Next! 2011.

louise brooks

La Brooksie / lets misbehave/feliz 2011

OUÇA AQUI.

We’re all alone; no chaperone can get our number…
The world’s in slumber; let’s misbehave.

There’s something wild about you, child, that’s so
contagious…
Let’s be outrageous; let’s misbehave.

When Adam won Eve’s hand, he wouldn’t stand for teasin’…
He didn’t care about those apples out of season.

They say the spring means just one thing to little love birds.
We’re not above birds; let’s misbehave.
If you’d be just so sweet and only meet your fate, dear,
It would be the great event of nineteen twenty-eight, dear.

;-)
(*) Dê uma olhadinha aqui. (presentinho de ano novo)

******  *****  ******

Meus bens:

Um feliz (císsimo)ano novo pra nós.
Como diria nossa ‘déa‘ Falzoca: Amém, nóis tudim‘.
Virada da primeira década do século, hein?
Obrigada por tudo, pela companhia, pelos risos, pelas idéias, pela força, enfim… A gente continua, a alegria continua…
(É Deus no céu, Cole Porter e Noel Rosa na terra)
Então, refazendo o título, como diz minha linda amiga, Marie:
“Adieu 2010.  Next!
Feliz 2011 a todos
.”

Sobre sub rosa
The most of all things and persons in the entire world drives me *flabbergasted". That includes me.

57 Responses to Next! 2011.

  1. tereza disse:

    Meg querida, presente para você: Cole Porter-Louise Brooks- You’re the top:

    E que 2011 seja ótimo para todos nós!
    Beijos carinhosos.

    • sub rosa disse:

      Hahahahah!!!!!
      Tereza, não olhe e não ouça:
      Deus fez o mundo e daí…pôs você pra melhorar o mundo da gente.
      *
      obrigada, minha querida, obrigada por você estar aqui. Não me falte nunca. petite.
      *You* are the top!
      Bacino

  2. tereza disse:

    Um delícia ouvir let’s misbehave.
    Obrigada pelo presente de Ano Novo. Vi só um pouco, agora vou dormir.
    Mas já descobri que a Garbo era Diva e a Dietrich e Louise Brooks eram Vamps! E eu pensava que a Dietrich fosse diva:) Não gosto da Garbo. Gosto da Dietrich e não sei se já vi algum filme com a Louise Brooks. Bom dia de um ano novinho!

    • sub rosa disse:

      Ih, Tereza, eu acho que essa classificação é muito pessoal lá do Pearson, que fez a página.
      eu acho que nada impede que uma diva possa ser vamp, né não? Agora, fiquei travada: La Dietrich é uma paixão e uma diva, autêntica! Mas também é supervamp, basta lembrar seu filme Anjo Azul.
      Já Brooksie é, quase que por definição, a mais vamp das vamps, e é figura de culto, diva, portanto.

      Fiquei com vontade de ler o livro da Camille paglia. Vamps & Tramps, infelizmente esgotado; uma das minhas inúmeras e imensas lacunas :-‘(
      -=-=-
      Vale a pena dar uma olhada nesses dois links – eles são de autoria de um nosso “colega de trabalho”:-) o Carlos Eduardo Martins, suma autoridade em Brooksie – escrevendo para a revista cultural espanhola, La Insignia:

      1-http://www.lainsignia.org/2006/octubre/cul_033.htm

      2- http://www.lainsignia.org/2006/octubre/cul_038.htm

      O Carlos Eduardo Martins, comenta aqui como “Carlos”:-)
      Não digo que *vocês* é que fazem esse blog ser très, très chic?

      beijos, querida
      p.s.
      Ah! quer dizer que valeu ter colocado o post na new year’s eve:-)
      eu escrevi esse post pelo horário de Belém, na noite de 31/12 (aqui não temos HBV), mas pelo calendário do wordpress já estávamos em 2011.

  3. Rose disse:

    ”Amém nóis tudim” é a expressão mais amorosa que conheço – criada por quem sabemos.

    Dá muita confiança a mulheres religiosas mas nem tanto. Reforça. E tanto que precisamos de reforço e fé ainda agora eu vendo na Tv a quase posse.

    Obrigada pela lembrança, Meg . Essa frase tem Poder.

    Feliz ANO NOVO!

  4. sub rosa disse:

    Oi, Rose:

    É, a expressão é amorosa, tb acho.
    Agora, a Fal é uma “criadora” , sim, mas essa expressão ela não inventou/criou – nem ela acha isso. Ela reproduz, e muito bem, como (nem) todos sabem, uma sintaxe, uma das formas dos falares das gentes de “antes” e as regiões do *dentro*, dos interiores – coisa que ela faz bem como ninguém:-) .
    Fui criada, ouvindo essa expressão.
    =-=-=-
    quanto à posse:
    Rose, eu tenho muita fé na Dilma. Fico chateada com o pessoal que torce pelo goal “contra”.
    concordo com vc que precisamos de reforço. A começar pelo nosso, não? Aliás, a última coisa de que precisamos , agora, é que as coisas não continuem a dar certo. Há muito por fazer.
    ***

    Ah! vc aqui é outro sinal de que o ano novo promete:-). Obrigada, que seja bom, muito bom pra nóis…, amém.

    Fui ver o seu blog, a-do-rei. O post sobre Shkspr é fantástico. O do Bob Dylan é beleza pura: amo – que novidade – esse maluco adorável.
    aqui, pipol:
    http://musicamusicam.blogspot.com/
    bjs

  5. sub rosa disse:

    Te-reeee-zaaa!
    Por que que vc não gosta da Garbo? Ela era do balacobaco, cheia das idéias, das trangressões… me diga, figlia mia, o que vc não gosta nela que eu quero fazer meu overhaul!
    Eu e a Madonna… ahá!
    bjs aflitos:-), querida

  6. tereza disse:

    Meg, a Garbo era do balacobaco, cheia das idéias e trans-
    gressões. E bela.Até aí, ótimo. Na tela ela tinha um jeito de quem pairava acima dos mortais comuns.Ela levava muito a sério o papel de diva:)Eu não achava a Garbo simpática.São impressões de quem conhece muito pouco dela. Eu gosto da Dietrich, Anjo Azul e a cena das luvas é ótimo, mas gostei muito dela em Lili Marlene e dela cantando Lili Marlene. Prefiro as atrizes que não se comportam como divas.Acho que não existem mais atrizes divas como antigamente, não é? Das atrizes mais antigas, prefiro Ingrid Bergman.Ela também foi transgressora e pagou caro por isso.Ingrid foi ótima atriz até o fim. Eu amo o último filme dela, Sonata de Outono que ela fez quando já estava doente.Ela é só um exemplo das excelentes atrizes que pareciam humanas e não deusas.
    Concordo com você que essa classificação de diva ou vamp é muito pessoal. Por isso, fui um pouco irônica:) E concordo com você. Dietrich pode ser diva e vamp.Apesar de diva, gosto dela.
    Você vai me expulsar do seu blog quando eu confessar que não gosto de Madonna. Por que? Ela acredita que é deusa, apesar de irreverente e tal. Não gosto do jeito como ela trata as pessoas. Admiro o quanto ela é excelente profissional.
    beijos.

  7. tereza disse:

    Gostei muito de ler o artigo de Carlos Eduardo Martins sobre Louise Brooks. O primeiro dos links está com problema.Copiei, mas mesmo assim não funcionou.
    Eu já tinha lido e não sei se é verdade, que Louise Brooks não dava a mínima para o cinema. Nem queria ser atriz.E disse que o que lhe interessava com atriz era o dinheiro que ganhava. Escritora ela quis ser. Ela lia Nietzsche, Goethe , Schopenhauer e outros que não me lembro. Não sabemos se é verdade …
    Beijos.

  8. tereza disse:

    Meg, veja essa frase da Garbo, se ela não se considerava mais que deusa:
    “Sou o que o adolescente jamais encontrará, o que o velho procurou em vão durante meio século, o que a mulher desejava ter para segurar quem a deixou. Compreendem, então, por que me escondo? Não quero que os sonhos se acabem.”
    Poderosa, hein? :)))
    bjs.

  9. Rose disse:

    Eu também não gosto da Madona. Não das atitudes, é a voz, – ela não canta nada – a dança. Feio feio…Horrível mesmo.
    Desanimei muito da vida depois que ela surgiu.
    rs
    Coreografias com linhas saltadas, malabarismos inúteis.
    Pra dizer mesmo …detesto. Eu acho que a comparo à Xuxa, mesma prateleira.

  10. sub rosa disse:

    Meninas, estou chegando agora, amanhã. .i.é, daqui a pouco volto pra responder.
    Tereza, esse blog é seu!, vc sabe, né? vou expulsar como ? E aí, como fico? Como fica?:-))
    Ninguém gosta mais da Madonna, eu até entendo. O tempo dela passou. A época mais , digamos, revolucionária, hoje parece comum.
    =-=-=
    Não sei porque, acho que vc foi no ponto escolhendo a citação de Garbo, vc não vê nessa afirmação, o mesmo medo que terminou por matar a Marilyn Monroe? A questão da *representação* que vc conhece tão bem. Não se trata de *ser*, se trata de de consciência do quanto e como alguém é visto. Projeções que independem de ser, que se vai levando enquanto dá. Expor-se a partir de um determinado ponto, de um determinado ponto é desvelar-se e revelar não sendo nem o que quer nem o que pensam ser.
    Achei essa frase realista e cruel.
    =-=
    Ah! em tempo, tenho um milhão de biografias (houve um tempo que se editava aqui boas traduções de biografias) de divas: Bette, Ava,Ingrid –concordo *plenissímamente* com vc, quanto a Ingrid, Jean Harlow, Mae West, Norma Shearer, e Marlene. Até, do Noel Coward hohoho.
    Mas, não ligo muito a não ser as datas e as refer~encias e alusões à pessoas da mesma época: Joan Crawfora, é pimenta! Digo, é fogo.
    Hasta mañana.

    Cadê a Magaly?
    Nite.

    Sabia que um dia , ia

  11. luma disse:

    Meg, a década de 20 era a que eu gostaria de ter vivido! A década que a minha mãe nasceu, mas eu queria ter 20 anos na década de 20 e me delicio com todas essas referências. Lembro que tinha verdadeira obsessão em me vestir nos carnavais de “Melindrosa” e ficava toda coquete piscando os olhos e balançando o vestido numa dancinha como essa do vídeo de lets misbehave. Bom sonhar! E o cinema consegue a proeza de nos fazer sonhar acordados. Obrigada pelo presente! Viajei no tempo! Feliz ano novo!! Beijus,

    • sub rosa disse:

      Luma,
      a minha queridíssima melhor amiga, Regina Alvesé totalmente “old and good times”. Vejo e ouço com encanto quando ela fala a respeito.

      Eu entendi e fiz minha imagem mental da *melindrosa* que puxa o vestido pelas pontas da saia. E as que agitam os deds das mãos levantadas e dançam o charleston. Absolutamente adoráveis, não é?
      Eu acho que aquele povo sabia se divertir . Qualquer coisa just for fun. E pensar que eles viveram com problemas terríveis, tiveram a Grande Depressão, enfim…
      Tenho aqui um livro do Edmund Wilson “Os anos 20”, (putz, eu recomendo mesmo), ele faz uns ensaios sobre essa época, ali a gente vê que eles tinham problemas e graves, mas que levavam as coisas b>na flauta, i. é, ao ritmo dos rags e torch songs.
      Aqui, pra nós, não é a minha década preferida, mas que é podre de charm, de elegancia, tudo muito Vanity Fair, ah isso é, é mesmo.
      Eu a-do-ro !:o-))
      Tem razão, Luma, que maior máquina de sonhos que o cinema?
      Um beijo, querida, viajamos juntas, feliz ano novo pra vc também. Pra nós, tudim:_0)

  12. sub rosa disse:

    Os links dos ensaios do Carlos
    Louise, Lulu e Brooksie -(I)

    http://www.lainsignia.org/2006/octubre/cul_033.htm

    =-=-=-
    Louise, Lulu, Brooksie (II)

    http://www.lainsignia.org/2006/octubre/cul_038.htm
    =-
    Veja se esses está bem.
    Sim, o Carlos escreve muito bem.
    =-=-
    Nunca vi esse Caixa de Pandora, e reza lenda que ela realmente não queria nada com o cienema: ela *desencaminhava* os colegas de trabalho:-).
    Mas ela tem uma legião de fãs, seguidores, fan hits.
    Nos 100 anos do nscimento dela, oxe, foi comoção geral. O Pedrinho Dória é desses fãs , big fans, e fez uma homenagem *irada* no seu blog .. “de p/ cavalheiros” – making myself clear — chamado.. “
    LAD
    :-)

  13. tereza disse:

    Puxa, como você tem razão, Meg. Eu, que tento não julgar as pessoas , acabei de fazer isso ao comentar a frase da Garbo. Não gosto dela, é verdade.
    Mas essa frase tem a profundidade que você deu a ela.
    Você procurou entender o que ela disse, eu só rotulei.
    Você fala do medo que terminou por matar a Marilyn
    Monroe e eu já li um pouco sobre ela, mas o suficiente para gostar dela.É fácil gostar da Marilyn, porque ela era simpática(li como M. sabia ser difícil no trabalho) e a carência dela era mais visível.
    Quanto a Madona, eu nunca gostei dela.Nem da voz,nem dela.Mas não porque o tempo dela passou.
    Não abandono assim meus atores e cantores preferidos.Não por uma questão de moda, idade e tal.
    Gosto da Ingrid Bergman, do Clint, do Sean Connery,Meryl Streep, Judi Dench e tantos outros.Quanto a Joan Crawford, eu não li Mamãezinha Querida, mas sei que ela era fogo, como você disse.
    Bom dia, Meg. Amanhã a Magaly aparece:)

    • sub rosa disse:

