Ausencia – Vinícus de Moraes

Jean Seberg no Maxim's Paris, 1957, no filme "Bonjour Tristesse"(1958)

Jean Seberg no Maxim's Paris, no filme "Bonjour Tristesse"


Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces
Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.
No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida
E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.
Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado.
Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados
Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada
Que ficou sobre a minha carne como nódoa do passado.
Eu deixarei… tu irás e encostarás a tua face em outra face.
Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada.
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite.
Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa.
Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço.
E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.
Eu ficarei só como os veleiros nos pontos silenciosos.
Mas eu te possuirei como ninguém porque poderei partir.
E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas.
Serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.

=-=-=-=-=-=-
♣  ♣ 
Ah! Parabéns e muitas graças ao  santo nosso de cada dia, almost teen:-)
Parabéns, São Google

Alguma coisa acontece…

Sobre sub rosa
The most of all things and persons in the entire world drives me *flabbergasted". That includes me.

6 Responses to Ausencia – Vinícus de Moraes

  1. Acabo de voltar de férias, minha dear Meg. E encontro aqui esse lindo poema. Vou ler os outros posts depois, com calma.
    Mas deixo aqui um beijo enorme pra você.

    marilia

    • sub rosa disse:

      Marilia, minha querida
      Eu já estava preocupadíssima com sua *ausência*.:-( Estou preparando um email pra vc. Ah! que bom que está tudo bem. :-))
      Beijos alegres por suas férias e pela sua volta, para o lugar em que vc não tem direito ao sol, hahaha. Escrevi um comment nesse seu dramático rsrsrs post.
      Fique bem, linda
      beijos

    • sub rosa disse:

      É bonito mesmo, não é.
      Sabe, Rose, às vezes, o carinho erra o caminha.
      Chamavam o Vinícius de “poetinha”. Claro, era carinho e também por ele ter se dedicado tanto a ser letrista, aquela coisa de Tom Jobim a Toquinho, ele teve muitas parcerias. Músicas lindas, é certo. Mas o problema é que isso deixou marcas, todo mundo esqueceu o grande poeta que ele foi, tanto na riqueza da lírica, quanto na contestação.
      Destino igual, mas hoje em franca recuperação é o caso do Manuel Bandeira que chamou a si próprio de “poeta menor” e por muito tempo foi considerado assim. Ainda mais porque sempre faziam uma comparação dele com o Drummond.
      —-
      pronto! lá vai mais uma resposta quilométrica, desculpe, sim?
      Um beijo (o quarto ou quinto:-)))
      ====
      Tô aqui lembrando de vc: estou ouvindo o David Bowie.

  2. aninha pontes disse:

    E, no silencio, podemos demonstrar muito mais nosso afeto.
    É na solidão que mais podemos mostrar nossa presença.
    Muito lindo!
    Um beijo querida.

    • sub rosa disse:

      Aninha, as coisas escritas ficam pra sempre, ou pelo menos por um graaaande tempo.
      Então, eu sempre digo que vc se expressa lindamente.
      Aí, o pessoal do contra(mim) hohoho vai dizer que vivo distribuindo elogios gratuitos ou coisa parecida.
      Não que ele me importem, mas…
      Vc tem mesmo esse dom de agarrar um momento e fazer dele uma bela expressão escrita. Queria um dia conversar *ao vivo* com vc, minha linda.
      beijos

%d blogueiros gostam disto: