Pausa (de mil compassos)

Para ver ou rever umas coisas aí que nunca vi, ouvi ou experimentei.
E também para ler. Principalmente. Depois conto tudinho a vocês:-)
Vou ali e já volto (no início do próximo mês, depois das eleições, ou seja daqui a pouquinho).
Vão me esperar, não é?
Então, tá!.
Não se mexam, não respirem e não façam nada que eu não faria.:-)

Leia mais deste post

Passageira em Trânsito – Marina Colasanti

Marina Colasanti, escritora, contista, ensaísta e poeta  receberá, no dia 4 de novembro, pela 4ª vez, o prestigioso Premio Jabuti, categoria Poesia, com o livro “Passageira em trânsito”. O Sub Rosa, privilegiado que é, publica aqui uma recensão de autoria da também poeta  Magaly Campelo  Magalhães, em estilo preciso e sensível, acerca do livro de Marina.

Falando de Passageira em Trânsito, de Marina Colasanti, premiada com o Jabuti/2010 em Poesia.

Magaly Campelo Magalhães(*)

Delicioso o trânsito desta passageira desde os primeiros minutos em que seu avião taxiou na pista e ‘fez-se ave’, na figura criada por sua delicada percepção, elevou-se às alturas, descortinando um mundo de sensações, o ‘andar da paisagem’, o pressentido ‘rumor de águas escuras’ ou o fragor do mar que, ‘próximo, despenca´. O leitor sufoca, tal a intensidade das emoções captadas dos gestos humanos, da diversidade dos tipos e paisagens, da complexidade das aproximações, das aparentes ou não inclusões / exclusões, tudo isso guarnecido com reveladoras impressões pessoais. Esse agudo senso de observação mesclado ora de lirismo, ora de humor crítico, ou de sensualidade impressiona e encanta, como em:

Viagem por um fio Leia mais deste post

Professor e seus professores

dia do professor - cosac naiff
clique p/ampliar

Hoje, afinal,  é o Dia do Professor, e como todos sabem  Professor não é só aquele que a gente tem em sala de aula.  Mais importante,  professor também tem os seus professores , durante toda a vida, reconhecendo-os ou não. Sem contar que a ação do professor deve transpor o espaço intramuros da sala de aula e ganhar a Cidade, a Polis (πόλις). Que aqui, além do sentido político mais imediato, significa também, num sentido mais amplo, os mundos –  o universo, aquele em que vivemos (“Dasein) e aquele que nós fazemos, que construímos permanentemente (“Lebenswelt“).
Nesses nove anos de blog, o Sub Rosa, tenho escrito bastante sobre a importância (e até mesmo sobre a ‘desimportância’) dessa e de outras datas. Hoje, porém, tendo em vista o horizonte atual – tão cinzento de desencanto e ações que apequenam o humano em nós, deixo este poema, já que, como todos sabemos, fora da poesia não há salvação.

OS OMBROS SUPORTAM O MUNDO

Chega um tempo em que não se diz mais: meu deus.
Tempo de absoluta deturpação.
Tempo em que não se diz mais: meu amor.
Porque o amor resultou inútil.
E os olhos não choram.
E as mãos tecem apenas o rude trabalho.
E o coração está seco.

Em vão mulheres batem à porta, não abrirás.
Ficaste sozinho , a luz apagou-se,
mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.
És todo certeza, já não sabes sofrer.
E nada esperas de teus amigos.

Pouco importa venha a velhice, que é a velhice ?
Teus ombros suportam o mundo
e ele não pesa mais que a mão de uma criança.
As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios
provam apenas que a vida prossegue,
e nem todos se libertaram ainda.
Alguns, achando bárbaro o espetáculo,
prefeririam ( os delicados ) morrer.
Chegou um tempo em que não adianta morrer.
Chegou um tempo em que a vida é uma ordem.
A vida apenas, sem mistificação.

Carlos Drummond de Andrade.Sentimento do Mundo In: Poesia Completa.