      Tereza, é tanta coisa pra dizer (hoje, ainda , se der,vou postar aqui sobre a minha alegria e o orgulho dessa -nossa- caixa de comentários, do nosso blog…):
      =-=
      Começando pela Marilyn: estudo esse fenômeno desde que ganhei em 1987, meu primeiro presente com o rosto/imago da Marilyn
      Não parei até hoje. E ela é decididamente unreachable.
      Vc diz bem, é facil simpatizar com Marilyn. Exatamente- nesse sentido assume-se o pathos pela entrga, pela vulnerabilidade e fragilidade que se pressente nela
      Sempre haverá alguém a todo dia em qualquer lugar do mundo escrevendo sobre ela, ouvindo, ensinando aprendendo… Para essa realmente não haverá um tempo definido. Ela é atemporal, como convém às deusas mitológicas, ou às personagens trágicas. E, claro, a fama e o legado que vieram depois da morte superam qualquer projeção do que tenha sido em sua vida.
      Aí, eu tenho que concordar com você: que não existem hoje mais figuras de divas, de vamps ou de musas como antes.
      Como diria Camões: “Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades / muda-se o ser.. etc”
      -=-=-=
      Quanto a Garbo, é a pura verdade, ela podia ser tudo, mas simpática (em qualquer dos sentidos do termo) ela não era. Tanto que no sub rosa , eu acho que ela nunca apareceu hahaha, brincadeirinha , quero dizer, Garbo não é a primeira pessoa que me vem a cabeça quando o assunto é esse. Ela é muito dark e “afasta” as pessoas:-). A gente só vê ela de longe, e quer deixar ela ficar *alone*>-) “não traz pra casa” como a gente quer ter um CD um DVD ou um documentário, sei lá, da Dietrich, da Bette…
      =-=-
      Madonna, e aproveito para responder tb à Rose:
      Passei a gostar da *persona* Madonna quando comecei a ler justamente os ensaios da Camille Paglia.
      Reconheço nela uma força que intervém na sociedade e propicia mudança de conceitos a respeito de tabus, de deslocamentos de pontos de vista. Ela também é a mulher que se *desglamouriza* para valorizar o que quer mostrar. Podia ficar cantando e levando uma vida rebelde, la vida loca, como a Amy Winehouse (que esperanças eu depositei nesta e na Lindsay Lohan – julguei que seriam consequentes, que iriam *acontecer*, causar e causar mudanças, proceder conquistas fora da órbita do mero desajuste, do percurso talento/movido a alcool e pó , mas…). Madonna fez isso. Não sei se ainda faz. Mas uma coisa que vi recentemente mostra que Madonna já foi incorporada no imaginário cultural do século XX:
      Na série Glee, a Jane Lynch ‘performing” o clip da Madonna, “Vogue., que, btw, começa com a Garbo.
      Dê uma olhadinha aqui:
      http://www.popcrunch.com/jane-lynch-vogue-performance-on-glee-madonna-episode/
      Bom, nem todos tem a obrigação de tentar mudar o mundo, não é? Mas digam lá se a Madonna não tentou isso?.
      Ah! Dame Judi Dench!
      Ela e a Kate Winslet em *Iris*?!! O que é aquilo, gente?
      Muito parecida com ela é a Diane Wiest (parecem muito uma com a outra)
      E, falando nisso, se alguém preza a figura da musa/diva esse alguém é Woody Allen, hein, Tereza?:-)
      =-=-
      p.s. Falando baixinho pro Clint não escutar: Sean Connery, ai, jisuszinho, se bem eu tenha dado uma vista d’olhos no novo (nem tanto) James Bond, e ai, meus sais, achei o Daniel Craig, hummy … ai!
      Aliás, se alguém se dispuser a ver uma oooutra versão de Capote, ou A sangue frio, veja essa, com o Craig “fazendo o papel” de um dos assassinos de In Cold Blood.
      http://www.imdb.com/title/tt0420609/combined
      Coisa mais très: De Sigourney à Isabella Rosselini e o magnífico, incrível, Toby Jones

      p.s 2 – eu já disse que adoro o truman capote? Holly Goolightly, já viram isso? clique.
      bj

  14. tereza disse:

    Obrigada pelos links. Só o primeiro estava com problema.Agora está ótimo e já li o que estava faltando. Gostei muito dos artigos.
    beijos.

  15. Rose disse:

    Meg, Meg, não gostava de Madona tudim. Eu ficava lendo os cadernos culturais, falando de Madona e tal.
    A estética dela me incomodava. Lembra a voz da cantora do Cantando na chuva? É aquilo, Meg.
    ,,,
    Deixo a vc uma pergunta q me faço neste domingo e provável nem existe o q responder, é o sem resposta. Claro, atrizes atrizes,,,gostamos pq são atrizes, o cinema e tal. Admito que adoro o cinema e essas atrizes, ainda que minha mãe era um clone delas quando eu nasci. Mui linda.
    Mas: por que tudo se cala – ou quase – quando uma linda e – com ares de estrela – mulher E jovem aparece no diabo duma rampa? Quero dizer : por que somos fascinados pela beleza feminina? É cultural? Preciso conversar com um antropólogo urgente. Não só mas também, claro. O fascínio pelos homens há. O que digo é: só se fala na mulher do Temer. Por quê?
    Dilma sofre torturas, faz plásticas – torturas – carreatas, atitudes…chega à rampa e só se fala na tal moça- linda mesmo- do Temer? Viu o cara escreveu: “Eu tb quero!”.
    Não há o que responder. Se leu está bom.
    Me intriga muito esse fascínio – nem é de agora – pelas mulé bonitas. É correr a uma banca agora e contar quantas capas de revista têm uma linda mulher. Aposto: todas.
    isso me cansa. Mas tudo bem…

    • sub rosa disse:

      Rose,
      eu prefiro te dizer uma coisa:
      Seja quem for que tenha sido o autor do discurso da Dilma, eu acho que ele é meu candidato à presidente, à Papa, ao que ele quiser.
      O discurso da Dilma, ir-re-to-cá-vel!, foi – quer que se queira ou não – um dos mais belos discursos de toda a história do Brasil:-))
      É pra seduzir qualquer petista, lulista, nadista ou tudista.
      -=-
      E é preciso ter isso em mente.
      Agora, é esperar pra crer.
      bj

  16. Allan disse:

    Querida Meg,

    Um Ano Novo cheinho de novas alegrias para você colher.

    Beijocas

    [Me avise quem Noel incorporou: gostaria de tomar umas com ele.]
    :-D

    • sub rosa disse:

      Oh! Allan, querido:
      que bom, obrigada.
      bem que eu queria um ano italiano pra mim:-)

      Entendi, captei sua msg, ó itálico guru:-)
      É que pra mim, Noel não morreu. Cole Porter muito menos. Eles estão por aqui e por muito tempo:-)
      Muito sucesso pra vc , principalmente no Minube. gente, vou colocar o link, vejam mais um talento do nosso querido multimedia :
      http://www.minube.pt/viajante/allanrobertpj/

      Bacino, Allan.

  17. tereza disse:

    Meg, eu adoro Woody Allen.E ele sabe escolher excelentes atores que trabalham para ele quase de graça ou de graça, não sei bem. Eu também acho a Judi Dench muito parecida com a Dianne Wiest.E ambas fantásticas! Eu vi uma minisérie com a Dianne Wiest
    na HBO não faz muito tempo.No início, pensei que era a Judi dench:)Ela faz o papel de uma psicanalista e dá show.A minissérie chama-se Em Tera-
    pia (In Treatment) e acho que foram apenas umas três temporadas.Não sei se você viu.Uma das melhores minisséries que já vi. Não tenho visto minisséries, não sei de nehuma interessante.Dá prazer ver um ator ou atriz de verdade trabalhar, não é? Quanto a Kate Winslet, tentei lembrar também o nome dela ontem.
    Tem alguma coisa nela que me lembra a Ingrid. Gosto muito dela. Você viu a Kate Winslet quando recebeu o Oscar acho que em 2007 ou 2008? Ela olhou para a Meryl Streep e disse alguma coisa, mas não me lembro o que foi. A Meryl concorria também ao Oscar na mesma categoria dela.Posso tentar adivinhar uma coisa? Acho que você não gosta da Meryl Streep. Verdade?
    Estou muito interessada no seu novo post.
    Obrigada pelos links, vou lá ver.
    besitos.

  18. tereza disse:

    Você gosta do cinema europeu? Eu gosto muito.Gosto demais da Catherine Deneuve. Alguns de meus filmes preferidos
    com ela: Place Vendôme, Indochina e Minha Estação Preferida. E gosto de um que ninguém gosta, muito antigo: Les parapluies de Cherbourg. Meg, já escrevi demais hoje. E só falamos de atores, imagine se
    você for falar de cineastas:)

  19. tereza disse:

    Ah, esqueci de comentar o link sobre Capote e Breakfast at Tiffany’s.Ótimo link. Eu já sabia que o papel deveria ter sido da Marilyn, Audrey foi a segunda escolhida. Sabe, não consigo imaginar a Marilyn neste papel.
    Seria um outro filme que não consigo imaginar.
    Com Capote e Blake Edwards acho que o filme seria bom com qualquer uma das duas. Mas prefiro Audrey .Estávamos falando de atrizes simpáticas ou não e acho Audrey uma das atrizes mais simpáticas, ever.E mais elegantes.Linda.Excelente atriz.E uma pessoa admirável.Uma de minhas atrizes preferidas.
    Precisava rever os filmes dela para ver se continuo a gostar dela, faz muito tempo que não vejo nenhum.
    Tenho alguns em DVD mas não os vi. beijos.

    • sub rosa disse:

      Interessante, isso, hein, Tereza?
      Eu também, não sei se aida gostaria, mas acho que sim, Aquele filme, por favor, vc que encontra tudo que ninguém mais encontra, será que me achava, ela e o Fred Astaire, em Funny face, Cinderela em aris, é isso?
      Ela é divina. Quem sabe, sabe. Só tem uma coisa, Audrey fica numa fatia de tempo que é só dela. Ela fez um filme quando já estava muito doente, um filme com a Holly Hunter e o Richard Dreyfuss (eu acho, estou citando de cabeça) Audrey é uma espécie de deusa, não sei. Decididdamente não gostei. Ela não devia ter feito, não precisava, sei lá, não vou julgar.!
      Então, prefiro não ver nada. Fica na *mente do coração*.
      bjs, querida

  20. tereza disse:

    Ah, esqueci do link. O filme é Capote, Blake Edwards e Henri Mancini que fez Moon River para a Audrey:

    • sub rosa disse:

      Minhanooooossssaaaa!
      Que coisa mais lindísima de tão bonita!
      Gente, eu lembro disso, a primeira vez que vi, foi na sessão da tarde, e a partir daí é que fiquei sabendo que beleza é coisa que gente, humana, faz e cria, algumas vezes.
      Quer dizer não formulei assim o pensamento meio bobo é certo, mas assim mesmo…. :-)).
      Estou falando muito (aaarrrggggh!) porque se Capote é muito bom, só mesmo o grande – e falecido recentemente :-( – Blake Edwards pra fazer o filme ficar tão lindo quanto.
      Obrigada, Tereza, imagine o que tenho recebido de email falando de vcs, dos comentários, de rose, tereza,magaly e vicky barcelona…:-) Estou tããão feliz. Nem mereço tanto.
      bjs
      A|gora me diga: por que uns ficam esse video ? quer dizer.. bem…
      Adoro quando fica assim.

  21. tereza disse:

    Não me pergunte como eu consegui colocar esse vídeo aí. hahahaha! Não sei enviar vídeos.
    Cliquei para enviar um link. Então ele apareceu aí.
    É óbvio que eu cliquei em alguma coisa que nem vi:)
    bjs.

    • sub rosa disse:

      Hahahaah, eu perguntei:-)
      Aliás, perguntei porque uns ficam outros não. Estou morrendo de rir, por aqui.

      mistéééério!
      Não quero ser prosa, nem mãe coruja, mas tudo o que vocês fazem – e olha que você – e olha que vcs fazem coisas do outro mundo – outstanding -fazem coisas fazem melhor aqui:-)
      tschüss

  22. Rose disse:

    Texto de interesse o de Teresa …essas conversas, aliás.

    Faria um site dessas conversas. É um textos coletivo. Tirando o ranço da palavra coletivo, não sei se entende.
    Esse tema , o encantamento e o cinema, pelo cinema….Ficou bonito o encadeamento das falas. leia como um texto inteiro…Coloque no word esses comments e veja o que deu. Fica super. Mas é coisa da hora, formalizar num site talvez perca a novidade, o genuíno. Mas é de pensar… Pense.

    • sub rosa disse:

      Rose, eu não poderia concordar mais com vc.

      Imodéstia à parte.
      E nem é porque tem várias pessoas achando o mesmo quanto à qualidade dos comentários.

      Digo isso, sem medo de ferir a modéstia: é a vocês, rose, a vocês todos –meniconados lá no comentário da Magaly– que eu devo isso.
      Vocês emprestarem e empenharem o seu tempo e seus textos pra deixarem isso aqui um espaço / lugar riquíssimo, delicioso:-)
      Está escrito lá no facebook:-)))
      \~.~/

  23. Magaly disse:

    Meg, Meguinha, perdoe sua pequenininha, mas andei sem graça a semana inteira, sonolenta, encostada, como nunca me vi (sem estar doente).
    Finalmente hoje, acordo animada, as forças voltando, eu me encontrando.
    Corri pra cá para lhe dar esse recado torto enquanto cato um tempinho pra ler o que vc deixou e o que essas meninas trelosas disseram a respeito dos assuntos ventilados. À noite, já estarei dando meus palpites se é que sobrou algum retalho de assunto virgem
    Abraços para todos.

  24. Magaly disse:

    Não pude voltar como pretendi . Visitas. Apenas li tudo, tudinho e vocês exploraram tudinho mesmo. Ainda volto para dizer pelo menos , em matéria de atores e atrizes, quem me atiça a simpatia ou não.
    Agora estou bem, com força total. Boa madrugada,
    Ciao!

  25. Tereza disse:

    Meg, confundi cenas da Dietrich em Anjo Azul com
    com a Rita H em Gilda. Vi os dois filmes há séculos, mas não justifica a besteira que eu disse:)
    bjs.

    • sub rosa disse:

      Ambas são impactantes e, confesso, agora que vc chamou a atenção, as duas cenas têm um tantum de drama visceral, , uma carga de sedução que -suponho -estariam juntas caso a gente um dia quisesse fazer uma seleção de cenas mais sensuais e *predatórias* do cinema, o que vc acha? Podia ser uma idéia, hein?:-)
      se vc ler este comentário, pf, responda.
      ***
      Ah! peccato: entre vamp, ladies, tramps e vamps, divas e musas, fala sério!, Rita sai na dianteira, nessa cena que vc menciona! Embora, a cena da devastação, a Dietrich devastando o Herr Professor com o Fallin in love, again!!! Olhe,…olhe… wow!

  26. Magaly disse:

    Let´s misbehave

    OUÇA AQUI: Ouvi, gostei. Esse tempo é sedutor pra muita gente. Sou do fim da década de 20, mas minha mãe tinha 16 anos quando começaram os anos 20. e me lembro da atração que eu sentia ao folhear seus álbuns de cinema, Teda Bara, Ramon Novarro, Charles Chaplin.

    DÊ UMA OLHADINHA AQUI: Que beleza de de perfil! E que personalidade irriquieta! Tantas qualidades e uma vida cheia de altos e baixos!

    ‘Amém nóis tudim’ pelos votos de Ano Novo (Salve a Fal1!) Que sejamos contemplados com uma boa condução dos destinos do país. Os primeiros dias do Ano já nos trouxeram boas e más notícias. Façamos das boas razão de incentivo e das tristes, de reflexão e de mobilização.

    Muito foi falado sobre cinema, gente! Como não sou muito bem informada, ganhei conhecimentos com aquele artigo que você recomendou, do Carlos Eduardo, Meg, valeu como uma magnífica aula.

    Falando de preferência por artistas ainda atuantes ou já idos, bato de frente com alguns de vocês e acolho outros. Não consigo gostar da Madonna sob nenhum aspecto (visível a olho nu) já que nunca me interessei em seguir-lhe os passos da carreira artística.
    Diva ou vamp, reconheço a bela e contida Garbo e o ar ousado da Dietrich, mas vi muitos poucos filmes de ambas para classificá-las.
    Sempre amei a atuação da Bergman, linda, perfeita como atriz. Em Spellbound, ela foi sensacional ao lado de Gregory Peck (que eu perseguia por lembrar fisionomicamente meu amor distante, em outra cidade). E em
    Casa Blanca, com o Bogart.
    E mais um montão delas: Marilyn Monroe, Norma Shearer, Bete Davis, Olívia de Haviland, a de …E o Vento Levou (minha memória!) e tantas, tantas mais. Sem falar dos galãs que deixo para uma próxima vez.

    Meggy, já estou perdoada? Mesmo dizendo tanta bobagem?
    Um grande, enorme abraço, onde caibam roses, teresas, jaquelines, reginas, megs, selmas, todas essas amigas alegres e falantes que me ensinam tanta coisa ainda, mesmo estando eu em fim de carreira. FELIZ 2011!

  27. sub rosa disse:

    Magaly, Magaly querida
    vc sabe é por absoluto egoísmo que reclamo sua presença, todos sentem sua falta e sem você, isso aqui ô ô… é um um tantão menos legal.
    Olhe só, eu estou demorando a vir aqui resolvendo umas coisas – torçam por mim.
    E também porque estou preparando uma coisa *tipo muito, mais ou menos* que seja legal pra nós, feito com carinho.
    =-=-
    Grande lembrança essa da belíssima Ingrid Bergman. Agora, o Gregory Peck, é tudo de bom. Seu amor, é? Puxa, que isso não é pra qualquer:-)
    *
    Tereza, olhe só aqui ( olhadinha e risos:-):
    *Nós*, aqui no e do Sub Rosa, falamos primeiro nela:-)
    http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2010/12/101216_judidench_eleicao_fn.shtml
    Iuhuuu!
    Te amamos, Magaly!
    hasta la vista, ‘babes’!
    me aguardem, sim?

  28. sub rosa disse:

    Gente, só pra registrar duas coisas:
    meu ex-amado Robert de Niro foi escolhido como Presidente do Festival de Cannes 2011!
    (é isso, eles não sabem a sorte que têm, por eu gostar deles:-)))-
    E House está bombando no People’S Choice Awards.
    É interessante, porque quando todo mundo, com justa razão, desistiu de ver House, finalmente ganhou como melhor série.
    Inacreditável!

    ***
    Vou trabalhar:-)

  29. tereza disse:

    A Judi Dench merece , que bom!
    Meg, esquecer da lovely Rita é imperdoável, não é? Adorei a idéia das cenas mais sensuais e predatórias do cinema:) Acho que daria um post divertido e muito interessante.
    Eu também gostava do Robert de Niro, mas deixei de gostar quando ele deixou de trabalhar a sério. Os bons diretores obrigam o de Niro a trabalhar:) Amei Taxi Driver.

  30. tereza disse:

    Magaly, deixei um comentário para você no outro post.
    Um abraço enorme para você também e feliz 2011.

  31. tereza disse:

    Meg, não tinha visto seus comentários sobre a Audrey. Cinderela Em Paris e vários outros você encontra no submarino :http://www.submarino.com.br/busca?q=audrey+hepburn&dep=+&x=14&y=8

    Gosto de My Fair Lady que é um musical que poucas pessoas gostam.Ainda que as músicas tenham sido dubladas pela Julie Andrews, acho que Audrey está ótima. Outros de que gosto muito:Charada, Guerra e Paz e Infâmia (Wiliam Wiler).Gostei de ver a Audrey
    num filme drama, tão diferente das comédias românticas que fizeram o sucesso dela. Mas vi na telinha da Globo:) bjs.

    • sub rosa disse:

      Eu imaginei que vc não teria lido.
      Mas olhe, os musicais *praticamente SEMPRE*:-) são dublados. Apenas na Broadway é que exigem-se dons de atuar e cantar, embora a beleza física não fique em primeiro lugar. No cinema entretanto, a ordem é invertida. Esse caso chega a ser perverso se vc assistir Singing in the rain – Cantando na Chuva, (cujo ponto central é exatamente este: os astros e estrelas do cinema mudo não tinham voz “microfônica” (lembrar o Garbo talks) vai ver uma verdadeira comedia de inversão:
      A Jean Hagen faz o papel de uma artista bonita -estrela do filme – mas que não sabe *falar*, daí é dublada por Debbie Reynolds. (isso na vida real do filme dentro do filme (ops)
      Mas, na verdade, vida real da vida:-) Jean Hagen é que dubla a Debbie Reynolds. Caí pra trás quando soube.

