, e imagem. E, principalmente, do mistério.
    (Ontem ou anteontem, foi dia relembrar o Holocausto)
    E como hoje em dia, pra valer alguma coisa, tudo tem de ser política (não que seja político), sempre é bom lembrar que ela morreu “bajo la égide -y cama – dos Kennedy.
    (va comprendre!)

  5. Magaly disse:

    Você é valente, minha amiga, que post variado, cheio de novidades! Olhei tudinho, explorei o que pude. Magnífica a foto de Ava Gardner. É um perfil sem defeitos. Apesar de lindíssima, nunca tive por ela muita simpatia. Tive uma saudade
    doída da Dolores Duran, da Nara Leão. Gostei desse link da Funarte. O da sequência das atrizes é ótimo. Já havia visto esse tipo de trabalho, mas este é farto, muitas faces. Presentes bem recebidos, amados.
    Ih! Chegou a minha filha. Vou ter que dar uma saidinha com ela.Volto depois para mexericar mais um pouquinho. Beijos pra todos.

  6. Rose disse:

    Seu blog revive o Underground na net.

    …………………………………………………………………..
    O bom do bom são os seus comentários.

    Porque longos e não só , um “abs”.

    Abaixo o “aBs”..o “Obrigada, amiguinho, por ter escrito”.

  7. Rose disse:

    só um isso

    Por que não faz um comentário geral depois que todo mundo escreveu tudo ?

    Um só, pra quem lê é bom, e nem dá trabalho. Nem precisa citar nomes, que dá trabalho.

    Importam as suas ideias.

  8. tereza disse:

    Concordo com a Rose que “o bom do bom são os seus comentários”.Só não voto a favor do comentário geral:) Mas quem sabe pode ser interessante?
    Aprendo com os seus comentários, me divirto com o seu humor e já lhe disse que admiro a sua atenção e carinho com o leitor. Lamento que o tempo dos blogs esteja passando. Leio o twitter, mas não gosto muito.Atualmente é raro eu comentar em outros blogs além do seu.Quase todos os blogs bons que eu lia acabaram.

  9. tereza disse:

    Ahahahaha! Eu sou muito desligada. Só agora vi que você fez um comentário geral.Não tinha prestado atenção que era geral:))) E ficou muito bom.
    beijos.

  10. Rose disse:

    Teresa, o importante é arrancar dessa mulher o cérebro, o coração, a novidade. E ela tem, sempre aprendo. O humor é um charme a mais, mas o compêndio é nas entrelinhas e linhas…

    Sabe que pode ser Ela vai conversar com uma de nós em cada post. Faz fila, fazer o quê? Se até no supermercado …

    E outra coisa: o que é um blog? Um nome que inventaram. Se o blog passou, eu não passo. Você passará? Não, Teresa.
    Isso aqui é outra coisa. Não sei o quê. Tem de pensar.
    Twitter/ face/grace/ tudo é inventado. Inventemos.
    Raspando tudo o que fica? Uma mulher que tem o que dizer e outras que, no caso, querem ouvi-la, pouco que seja.
    Pq cada uma diz muito ( eu sou tagarela), sem chance de ela responder a todas. Ainda que nem perguntas são!
    Que fará a filósofa?
    Isso não é blog. Sempre detestei a palavra blog. E muito menos diário.Vai dizer que Meg escreve ” Meu querido diário hoje vou falar de …”.
    Ela faz uma vitrina; e a gente comenta, do lado de fora. Pode ser um palco de vidro.
    Depois dum tempo, ela aparece, com uma roupa bem magnífica e comenta.

    Ideias duma louca, eu.

  11. Rose disse:

    CORREÇÃO

    TEREZA COM ‘ZE’

  12. tereza disse:

    Concordo com você, Rose. Meg tem um jeito todo especial de ensinar. É uma mestra. Sem aquele ranço de dona do saber.Nos comentários aparentemente mais simples, ela nos faz pensar.Você também, nos seus comentários.
    Sei que não gosta de elogios, mas me permite apenas um? Já li seus blogs e imagino como devem ser interessantes as suas aulas.
    Nunca comentei porque sabia que você não gostava de elogios. Prometo não elogiar mais, combinado? Mas queria que você soubesse.
    Tem razão, blog é só um nome e podemos inventar:)

  13. Rose disse:

    Estou preocupada com Belém, Tereza. Sei que a Meg não mora no prédio que caiu. Mas estou preocupada mesmo assim.

    Sou meio assustada com notícias. E depois o que está acontecendo que tudo desaba?

    Ela deve ter ouvindo o barulho. E são os conterrâneos dela.

    * obrigada pelo que falou de meu blog, Tereza, pode elogiar, a gente inventa outra palavra pra elogio.

  14. Isabela Percov disse:

    Ora, viva!
    Que bom que está de volta!
    Deixe-se ficar, a repousar, não tenha pressa, mas venha mal possa. Estamos a esperar.

  15. Guilherme disse:

    Meg, Meg, quem pode explicar a saudade num coment curto? (mas nem num samba quilométrico, nesse caso!).
    Já que você não tem respondido os e-mails e assim nem sei se os está recebendo, quem sabe por aqui eu consigo alguma pista, rasto ou sombra de você, lançando por terra o escudo do teu coração em repouso (forçado, sabemos disso!).
    Vi ontem um programa de um curso na Biblioteca Mário de Andrade, “A poesia moderna no Ocidente: Conquistas e impasses”, e sabe o que vai ser a palestra do dia 16/05? “Rainer Maria Rilke”, com Benedito Nunes!
    Será que assim você não recobra ânimo em quantidade suficiente pra aparecer por aqui?
    Bom, por enquanto, eu e Rose aguardamos um horário melhor para um telefona, quem sabe?

    Sim, o encanto das imagens: vamos concordar com Magaly, embora muito bonita, de que é feita a Ava? Uma citação de Cocteau?
    Beijo,

  16. tereza disse:

    Meg, eu não li os comentários dos russos.Fiquei curiosa, mas também com preguiça de traduzir na internet.
    Entendo que você tenha chorado.
    É um desses comentários que você faz que são apenas aparentemente simples:) Gostei.
    beijos.

  17. tereza disse:

    Rose, fique tranquila. Não há nenhum problema em Belém. Foi um prédio em construção que já havia apresentado problemas e queixas dos moradores vizinhos que desabou. É terrível, sim, morreram uns 20 operários soterrados, mas é algo localizado e não risco de desabamentos em série como aconteceu nas cidades do Rio. Meg deve estar bem informada.
    beijos.

  18. tereza disse:

    Puxa, como eu escrevo mal.Quando eu disse que não há nenhum problema em Belém, não quis dizer que o desabamento do prédio não é uma tragédia. Quis dizer que é um desabamento num prédio específico e não algo que possa atingir grande parte da cidade como aconteceu com as cidades do Rio.

  19. Flavia Viana disse:

    Ei, Meg
    aqui é sua ex-aluna Flavia, terminei meu curso de cinema, mas sempre lembramos de vc, aquela nossa turminha.
    bom te ver, te ler, sempre dinamizando a imaginação nossa de cada dia.
    Eu ia adorar se vc escrevesse seus filmes preferidos o que anda vendo e lendo.
    Dá umas dicas.
    saúde.
    um beijo

  20. flavia disse:

    Oi, Meg,
    aqui é a Flávia Viana, lembra? Conclui meu curso de cinema e eu e nossa turma lembramos muito de vc. que bom vê-la como sempre dinamizando a imaginação nossa de cada dia.
    Bendita internet, de vez em qundo, bate uma saudade… gostaria de ver vc indicando suas leituras e seus filmes , de preferência, com seus comentários cheios de crítica e humor.
    saude
    bjs

  21. Allan disse:

    Saudades da Ava interpretando. Saudades da imagem linda e do ar esnobe dela. Vou adiante, colecionando novas saudades.

    Beijocas :)

  22. Rose disse:

    Tereza, acho que não faz mal. Não vão achar que seja malvada. E fora que o post é sobre Ava!

    Saí do assunto! Saímos?

    Mas, sempre que a Meg escreve, fico/(ficamos) tão contentes que eu desato a falar fora do retângulo, este do commnet.

    Ava!

    Fico pensando que alguns rostos nos abrem as palestras do que se chama espírito. Olhar Ava é sempre* novidade e reencontro.
    Resta saber se esses rostos correspondem às minhas expectativas a da novidade, estranhamento, a raiz. No caso dela , creio que sim.
    Porque quando um rosto não se sustenta, chega uma hora que não comunica. Rosto pode ser corpo também.
    Essa altivez que vem de Ava , não só nas fotos, nos filmes, faz bem olhar não é?
    Dá pra pensar num tratado sobre a altivez.
    Obrigada, Meg pela escolha.

  23. sub rosa disse:

    Queridos:
    Aqui está uma chuva, as gripes nos pegam, não nos deixam fazer nada, nem direito pensamos.
    (o prédio caiu, claro que por causa das chuvas, não podia ser diferente, o que SÓ AUMENTA a (Ir) RESPONSABILIDADE da empreiteira. Foi muito triste: foi na sexta-feira).
    =-=-=
    Por favor, me dêem (é assim?) este presente: façam como se eu estivesse aqui, respondendo para cada um. Melhor, sintam-se em casa, como sempre, aliás.
    =-=-=
    Nem estou conseguindo falar com amigos ao telefone. Há gripe, febre e há, como vcs, queridos não ignoram, a asma.
    Estou me sentindo um pouco como o John Keats, vcs viram o filme Brilho de ma paixão?
    http://www.vermelho.org.br/coluna.php?id_coluna=13&id_coluna_texto=3463
    Eu recomendo (não sou nenhuma autoridade, mas vale, e muito, a locação).
    =-=-
    Mas deixem eu dizer duas coisas:
    Tereza: a Ava, um mulherão, quando casou com o Mickey Rooney, baixinho e feioso., todo o mundo estranhou! Certa vez, alguém disse, impiedosamente, que ele havia tomado uma Coca Cola, e a fichinha estava premiada: Ava era o prêmio:-) [quintessência da maldade, hein?] hohoho

    A biografia (mal feita e muito mal impressa, tradução horripilante ) pela ótima editora L&PM , a Ava não diz 3 palavras sem dizer 5 palavrões.
    Ava é (viu como a gente às vezes não deve conhecer muito bem as pessoas, dizem que a intimidade gera o desprezo?) – uma – “dummy-brunette”, já que é às louras que se chama preconceituosamente de lôraburra, né?) Ela é superficial, rasteira mesmo.
    (Note que isso é uma autobiografia, ela gravou fitas/tapes que foram passados para o livro por sua irmã, poucos meses antes de ela morrer. Às vezes chega a ser monótona.)
    Agora se há um defeito que ela não tinha era esse: não era interesseira. Não era o que se chama muito comumente em inglês de *bimbo*:

    (Leia isso:
    http://en.wikipedia.org/wiki/Bimbo )

    Uma coisa que chega a ser comovente, dado que o Howard Hugues chegou a ser loucamente, insanamente apaixonado por ela. (Tem uma história de uma safira azul que ele deu pra ela que dá a medida… ela lamentou não ter conservado esse presente . Quando ela brigava destruía tudo…hohoho.)
    (Isso pode ser visto no filme Aviador, ele tb foi louco por outras, mas acho que ele *se* superou na matéria paixão não correspondida, foi mesmo com Ava.
    -=-=-
    Às vezes ler a biografia fica profundamente “embêtant”. Ela devia deixar que outros escrevessem sobre ela, ou contratar a Gertrude Stein – para sua autobiografia:-), não é?

    Imagina que as célebres , atordoantes e dantescas brigas com Frank Sinatra, talvez o grande amor de sua vida, chegam a ficar tediosas no modo como ela fala ou escreve. Juro.
    =-=-
    E assim, se a gente quiser – como o Allan ficar com saudade das interpretações dela, tem mesmo que ler as revistas antigas de cinema, como Cinemin, Cinelandia e Confidential ou Top Secret.
    =-=
    Mas bonito mesmo é a relação com o toureiro Dominguin. Aí, com o caliente torero, a coisa fica tão boa, que nem ela pode estragar (cala-te boca!)

    http://www.flixster.com/photos/ava-gardner-ava-gardner-and-dominguin-11574692
    ****************
    A outra coisa:

    Então, eu li isso que é escrito pela Rose e Tereza , acho que o blog foi uma revolução, sim, na Internet. Depois falo sobre os blogs (que definitivamente não são para serem escrito por gente prolixa, como esta que vos tecla)
    Só sei dizer que – o que vcs dizem de mim, não sei se mereço, mas juro que é tudo o que eu gostaria de ser. Obrigada.
    Deve ser mesmo muito bom que vocês entendam o quanto eu me entusiasmo com todos que comentam aqui e me ensinam coisas, ou me permitem partilhar coisas que, sem o blog, eu não teria prazer nenhum em saber ou ignorar sozinha.:-)
    Obrigada, Rose, Tereza, Magaly, Flavia, Isabela, Allan, e meu querido Guilherme.
    ****
    Eu insisto em responder a cada UM.
    ***
    Aliás, desde ontem venho respondendo aos comentários do post Next…
    Vejam lá:-0
    beijos meio febris:-(
    =-=-
    Rose:
    Você que faz, *constrói* – embora, com a mesma frquência e intensidade, desconstrua, tantos blogs, vc é nossa inspiradora.
    E para ficar numa letra de música, acho que blog ficando ou desaparecendo, a letra certa é:
    “O nosso blog a gente iventa”. Pra se distrair e pra outras coisas tb.
    :-)

  24. tereza disse:

    Simplesmente deliciosa a história da Ava que você contou.Se ela tivesse uma Meg para escrever a biografia dela, certamente ficaria muito interessante.Obrigada, querida:) Boa semana com a gripe e asma curadas.
    beijos.

  25. tereza disse:

    Vale a pena clicar no link que a Rose deixou do novo blog dela.Muito bom:)
    bjs.

  26. Magaly disse:

    Cheguei agora, 1:1o do outro dia. Desculpem, mas minha filha Elisa vai viajar, queria se despedir de mim sem perder a peça do CCBB – A Lua vem da Ásia – com Chico Diaz, num monólogo exuberante, Depois vou falar do que vi, ouvi , senti, admirei. Aplaudi de pé e fui felicitá-lo no palco.
    Agora todo dia peço desculpas Aguentem a mão. Fevereiro e março estão chegando, quem está de férias já vai ficar amarradinho e a Vov´s (é assim que me chamam) vai poder ser mais fiel às suas obrigações blogueiras.
    So long, dear children,
    Please, Meg, mande essa grie embora!

  27. Magaly disse:

    É gripe mesmo. Até amanhã.

  28. Magaly disse:

    Voltei pra terminar bonitinho meu dever de casa.
    Nunca tenho muito a acrescentar quando se fala de cinema, embora adore ver filmes bons. De Ava sei o que todos sabem:
    Atriz norte-americana do cinema clássico hollywoodiano , considerada una das atrizes mais belas da história do cinema e um dos mitos da sétima arte , entre as 50 maiores lendas do cinema, por sua deslumbrante e fotogênica beleza.

    Filmes de que me lembro embora tenha visto só alguns deles:

    Mogambo, Mayerling, Terremoto, A Maja Nua, Cidade em Chamas, A condessa Descalça, A Travessia de Cassandra, O Sequestro do Presidente, Um toque de Vênus, Pandora (não sei ao certo o título em português), As Neves de Kilimanjaro, A Noite de Iguana.

    C. B. de Mille achava-a a mulher mais linda do mundo . Olhar de gata, foi tida por Jean Cocteau como ’o mais belo animal do mundo’

    Dá pra tirar a nota mínima?

  29. tereza disse:

    Rose, que pena você ter deletado o blog:(

  30. Rose disse:

    A curtição é deletar, eu disse.

  31. Magaly disse:

    Mas Rose, que mania de deletar! Será que a gente, mandando o malho nos comentários, vc deixa de deletar?
    É tão legal curtir o que você inventa, reinventa, torna a reinventar. Pense nisso.

  32. Rose disse:

    Magaly, por que acha que eu invento?” Desinventar” é condição para inventar, feito brincar de casinha, lembra? Chega o fim do dia, desmancha tudo, depois, outro dia, inventa outra brincadeira e…Assim a gente evolui, eu, pelo menos, sinto assim.

    Isso não é bobeira minha, é meu jeito.
    Mas esse aí q eu fiz pra dona Meg não vou desmanchar.
    Até começo de …abril …

    ………………..

  33. sub rosa disse:

    Eu queria agradecer, do mais íntimo em meu coração, a todos os que escreveram aqui. Obrigada pelo carinho. Obrigada, Rose, essencialmente obrigada por suas construções em título precário:-) são boas, são ótimos, eu e Magaly sofremos com as mortes anunciadas e já contidas em cada gestação e nascimento de arte tão rica e viva que você nos oferece.
    Rose é como Deus: O Senhor dá e ela, a Grã-Senhora deleta…
    O que fazer, não é? :-(
    No mais, obrigada, Tereza, Magaly: todo esse bem que me fazem , me devolve um pouco mais de fôlego… E nem imaginam o quanto isso é vital:-)
    Obrigada, minha gratidão está acima de qualquer expressão.
    beijos

  34. Rose disse:

    Meg, eu não deletei o blog dessa vez.

%d blogueiros gostam disto: