PAULO MENDES CAMPOS (IV e V)- Feliz Aniversário, Paulo!

kiki de Montparnasse/Man Ray

Kiki de Monparnasse por Man Ray

SABEDORIA

Se acaso, por um momento, teu coração, como o de teu pai, ficar vazio, arruma a casa, abre a janela, põe tua roupa nova — para que o vento a caminho, mais uma vez, te arrebate vivo.
***
Fotógrafo de parque faz instantâneo de eternidade.
***
Vinho farto e mulheres limpas consolarão do exílio o estrangeiro.
***
São seis os elementos: ar, terra, fogo, água, sexo e morte. Não, são sete: e lirismo.
***

Sabedoria… a máxima seria anoitecer como um bêbado e amanhecer como um abstêmio.
***
Maturidade é recolocar, em juízo, os dramas do adolescente.
***
Rebeldia é instinto de conservação do entendimento.
***
O diabo da escola da vida é a bagunça do método pedagógico.
***
O bom historiador que escreve mal devia entregar o seu material ao mau historiador que escreve normal.
***
Quase todos vivem em permanente rendição. Os melhores alternam períodos longos de rendição com tumultos libertários. E só os raros vivem em guerra permanente pela independência.
***
A verdade, esta mitômana.
***
O vazio me enche.
***
O grave do homem grave é que ele não está fingindo: é grave mesmo.
***
Fotógrafo de parque documenta para a posteridade o insuportável silêncio do anonimato.
***
Executados os exercícios da dor, os ofícios humanos se arrastam numa gelatina desculpavelmente ridícula.
***
A natureza para ser comandada precisa ser obedecida.
***
Quem jamais foi traído não sabe o que perdeu.
***
O povo é o silêncio. Serei o advogado desse silêncio.
***
O amor amplia o horror da morte.
***
Todo herói acaba chato.
***
Medo. Tem-se. Mas não se deixa ele mandar na gente.
***
Morte. Não estou pronto agora, mas, se ela chegar agora, estou pronto.
***
Homem sou: e um bom pedaço do que é humano me é alheio.
***
Mandamento marginal: não tirar ninguém de seu engano.
***
**** *** ****

APANHADAS NO CHÃO

– De um amigo meu, no bar: “Trabalho tanto que não tenho tempo para nada; à noite, bebo um pouco para lembrar as minhas mágoas.”

***
– De um vendedor de cinzeiros de barro em Belém: “Se eu escrever [cinzeiro]com C, em vez de S, ninguém vai comprar.”
***
– De um conhecido meu, quando lhe disse que certo homem público, embora de poucas luzes, era grave e honesto: “O jumento também é grave e honesto.”
***
– Do mais preto, passando por mim, quando o menos preto lhe disse que ele só pensava em mulher: “Ué, pensar então em quê?”
***
– De uma expressão mineira: “Fala mais que pobre na chuva.”
***
– Do finado Humphrey Bogart: “Um homem está sempre duas doses abaixo do normal.”
***
– De um forjador de provérbios: “Caranguejo idoso pensa muito e brinca pouco.”
***
– De um velhinho, ante o ar conjectural do caixeiro, quando pediu na livraria um manual sobre limitação de filhos: “Não é para mim; é para papai.”
***
– Do matuto para o médico: “Foi tiro e queda, doutor: a pílula desceu e parou direitinho na casa da dor.”
***
– De um velho do interior ao provar soda pela primeira vez: “Tem um gostim de pé dormente.”
***
– De Jaime Ovalle: “O importante não é saber se a pessoa gosta de uísque, mas se o uísque gosta da pessoa.”
***
– De Camilo Paraguassu, em um poema: “Vista de Paquetá, a lua é linda.”
***
– De Garrincha, muito absorto, meio segundo antes de ser dada a saída no jogo do Brasil com o selecionado soviético em 1958: “Olha ali, Nilton, aquele bandeirinha é a cara de seu Carlito…”
***
– Do mesmo, contando ao colega onde comprara uma gravata (Roma): “Foi naquela cidade onde seu Zezé deu um tombo no vestiário.
***
– Do mesmo para um companheiro de pelada: “Quer parar de driblar!”
***
– De “Osvaldo Cabeça de Ovo, no dia em que seu time de areia perdia de cinco a zero: “Arrecui os arfe para invitar a catastre.”
***
– Do treinador, também de praia, Trindade: “A missão do centrefór é atrapaiar os beque.”
***
– De um outro treinador para o goleiro: “Carambolou, arreia.”
***
– De um torcedor a meu lado, vendo uma jogada magistral do enciclopédia Nilton Santos, errando, paroxismado, na tônica: “Dá-lhe, catédra!”
***
– De Graciliano Ramos, quando ouviu pela primeira vez um rouxinol: “Eta passarinho chato!”
***
– Do cabo Firmino, na revolução de 30, promovido pelo comandante da Força Pública Mineira, por ato de bravura em batismo de fogo: “Uai, seu coronel, tava pensando que era manobra.”
***
– De Hemingway sobre a famosa modelo Kiki de Montparnasse: “A única mulher que nunca dormiu em sua própria cama.”
***
– De um estudante para mim: “Escritor é o Euclides! Olha só: O sertanejo é — vírgula! — antes de tudo — vírgula! — um forte — ponto!”

Paulo Mendes Campos (1922-1991)- De um caderno cinzento — Apanhadas no chão – Ed. Civilização Brasileira, Rio de Janeiro,1969

**** *** ****

Prestem atenção em todas, mas reparem a do “nosso” Graciliano;-)

Este post – no qual, reconheço não ter mérito algum, a não ser o carinho da escolha, é para todos, mas mui especialmente, um regalo para o meu Queridíssimo PAULO CUNHA PORTO, um Cavalheiro. Cavaleiro da Ordem da Jarreteira e dos Corsets . Honni soit…:-). Parabéns e Felicidade, all my best wishes pelo seu aniversário . Um bocadinho chateada pois ele está tomando de assalto os corações das meninas brasileiras. Que o digam Marie e Maríla;-).
Obrigada, imenso, pelos dardos! Você é simplesmente *o* MÁC-SI-MO!!!:-)

Meu presente musical .. ai, ai, vc não gosta de música brasileira, mas vou arriscar esta: