Pausa (de mil compassos)

Para ver ou rever umas coisas aí que nunca vi, ouvi ou experimentei.
E também para ler. Principalmente. Depois conto tudinho a vocês:-)
Vou ali e já volto (no início do próximo mês, depois das eleições, ou seja daqui a pouquinho).
Vão me esperar, não é?
Então, tá!.
Não se mexam, não respirem e não façam nada que eu não faria.:-)

Leia mais deste post

Passageira em Trânsito – Marina Colasanti

Marina Colasanti, escritora, contista, ensaísta e poeta  receberá, no dia 4 de novembro, pela 4ª vez, o prestigioso Premio Jabuti, categoria Poesia, com o livro “Passageira em trânsito”. O Sub Rosa, privilegiado que é, publica aqui uma recensão de autoria da também poeta  Magaly Campelo  Magalhães, em estilo preciso e sensível, acerca do livro de Marina.

Falando de Passageira em Trânsito, de Marina Colasanti, premiada com o Jabuti/2010 em Poesia.

Magaly Campelo Magalhães(*)

Delicioso o trânsito desta passageira desde os primeiros minutos em que seu avião taxiou na pista e ‘fez-se ave’, na figura criada por sua delicada percepção, elevou-se às alturas, descortinando um mundo de sensações, o ‘andar da paisagem’, o pressentido ‘rumor de águas escuras’ ou o fragor do mar que, ‘próximo, despenca´. O leitor sufoca, tal a intensidade das emoções captadas dos gestos humanos, da diversidade dos tipos e paisagens, da complexidade das aproximações, das aparentes ou não inclusões / exclusões, tudo isso guarnecido com reveladoras impressões pessoais. Esse agudo senso de observação mesclado ora de lirismo, ora de humor crítico, ou de sensualidade impressiona e encanta, como em:

Viagem por um fio Leia mais deste post

Professor e seus professores

dia do professor - cosac naiff
clique p/ampliar

Hoje, afinal,  é o Dia do Professor, e como todos sabem  Professor não é só aquele que a gente tem em sala de aula.  Mais importante,  professor também tem os seus professores , durante toda a vida, reconhecendo-os ou não. Sem contar que a ação do professor deve transpor o espaço intramuros da sala de aula e ganhar a Cidade, a Polis (πόλις). Que aqui, além do sentido político mais imediato, significa também, num sentido mais amplo, os mundos –  o universo, aquele em que vivemos (“Dasein) e aquele que nós fazemos, que construímos permanentemente (“Lebenswelt“).
Nesses nove anos de blog, o Sub Rosa, tenho escrito bastante sobre a importância (e até mesmo sobre a ‘desimportância’) dessa e de outras datas. Hoje, porém, tendo em vista o horizonte atual – tão cinzento de desencanto e ações que apequenam o humano em nós, deixo este poema, já que, como todos sabemos, fora da poesia não há salvação.

OS OMBROS SUPORTAM O MUNDO

Chega um tempo em que não se diz mais: meu deus.
Tempo de absoluta deturpação.
Tempo em que não se diz mais: meu amor.
Porque o amor resultou inútil.
E os olhos não choram.
E as mãos tecem apenas o rude trabalho.
E o coração está seco.

Em vão mulheres batem à porta, não abrirás.
Ficaste sozinho , a luz apagou-se,
mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.
És todo certeza, já não sabes sofrer.
E nada esperas de teus amigos.

Pouco importa venha a velhice, que é a velhice ?
Teus ombros suportam o mundo
e ele não pesa mais que a mão de uma criança.
As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios
provam apenas que a vida prossegue,
e nem todos se libertaram ainda.
Alguns, achando bárbaro o espetáculo,
prefeririam ( os delicados ) morrer.
Chegou um tempo em que não adianta morrer.
Chegou um tempo em que a vida é uma ordem.
A vida apenas, sem mistificação.

Carlos Drummond de Andrade.Sentimento do Mundo In: Poesia Completa.

=-=-=-=-=-=

E -também oportuno -um texto, uma denúncia de um fato emblemático e que não se pode deixar de levar em conta.

II Colóquio Filosofia e Literatura – GEFELIT

De 18 a 21 de outubro, o GRUPO DE ESTUDOS EM FILOSOFIA E LITERATURA (GeFeLit) da Universidade Federal de Sergipe estará promovendo o II Colóquio  Filosofia e Literatura – FRONTEIRAS. Este ano, o homenageado será -adivinhem – o professor Benedito Nunes.

Eu poderia deixar só o link, mas o programa é tão valioso quanto difersificado, os convidados e participantes são o que de melhor existe na área de reflexão convergente entre esses dois domínios: a filosofia e a literatura, que não posso deixar de exibir aqui o conteúdo do encontro:

No dia 18, terça-feira:
Conferência de Abertura:
“Deleuze e a literatura”
Prof. Dr. Roberto Machado – UFRJ(*)
Dia 18 de outubro, às 19:00hs
No Auditório da Didática V – UFS

Vejam só o programa: Leia mais deste post

Círio de Nazaré – outra forma de ser.

Nem vou falar muito. O Círio de Nazaré acontece sempre no segundo domingo do mes de outubro.
Marcus Pessoa escreveu o melhor texto, IMHO, sobre essa coisa “tão grande “que nem cabe explicação“. Em linguagem cinematográfica, referências, alusões, takes e flashes, planos e contraplanos, Marcus fala dos três dias “melhores” do Círio. E não à toa, em teses de doutoramento, estudos antropólógicos, o Círio de Nazaré ganhou o apositivo  “carnaval devoto“.


“Não esperem concisão ou coerência. Não estou falando de coisas à toa, classificáveis, mas de fragmentos do caos original. De sensações, acontecimentos, pessoas, imagens, lembranças, tudo misturado.

Domingo é o Círio de Nazaré. E acredite, se você não mora em Belém, ou não veio aqui pra sentir na real, ou ficou só na sacada do hotel  vendo as pessoas passarem, você não sabe de nada.[…]” 

         “[..] E a Naza galvaniza essas pessoas tão diferentes, interrompe a luta de classes durante duas semanas.[…]”

“[…] O catolicismo é pelego mesmo, mas quem se importa?[…]

Esses são os excertos que eu escolhi. Agora, o texto completo pode ser lido aqui.   Cliquem nos links. Entenda o que vem a ser essa realidade em contraplano à realidade atrás, abaixo ou acima  do religare  tradicional…  Você (não) vai  saber o que está perdendo, mas está .. . Eu juro. Pela fé da mucura, como se diz por aqui:-)
=-=-=-=-=-=-=-=

Aqui, as fotos magníficas de Breno Peck:

 =-=-=-=-

=-=-=-

Para os antropólogos ou os de viés antropológico.
“No mês de outubro, em Belém do Pará…”
 RITA AMARAL
E para bookmarks: OS URBANITAS

Aqui: o site

Benedito Nunes ganha Premio Jabuti 2010

Mais um prêmio relevante  (todos os prêmios e homenagens são mais que merecidos) para Benedito Nunes, o escritor, pensador, crítico, ensaísta e professor paraense Benedito Nunes.
“A primeira fase do 52º Prêmio Jabuti já foi concluída e comemorada pelos vencedores das 21 categorias da premiação. Uma delas é Teoria/Crítica Literária, cujo primeiro lugar é do paraense Benedito Nunes, com a obra A Clave do Poético. Editado pela Companhia das Letras e organizado por Victor Sales Pinheiro, o livro reúne uma série de ensaios sobre os pontos altos da produção de Benedito Nunes. A Clave do Poético – O crítico, filósofo e professor discorre nos ensaios sobre a filosofia de Nietzsche, Spinoza e Wittgenstein e vai até os mais recentes desenvolvimentos da literatura brasileira contemporânea.”

Leia mais aqui: Benedito Nunes recebe o Prêmio Jabuti…

Penso que os leitores do Sub Rosa são como eu mesma: adoramos saber do Leia mais deste post

Tony Curtis – One of the last Hollywood Royalty

Nascido Bernard Schwartz, em 3 de junho de 1925, Tony Curtis morreu ontem, quinta feira, em Las Vegas. Dois dias depois do falecimento de Arthur Penn.  Ufa! que semana!
As notícias e as biografias de ambos estão na internet inteira mas entre os textos escritos  no Brasil eu recomendaria os de Luiz Carlos Merten , um dos meus críticos de cabeceira. Aqui sobre o ator e este outro sobre o diretor.

Como sempre digo, não faço posts com necrológio ou elogio fúnebre, nem poderia, falo somente da minha experiência pessoal  com os filmes que vi.

Tony Curtis with Jack Lemmon in Some Like it Hot (1959)

Tony Curtis e Jack Lemmon-Some Like it Hot (1959)

Tony Curtis later revealed he and Marilyn Monroe had a relationship off the set of Some Like It Hot

Fonte: The Guardian

Tony Curtis: An American Prince, biografia

Tony Curtis e sua biografia: An American Prince

Fonte: ABCNEWS Leia mais deste post