Fim de agosto: Glorious in Translation (UPDATED)

Queridos, eu estou quase *tudo de bom*. Ou de boa?-)

Dependo de umas confirmações pequeninas e começo  o mês de SETEMBRO (mês do aniversário do SUB ROSA) de forma gloriosa.  Mentira: agora é que vai começar,  – finalmente – a minha recuperação, como se só hoje, quase 3 mses depois é que a cirurgia tivesse sido feita, caso não houvesse acidentes  – e que INcidentes – de percurso.  Mas a gente  dá um “jeito de corpo”, já  que o Bardo ensina que “All’s Well That Ends Well” e… mete bronca.

Mas  o início de Setembro parece auspicioso. Olha só:

IB_soshannah
src photo: http://film.com.

Acabo de saber que o filme do *meu* Tarantino  (Inglorious Basterds) que recebeu a pavorosa (hohoho) tradução no Brasil de  Bastardos Inglórios – oh gente sem imaginação.. ô raça!  apud Tutty Vasques – foi gloriosa e gracilmente  traduzido ali do outro lado do Atlântico  pela seguinte expressão: ” SACANAS SEM LEI”. Eu achei mi-mo-so!

E, você aí, tá  achando que podia fazer melhor? Melhor?!Ora, ora,  por quem sois!

=-==-=-

Claro que não podemos falar nada, nadica de nada, afinal, sem nenhuma ironia, até hoje o Brasil não consegue levantar a cabeça nem social, nem cultural nem politicamente, principalmente- pelo fato de ter traduzido The Godfather por ..  er…O PODEROSO CHEFÃO!  Sem ironia, mas sem ironia messsmo, pode? Pode uma coisa dessas? Ora, sinceramente,  admitimos, envergonhados que não.

Entretanto, com mês de agosto não se trasteja! (nada de coisas sérias, pois o mês é sinistro)  caso queiram, leiam este delicioso post antigo do  CARDOSO, (Contraditorium) o homem responsável pela explosão (boom!?) dos blogs em Belém do Pará..

O FILHO QUE ERA A MÃE.

****

É isso, e  se tudo der certo, Setembro chega amanhã.:-)

=-=-=

Este post é, claro, uma imensa boutade, o post do Cardoso HOUSE é delicioso, e – devo confessar, mesmo com algumas dores,  e ainda com um longo caminho a percorrer,  muitas consultas, medicações e,  sobretudo, cuidados responsáveis e sérios,  – nada, nada poderia me manter de melhor humor do que  pensar que todo o drama das minhas operações e reoperações terminou. As ameaças de coisas mais perigosas foram todas sendo aplacadas e resolvidas,  a ESTENOSE foi competentemente “reparada” cirurgicamente pelo Dr. Mario Homma.

Meus grandes, maravilhosos queridos amigos, alguns de toda a minha vida,  em especial Regina Alves, Ibi Cavalero de Macedo, Lúcia Almeida, Luzia, Bianca, Felipe, Missdley,  Vevé…, entre tantos outros que torceram, estiveram atentos, comentaram aqui no blog, telefonaram , enviaram emails… ah!  e  ajudaram a minha Dorothy,  bem, foram os anjos da minha vida. Cuidando de mim, me apoiando, me dando o suporte  de que necessita quem não tem uma família, mas precisa receber muito, mas muito amor.

Amanhã, espero, ou assinzinho que puder, estarei aqui, rente que  nem pão quente, com Santo Expedito e Santa Rita de Cássia. E aí??!! E disposta a começar- com mais graça,  digo, garra,  mais uma que outra, ou menos as duas:-) – o Sub Rosa  ano 9 (XIX). Iuhuuuu!

Obrigada a todos.  Tudo o mais que eu dissesse seria  inefável.

****

Ah! sim, – e pra cortar o  excesso do sensível – e o Belchior, hein? que eu nem sabia que tinha sumido.  Mas o povo continua o mesmo tsc.. tsc…  Bem, mas melhor assim: ninguém vai deixar de falar com ele,  não sei se está sendo chamado de “doido de distúrbios cabeçais” por “especialistas especiais” , parece que  (também)  há questão de dinheiro no caso – e quem tem alguma coisa a ver com isso? e tomara que não sofra retaliações infantis, imbecis , como sói acontecer.  Gostei de ler o Tom Zé  dizer que acha que também vai sumir. Hohoho.

As coisas – tudo bem , lentamente, muito lentamente – vão mudando…

****

Para os devotos de San Quentin:

***** Read at your own peril. OK?*****

III EDUCON (e um pedido)

educonIII Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade
22 a 24 de setembro de 2009
Universidade Federal de Sergipe
Campus de Itabaiana

CONFERÊNCIAS

Conferência de Abertura
“Como os professores aprendem a sua profissão” (Comment les professeurs apprennent leur profession)
Conferencista: Prof. Dr. Guy Berger (Universidade Paris 8 – França)
Tradução: Prof. Dr. Bernard Charlot (Universidade Paris 8/UFS/NPGED/ NPGECIMA/ EDUCON)
Coordenação: Profa. Dra. Veleida Anahi da Silva (UFS/DED/NPGED/ NPGECIMA/EDUCON)
Local: Auditório do Campus de Itabaiana/UFS

Conferência de Encerramento
“As teorias pedagógicas modernas revisitadas pelo debate contemporâneo na educação”
Conferencista: Prof. Dr. José Carlos Libâneo (Universidade Católica de Goiás)
Coordenação: Prof. Dr. Bernard Charlot (Universidade Paris 8/UFS/NPGED/ NPGECIMA/ EDUCON)
Local: Auditório do Campus de Itabaiana/UFS

INSCRIÇÕES

Período de Inscrição: 08/06 a 22/09/2009
Com apresentação de trabalho: 30 de agosto de 2009
Sem apresentação de trabalho: 22 de setembro de 2009

EIXOS TEMÁTICOS

1. Educação, Intervenções Sociais e Políticas Afirmativas
2. Educação, Sociedade e Práticas Educativas
3. Educação, Trabalho e Juventude
4. Formação de Professores: memórias e narrativas
5. Ensino de Ciências e Matemática
6. Educação, Cultura e Religião
7. Educação Infantil e Inclusão Social
8. Tecnologia, Mídia e Educação

CONTATO

E-mail: coloquioeducon@yahoo.com.br
Tel.: (79) 2105-6761/6797

Inscrição on-line: http://br.geocities.com/educonufs/IIIcoloquio/

PROGRAMAÇÃO COMPLETA: CLIQUE AQUI

Agora, um pedido: quem puder, divulgue o evento em seu blog ou em sua universidade. Obrigada, amigos, todos, todíssimos.

ANIBAL BEÇA (1946-2009) (R.I.P)

Estivesse eu onde eu estivesse e não poderia deixar de escrever ou pedir para que escrevessem um post, um simples, um sentido, um sincero R.I.P ao poeta brasileiro ANIBAL BEÇA, que nasceu em Manaus mas muito querido e conhecido em sua obra aqui em Belém.
Morreu ontem aos 62 anos (faria 63 em 13 de setembro). 62 anos. Pode?!

Anibal Beça, tal como Tiago de Mello e outros grandes poetas, escritores e intelectuais amazônidas podia, sempre que vinha à cidade, ser encontrado na casa residencial que era uma verdadeira embaixada socio-politco-cultural de Belém e em Belém, e onde nós, os privilegiadíssimos que nem entendíamos direito o Mundo conheciámos os “importantes” na casa de minha amiga Norma Soares Barata e seu marido o professor e imenso Poeta Ruy Guilherme Paranatinga Barata. Ali é que era.

Com Aníbal mantive uma excelente correspondência, dessas que eu falo que não jogo fora sequer uma carta ou post card e que fazendo o devido aggiornamento digo que não ‘deleto’ um ínico email: só do que valha e muito a pena. Do que tenha um valar inexcedível. Tomara que tenham entendido.

Este, o  primeiro Poema que Anibal me enviou.

A GENEALOGIA DO AMOR

E assim se fez verbo

o dom da palavra

para repartir-se

porque ele era só

Da vértebra curva

veio para ouvir

aquela que se houve

para ser ouvida

na aventura a dois:

chamada Mulher

a chamado do Homem.

*

Bem assim frente a frente

se inauguram os sons

aos olhos da surpresa.

Eis a trave despida

para as vestes da fala,

e a cegueira da boca

signos, tateando, cospe,

palpando seus rochedos

de alfabeto de pedra

E viu para falar

ouviu para dizer

tanta beleza agora

se vai a solidão

na maciez da pele

na relva dos cabelos

na fenda diferente.

Ele a chamou mulher

e sentiu o seu cheiro

e por que era de espanto

foi deitar-se com ela

no verde da campina

descobrindo seus poros

com o tato da língua

numa conversa muda

mas cheia de arrepios

reinventando colinas

na planície da pele.

E a palavra de pedra

em pedra se afirmava

no palco dos rochedos

banhado pelas águas

esculpindo nas ondas

o sino das sereias

do mar de Adamastor

o mastro do primeiro

este anagrama ereto

encrespando banzeiros.

No lastro das carícias

pesa o rumor dos corpos

com seu barulho de água

no suor represado.

E a vida nesse instante

não era a mesma vida:

um tempero de febre

ardia na mudança

E a mulher que era voz

ainda adormecida

balbuciou nomeando

esse homem fricativo:

……– Amado meu amado

***

Então ele se soube

de pedra amolecida

mas senhor da tarefa.

E olhou-a como nunca

olhara em sua volta:

a íris revelando

o seu contentamento

no semblante de calma

na viva descoberta

do fogo prometido.

E desde aquele dia

baniu a solidão

para o deserto da alma

o reservado limbo

do batismo da dor.

Havia agora como

repartir as centelhas

no revirar dos olhos.

A granulada areia

moldando-se em faísca

nas águas de klepsydra

nos pingentes de Thánatos.

ANIBAL BEÇA

A música, desculpe se não ouvirem, é presente magnífico, estupendo, de Mme Cooper, que Aníbal no seu farto jeito e árabe talento iria adorar, caso não o conhecesse.

Tanto, mas tanto a dizer e a escrever sobre ele. Vocês me perdoarão, não é? A Internet está repleta, embora mal-refeita do anúncio da perda.

Eu lhes indicaria o livro Suite para os Habitantes da Noite (que lindo título), que vocês podem explorar mais um pouco aqui.

(Esse livro é de um tempo interessante. *Antigamente* – claro não tão antigamente asssim – os escritores de real valor concorriam a Prêmios de Literatura que eram sérios, mais com o intuito de serem conhecidos pelo júri e serem publicados. Havia a Bienal Nestlé feita pela empresa suíça em comemoração aos seus 60 anos no Brasil. No ano seguinte, em 1982 surgiu o o I Prêmio Nestlé de Literatura Brasieleira. Um júri honorabilíssimo e não tinha pr~emio em dinheiro. O prêmio era assim Ou  vencia ou vencia. Nada de segundo lugar! Se vecesse tinha o reconhecimento o mérito  e o louvor e era…. EDITADO, PUBLICADO, que é o sonho de qualquer escritor que saiba ou sesconfie que tem muito valor. Foi o que aconteceu com HAROLDO MARANHÃO que venceu o Primeiríssimo Concurso , com o livro O TETRANETO DEL REI.   Mas… isso é história. História.  Foi assim.

E finalmente, esta página de que gosto muito:

Poesia de IBERO_AMÉRICA

=-=-=

Perdoem os erros não vai dar para consertar. Sejam, como são sempre, generosíssimos,  e fiquem  com o melhor.

E um especial requiem/*eulogio/εγκώμιο* para Anibal! Ideal, como eu nunca saberia fazer.

I know the rules…

Sim, eu estou se não lépida, nova e fagueira… mas bastante renovada nesta minha nova, digamos, encadernação.  Mas prestando um tributo à tradição eu vou dividir com vocês, um poema de uma poet(is)a inglesa que é simplesmente amazing! E eu a conheci através da leitura de …guess what?  Little Face um de seus romances policiais (ou, como  são denominados,  romances de  suspense psicológico) por assim dizer, que são chocantes, desafiadores, e maravilhosos. Quem diria?

Ela também escreve livros infantis, juro!) , sinceramente não sei avaliar o resultado a ponto de recomendar. Mas, na outra parte do conjunto da obra, acho-a   imbatível. Experimentem Sophie.

Experimentem esse poema The Cancellation, delicioso e  que adoro, e eis que um dia eu o vi publicado em dois blogs europeus. Um deles o blog do… Nick Hornby, quem diria, again:-) (*)

Fiquem com o que ele diz, pois eu imagino que sim e concordo inteiramente.

“Regrettably, these are the truest words ever spoken about the arts.”

The Cancellation

On the day of the cancellation
The librarian phoned at two.
My reading at Swillingcote Youth Club
Had regrettably fallen through.

The members of Swillingcote Youth Club
Had just done their GCSEs
And demanded a rave, not poems,
Before they began their degrees.

Since this happened at such short notice
They would still have to pay my fee.
I parked in the nearest lay-by
And let out a loud yippee.

The librarian put the phone down
And muttered, ‘Oh, thank the Lord!’
She was fed up of chaperoning
While the touring poet toured.

The girl from the local bookshop
Who’d been told to provide a stall
But who knew that the youth club members
Would buy no books at all

Expressed with a wild gyration
Her joy at a late reprieve,
And Andy, the youth club leader,
And the youth arts worker, Steve,

Both cheered as one does when granted
The gift of eternal life.
Each felt like God’s chosen person
As he skipped back home to his wife.

It occurred to me some time later
That such bliss, such immense content
Needn’t always be left to fortune,
Could in fact be a planned event.

What ballet or play or reading,
What movie creates a buzz
Or boosts the morale of the nation
As a cancellation does?

No play, is the simple answer.
No film that was ever shown.
I submit that the cancellation
Is an art form all of its own.

To give back to a frantic public
Some hours they were sure they’d lose
Might well be my new vocation.
I anticipate great reviews.

From now on, with verve and gusto,
I’ll agree to a month-long tour.
Call now if you’d like to book me
For three hundred pounds or more.

From Selected Poems by Sophie Hannah

Aqui, o blog do Nick Hornby. Ele é da Peguin.

E aqui all about Sophie. Uma excelente escritora, contista e  Poeta;  uma das inteligências mais ricas, mais privilegiadas com que tive contato nesses quase 5 anos.

♥♥♥

Aliki, este post é seu. Naturalmente. E especialmente esta belezura:

Rondeau Redoublé
I know the rules and hear myself agree
Not to invest beyond this one night stand.
I know your patter: in, out, like the sea.
The sharp north wind must blow away the sand.

Soon my supply will meet your last demand
And you will have no further use for me.
I will not swim against the tide, to land.
I know the rules. I hear myself agree.

I’ve kept a stash of hours, just two or three
To smuggle off your coast like contraband.
We will both manage (you more easily)
Not to invest beyond this one night stand.

To narrow-minded friends I will expand
On cheap not being the same as duty free.
I’ll say this was exactly what I planned.
I know your pattern: in, out, like the sea.

It’s not as if we were designed to be
Strolling along the beach front, hand in hand.
Things change, of natural necessity.
The sharp north wind must blow away the sand

And every storm to rage, however grand,
Will end in pain and shipwreck and debris
And each time there’s a voice I have to strand
On a bare rock, hardened against its plea;
I know the rules.

S. H.

*******

Nah! the *genuine*  old Meg!

STRANGE FRUIT.

strange_fruit

Eu sei, eu sei: sai o Weblog do Pedro Dória, um blog do meu coração, ele, nosso contemporâneo, sendo ele, o Pedrinho,  quem ‘nos’ recebeu – um dos pouquísimos jornalistas que não era como quase todos os outros a essa época, primeiro semestre de 2001:  na maioria acerbos críticos, de uma estreiteza de mente que levou a uma bloody generalização, a de que blog era diário tipo “ah! que c’est beau mon p’tit omblier”.
Em resumo para 99,98% dos brutos, blog era coisa de gente sem noção (OK, alguns eram mesmo). Acho que eles eram sinceros, pois a coisa “pegou” mesmo para os incréus e  *lerdos* foi depois do 11 de setembro.  Agora, o irônico  é que graças a pessoas como Pedrinho (não é forçação de intimidade, é que alguns de nós sempre o tratamos assim e assim ele era para nós: e ele era a a própria representação do NO – Notícia e Opinião) e Cora Rónai, (esta deu a famosa resposta a Marcelo Tas qando ele numa entrevista perguntou: ‘Você pode traçar um perfeil de um cara que faz blog?’ e ela respondeu: ‘Vem cá, dá pra traçar um perfil da Humanidade, cara pálida?’ – citação de memória portanto muito infiel nas palavras mas precisa, precisa demais no sentido -)  é que os blogs puderam se firmar, alguns excelentes, eu diria mesmo imbatíveis, nunca superados em qualidade, outros desistiram, outros foram deixando de er o que dizer e desapareceram para o oblívio:-) e outros, claro, nunca chegaram a ter seus 15 minutos de alguma coisa, a não ser..bem, orbitando em torno de algum deslize possível ou imaginário de outros –  bom,  mas foi graças as pessoas como eles, Ped e Cora Rónai, que, *num vu*, ironicamente, tudo que era jornalista passou a ter blog, chegando  mesmo a haver um fase em que  blog mesmo só  valia se fosse de jornalista… Se é que me entendem, embora em circunstâncias beeeeem diferentes, parece que tudo voltou a ser a mesma coisa. Blog parece só valer se for escrito por jornalista. E os jornalistas brigam entre si, e…. O que eu acho mesmo é que falta alguém dessa época, que seja bem articulado e que tenha boa visão e excelente memória contar o que foi a história dos blogs no Brasil. É uma história de fases, e rio muito de uma especial em que se cunha a estranha, estranhíssima frase dubitativa: “Blog é literatura?”

E sim, ou melhor não,  não vou deixar de falar no professor e escritor Idelber Avelar. Como ele já esteve fora, interrompeu  a atualização do blog, uma vez e voltou; como ele não disse que está deixando de blogar , mas ralentando. então não conta. Só estranho, um direito que tenho como leitora e  admiradora,  porém ele explicou muito bem, que ele se tenha despedido num post em que não diz uma única palavra sobre a situação política atual. Mormente sobre certas situações gritantemente constrangedoras. Que quanto a isso, claro sempre as há. Mas falta-me o parecer dele, tão atuante e afiado que é .  A tudo tão tão atento. Eu digo isso  porque o Idelber, era – no blog –  antes de tudo, não um intelectual, mas um crítico político e dos muitíssimo bons. E dos mais polêmicos e desafiadores. Não que ele não seja um intelectual. Mas ele mesmo deve estar me entendendo muito bem, melhor do que ninguém.  Nessa hora, nessa  precisa hora, eu não esperava que ele saísse. Ou talvez, I mean, eu me sinto confusa sem o blog  dele num momento tão especial, tão rico, tão decisivo, eleições etc etal… Tão  carecendo de pessoas  com a fibra singular que ele  tem.  Mas se só está hibernando, então ele sabe o que está fazendo.  Ele tem o que se chama de accuracy. Então, escolheu convenientemente. Sabe a hora que escolheu para tal. Só desejo a ele grande sucesso. E rápido retorno.

Já o  Pedro faz a gente ficar tristealegretriste, embora  eu e acho que todos esperamos que volte logo. Tipo assim, fora de jornal jornal;-)  E  sempre de uma forma renovada, rica e diferentemente semelhante.

♣♣♣♣♣

Mas, muito bem, o que tem a ver o título e a ilustração deste post com esse intróito “ceroso”?

É que para algumas pessoas amigas eu disse que hoje daria (porque só hoje saberia) uma resposta a respeito de como eu vou, como eu estou. Uma consulta importante etc etc…l. Pois bem, estou djoinha, pulei uma grande fogueira. E, como símbolo desse estado, bom, maravilhoso e, sobretudo, esperançoso,   essa fruta aí acima entrou hoje no meu cardápio,  por recomendação médica. Vou ficar ultrajantemente mais bonita, mais saudável, até mais  nova com ela :oO.   Agora a fruta, Putzgrilo, a fruta…. Tem nomes lindíssimos e é bonita, embora seja um cacto!: olhem aqui. Tem até flor com nome poético, literário demais.

Querem ler a respeito e tirar suas conclusões? :-c . Pois é, os  resultados dos exames foram ótimos.  E sabe, gente, eu até desconfio, com perdão do Grande Lord (que lordeza/nobreza pouca é bobagem,  tee-hee) que voltei a ser mais chique até do que eu já era. pisc*

Essa foto,  eu tirei da minha casa, da janela da minha cozinha amazônica.

*****

Eu, que agora ninguém me segura, já comecei a responder a todos, todíssimos que comentaram aqui. São todos uns lindos, megníficos. Mille mercis.

***

Reparem quantos anacolutos.

Tudo isso pra dizer que os bons blogs fecham e eu aqui falando de.. frutas, estranhas frutas, exóticas frutas.

Fazer o quê. Aqui tudos, praticamente tudos sobre essas lindas cactáceas:-))

*****

E isso:

The Hitchcock’s Best Blonde…(*)

E pra você?

E pra você?

O.K, OK, se vc lê o Sub Rosa desde o tempo em que o arco-íris (hífen?) era em branco e preto sabe que eu, pobre criatura sem idéias, contaminada irreversivelmente pelo Bacilo de Hitchcock ,  já escrevi tudo o que podia e já inventei os quizzes mais bobos e gostosinhos, modéstia às favas.

Ontem, isto é,  hoje, depois de pensar, pensar… não achei mesmo nada que já não tenha dito e/ ou republicado de alguém importante como Cabrera Infante por ex.  e resolvi perguntar ( se alguém quiser responder, fico feliz): Qual a louraça “mais mais“, a *big* and best blonde  do  Gênio (ah, vai ele era djenial) tarado por louras.
Há quem prefira Kim Novak, Tippi Hedren, Ingrid Bergman, Eve Marie Saint, Janet Leigh, até aquelas inglesas esquisitíssimas mas muito interrrrresssssantes…:-)

Eu a-m-o os filmes menores ou praticamente desconhecidos do cara. Por exemplo, O Homem Errado – The Wrong (tem loira) ou então o djenhialíssimo FRENZY, que também tem lá suas loiras .

Mas, tenho que dizer, pra mim é – É –  a Grace Kelly, que não devia ter feito outra coisa na vida a não ser ser dirigida por ele. (E olhem que eu amo a Kim Novak).

Mas especialmente nesse filme…hmmm,  eu acho que deve ser o vestido :-)  e ela ainda ter encomendado o jantar, sacumé, né?;)

Mas olha só nessa foto a  attittuddi!

E você?  acha  que  *A* big loira – cf.  Dorothy Parker, é quem  messm..?

Beijos.

Ah obrigada por vcs dois/duas ou três, estarem comentando, como eu já disse assim que puder, venho e respondo tudíssimo.

Nota:Se quiserem, leiam aqui, no meu site,  o belo ensaio de Davi Arrigucci Jr.  inspirado por Cain , alias, Cabrera Infante.

==

(*) Thx, C.

OS BASTERDS DE SAN QUENTIN e DOIS RECADOS

senzagloria

Mas imagina só o que não fazem pra falar mal ou bem de San Tarantino.

Só sei que depois de Grindhouse ele merece, ele merece, ele merece o melhor. Mesmo com Brad Pitt:-)

Ah! o recado está dito aí *NO POST ABAIXO* no comentário que fiz como resposta à querida e linda Dra. Marilia .

Amigos, não consigo deixar de vir ao blog, mas responder é mais difícil.  Todos  são maravilhosos, gente fina para dedéu (tutti buona gente) e eu precisaria de uma concentração de que não disponho  agora para responder tal comme il faut.

Amo todos vocês, principalmente à medida que se tornam menos em quantidade:-(.

Um dia a gente (se) recupera)
Por enquanto prossigo com minhas légèretés.
E, claro, com  a Poesia, já que fora dela…

Conto com os queridos usual suspects. E com meus posts pra lá de pessoais. Como eu sempre digo: “Isn’t that what friends and blog are for?:-)

P.S. Vontade de boire du vin de et à Beaune:-). Ah!La Bourgougne, ma belle.

****

RECADO DOIS:

Corram lá no blogueiro do século! São as alegrias que ele me dá (ops).

Claro que tudo lá é bom, mas essas só estou anunciando agora porque continuo  a mesma lesma lerda., mas…vá logo, minino.