=-=-=-=-=-=

E -também oportuno -um texto, uma denúncia de um fato emblemático e que não se pode deixar de levar em conta.

II Colóquio Filosofia e Literatura – GEFELIT

De 18 a 21 de outubro, o GRUPO DE ESTUDOS EM FILOSOFIA E LITERATURA (GeFeLit) da Universidade Federal de Sergipe estará promovendo o II Colóquio  Filosofia e Literatura – FRONTEIRAS. Este ano, o homenageado será -adivinhem – o professor Benedito Nunes.

Eu poderia deixar só o link, mas o programa é tão valioso quanto difersificado, os convidados e participantes são o que de melhor existe na área de reflexão convergente entre esses dois domínios: a filosofia e a literatura, que não posso deixar de exibir aqui o conteúdo do encontro:

No dia 18, terça-feira:
Conferência de Abertura:
“Deleuze e a literatura”
Prof. Dr. Roberto Machado – UFRJ(*)
Dia 18 de outubro, às 19:00hs
No Auditório da Didática V – UFS

Vejam só o programa: Leia mais deste post

Círio de Nazaré – outra forma de ser.

Nem vou falar muito. O Círio de Nazaré acontece sempre no segundo domingo do mes de outubro.
Marcus Pessoa escreveu o melhor texto, IMHO, sobre essa coisa “tão grande “que nem cabe explicação“. Em linguagem cinematográfica, referências, alusões, takes e flashes, planos e contraplanos, Marcus fala dos três dias “melhores” do Círio. E não à toa, em teses de doutoramento, estudos antropólógicos, o Círio de Nazaré ganhou o apositivo  “carnaval devoto“.


“Não esperem concisão ou coerência. Não estou falando de coisas à toa, classificáveis, mas de fragmentos do caos original. De sensações, acontecimentos, pessoas, imagens, lembranças, tudo misturado.

Domingo é o Círio de Nazaré. E acredite, se você não mora em Belém, ou não veio aqui pra sentir na real, ou ficou só na sacada do hotel  vendo as pessoas passarem, você não sabe de nada.[…]” 

         “[..] E a Naza galvaniza essas pessoas tão diferentes, interrompe a luta de classes durante duas semanas.[…]”

“[…] O catolicismo é pelego mesmo, mas quem se importa?[…]

Esses são os excertos que eu escolhi. Agora, o texto completo pode ser lido aqui.   Cliquem nos links. Entenda o que vem a ser essa realidade em contraplano à realidade atrás, abaixo ou acima  do religare  tradicional…  Você (não) vai  saber o que está perdendo, mas está .. . Eu juro. Pela fé da mucura, como se diz por aqui:-)
=-=-=-=-=-=-=-=

Aqui, as fotos magníficas de Breno Peck:

 =-=-=-=-

=-=-=-

Para os antropólogos ou os de viés antropológico.
“No mês de outubro, em Belém do Pará…”
 RITA AMARAL
E para bookmarks: OS URBANITAS

Aqui: o site

Benedito Nunes ganha Premio Jabuti 2010

Mais um prêmio relevante  (todos os prêmios e homenagens são mais que merecidos) para Benedito Nunes, o escritor, pensador, crítico, ensaísta e professor paraense Benedito Nunes.
“A primeira fase do 52º Prêmio Jabuti já foi concluída e comemorada pelos vencedores das 21 categorias da premiação. Uma delas é Teoria/Crítica Literária, cujo primeiro lugar é do paraense Benedito Nunes, com a obra A Clave do Poético. Editado pela Companhia das Letras e organizado por Victor Sales Pinheiro, o livro reúne uma série de ensaios sobre os pontos altos da produção de Benedito Nunes. A Clave do Poético – O crítico, filósofo e professor discorre nos ensaios sobre a filosofia de Nietzsche, Spinoza e Wittgenstein e vai até os mais recentes desenvolvimentos da literatura brasileira contemporânea.”

Leia mais aqui: Benedito Nunes recebe o Prêmio Jabuti…

Penso que os leitores do Sub Rosa são como eu mesma: adoramos saber do Leia mais deste post