      Quanto a My Fair Lady, eu amo a primeira versão, feita com o Leslie Howard e a Wendy Hiller, uma lindona, aliás, o casal é lindo.
      ***
      Eu adoro o filme, mas confesso que me dá uma agonia, essa coisa dos ingleses, notadamente os londrinos, etiquetarem e identificarem até classe social pela prosódia, mesmo e principalemente da casquinha de noz que é Londres. Ufff!!!
      bjs querida, obrigada.
      Vou ver o que é que tem nesse link do submarino. /Sinfonia em Paris/ Muito obrigada.
      (alterado)

  32. tereza disse:

    Meg, você não quer ver nada de Audrey? Mas você me pediu onde poderia encontrar Cinderela em Paris. Foi por isso que lhe enviei o link do submarino:)
    Beijos.

    • sub rosa disse:

      Tereza, querida, vc nem sabe, ou sabe, eu faço coisas (erradas rsrsrs) nesse wordpress, nesse blog, que até deus duvida tsc.. tsc… Como vc pode ver essa resposta está duplicada. Eu lembrei que pedi Sinfonia em Paris, e queria mesmo, quero.
      Por favor, me desculpe. Eu retifiquei e saiu a correção num comentário e noutro que misteriosamente foi duplicado, ficou essa doidice…
      que me faz com que eu me espante comigo mesma:-)
      Arrrgh!
      Vc me desculpe, sim?

      Olhe só, olhe o que encontrei:
      http://classicosdocinema.folha.com.br/filmes/sinfoniadeparis-sinopse.html
      Veja o preço, acho que vale a pena.
      Obrigada, se não fosse vc, não acharia.
      beijos
      ps. vou apagar o comentário duplo.

  33. tereza disse:

    Meg, você pediu no comentário bem acima Cinderela em Paris e não Sinfonia em Paris:) Daí a confusão, enviei o link para Cinderela em Paris. Sofremos com o excesso de informação.
    Obrigada pelo link de Sinfonia em Paris. Acredita que assino a Folha e nem tinha lido sobre a coleção de dvds?
    Ando meio desligada.bjs.

  34. tereza disse:

    Você gosta de animação? Achei o curta promocional
    Scrat, o esquilo louco por nozes muito divertido:)))

  35. tereza disse:

    Apague depois, se preferir. Esqueci de escrever que era
    O.T.

  36. Luma Rosa disse:

    Meg, vou procurar por este livro! Obrigada!

  37. tereza disse:

    Meg, achei que iria gostar (se é que você ainda não tem):
    http://community.livejournal.com/everyday_i_show/80408.html#cutid1

  38. Tereza disse:

    Meg, imagine quem encontrei novamente? A Marilyn.Ela é a mulher mais fotografada do mundo, não é? Se você ainda não tem, vai a-d-o-r-ar:
    http://images.google.com/images?q=Marilyn+Monroe+source:life

  39. Tereza disse:

    Meg, esqueci de lhe dizer que talvez você não goste
    de ver a página Marilyn Monroe dead. Por causa de uma foto, sabe? Eu não gostei de ver. Achei que não deveriam colocar aquela foto.Por respeito a Marilyn. E tem várias outras páginas interessantes.beijos.

    • sub rosa disse:

      Morta? qual? Ainda não vi. Nunca vi nenhuma, a não ser uma linda e triste foto das rosas que Joe di Maggio mandou colocar, para sempre, a cada dia 5 de agosto, na sua lápide.
      Mas acho que quando encontrar, vou ver bem certa de que ela vive, nao é, querida?
      É aquele link estranho e maravilhoso das fotos raras, não é?
      Obrigada pelo cuidado.
      bjs

      • sub rosa disse:

        Minha nossa!!!! Onde que vc encontra essas coisas absolutamente awesome*? Minina, minha nossa, não é nem *onde?*, é *como?*.
        Pra ser mesmo absolutamente justa. São pouquíssimas as pessoas que fazem isso, mas entre essas poucas, merecem destaque a Luma, a Karla Nazareth (duas deusas), a Cat Miron, o Fausto Rêgo (nosso querido Repórter Mosca e agora você, simplesmente “slamming”. OMG!!!!
        purp êxtase, praticamente, tudo, tudo, gente que eu gosto. Até mesmo o John Waters, all dirty, eu adoro ele. Ele é meu cineasta cult *ever*, e razão para eu adorar Almodóvar, Tarantino&Cia. Toda a entourage…:-)

    • sub rosa disse:

      Eu estou confundindo os links?:-)
      Não me admiraria:

      \^-^/

  40. tereza disse:

    “Mas acho que quando encontrar, vou ver bem certa de que ela vive, nao é, querida?”
    Quase morri de rir , Meg, você é ótima;)))
    Mas achei a foto chocante (no mau sentido).
    É uma foto que tiraram do rosto da Marilyn ANTES da autópsia e não no velório.Com o rosto inchado e sem maquiagem.Não se faz isto nem com um inimigo. Ou será que o fotógrafo era inimigo dela?Ou ganhou muito dinheiro? Vai ver,você já conhece a foto.

%d blogueiros gostam disto: