ANA C. (Updated)

A TEUS PÉS

HOJE, a poeta Ana Cristina Cesar (1952-1983) será relembrada, na passagem dos 25 anos de sua morte, em evento especial com o título acima, que é também título de seu livro mais conhecido. A reunião inclui o lançamento de Antigos e Soltos(*), livro que traz material inédito da autora, poemas, trechos de diário e relatos de viagem, doado ao Instituto Moreira Salles por sua mãe, Maria Luiza, e organizado por Viviana Bosi.
Na programação da noite estão previstos a leitura de obras de Ana Cristina pelos poetas Antonio Cícero, Claudia Roquette-Pinto, Francisco Alvim, Eucanaã Ferraz e Angela Melim, e um debate com Armando Freitas Filho, Clara Alvim e Viviana Bosi.
As atividades acontecem no auditório e telões serão instalados para que o público também possa acompanhar tudo em outros ambientes do centro cultural.

Auditório do Instituto Moreira Salles – Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea,
Telefone: 3284-7400. Quarta (29), a partir de 19h30. Grátis.

POESIA

olho muito tempo o corpo de um poema
até perder de vista o que não seja corpo
e sentir dentre os dentes
um filete de sangue
nas gengivas

In: Ana Cristina Cesar – Correspondência Incompleta – Organização: Armando Freitas Filho e Heloisa Buarque de Hollanda. Editora Aeroplano

FAMA E FORTUNA

Assinei meu nome tantas vezes
e agora viro manchete de jornal.
Corpo dói – linha nevrálgica via
coração. Os vizinhos abaixo
imploram minha expulsão imediata.
Não ouviram o frenesi pianíssimo da chuva
nem a primeira história mesmo de terror:
no Madame Tussaud o assassino esculpia
as vítimas em cera. Virou manchete.
Eu guio um carro. Olho a baía ao longe,
na bruma de neon, e penso em Haia,
Hamburgo, Dover, âncoras levantadas
em Lisboa. Não cheguei ao mundo novo.
Nada é nacional. Desço no meu salto,
dói a culpa intrusa: ter roubado
teu direito de sofrer. Roubei tua
surdina, me joguei ao mar,
estou fazendo água. Dá o bote.

Mais Ana Cristina Cesar:

SONETO

Pergunto aqui se sou louca
Quem quer saberá dizer
Pergunto mais, se sou sã
E ainda mais, se sou eu

Que uso o viés pra amar
E finjo fingir que finjo
Adorar o fingimento
Fingindo que sou fingida

Pergunto aqui meus senhores
quem é a loura donzela
que se chama Ana Cristina

E que se diz ser alguém
É um fenômeno mor
Ou é um lapso sutil?

FLORES DO MAIS

devagar escreva
uma primeira letra
escreva
na imediações construídas
pelos furacões;
devagar meça
a primeira pássara
bisonha que
riscar
o pano de boca
aberto
sobre os vendavais;
devagar imponha
o pulso
que melhor
souber sangrar
sobre a faca
das marés;
devagar imprima
o primeiro
olhar
sobre o galope molhado
dos animais; devagar
peça mais
e mais e
mais

INSTITUTO MOREIRA SALES

POESIA.NET

GERMINA LITERATURA

Update: Queridos, chamem-me do que quiserem, digam que sou boboca, baboca , bobaca;-) or whatever, mas que estou faceira e muito de narizinho pra cima (ui, que dor) ah estou! Olhem só o que ganhei:

Um link no Portal Literal: http://portalliteral.terra.com.br/links/sub-rosa

Sim, sim, claro eu sei, que não foi só essa que vos tecla. Mas se considerarmos que a indicação do Sub Rosa veio da escritora Cecília Gianetti, sim, ela mesma, a nossa Berliner então, estou igual  a um que? A um albatroz ,para lembrar o Poeta, librando  a mil palmos do chão. Se quiserem podem comentar, votar, o que seja.

Ah! e por favor me deixem dizer aquele irresistível: Conheceram, papudos, tá?;-))) Não vou perder votos por dizer isso, não? É, porque, se se registrarem e votarem, a coisa vai ficar melhor ainda.;-)

Beijos e até mais.

Três poemas de Mario Benedetti

tempo, tempo, tempo

tempo e suas femininas curvas

Un Padre Nuestro Latinoamericano

Padre nuestro que estás en los cielos
con las golondrinas y los misiles
quiero que vuelvas antes de que olvides
cómo se llega al sur de Río Grande

Padre nuestro que estás en el exilio
casi nunca te acuerdas de los míos
de todos modos donde quieras que estés
santificado sea tu nombre
no quienes santifican en tu nombre
cerrando un ojo para no ver las uñas
sucias de la miseria

en agosto de mil novecientos sesenta
ya no sirve pedirte
venga a nos el tu reino
porque tu reino también está aquí abajo
metido en los rencores y en el miedo
en las vacilaciones y en la mugre
en la desilusión y en la modorra
en esta ansia de verte pese a todo

cuando hablaste del rico
la aguja y el camello
y te votamos todos
por unanimidad para la Gloria
también alzó su mano el indio silencioso
que te respetaba pero se resistía
a pensar hágase tu voluntad

sin embargo una vez cada tanto
tu voluntad se mezcla con la mía
la domina
la enciende
la duplica
más arduo es conocer cuál es mi voluntad
cuándo creo de veras lo que digo creer

así en tu omnipresencia como en mi soledad
así en la tierra como en el cielo
siempre
estaré más seguro de la tierra que piso
que del cielo intratable que me ignora

pero quién sabe
no voy a decidir
que tu poder se haga o se deshaga
tu voluntad igual se está haciendo en el
viento
en el Ande de nieve
en el pájaro que fecunda a su pájara
en los cancilleres que murmuran yes sir
en cada mano que se convierte en
claro no estoy seguro si me gusta el estilo
que tu voluntad elige para hacerse
lo digo con irreverencia y gratitud
dos emblemas que pronto serán la misma cosa
lo digo sobre todo pensando en el pan
nuestro
de cada día y de cada pedacito de día

ayer nos lo quitaste
dánosle hoy
o al menos el derecho de darnos nuestro pan
no sólo el que era símbolo de Algo
sino el de miga y cáscara
el pan nuestro
ya que nos quedan pocas esperanzas y deudas
perdónanos si puedes nuestras deudas
pero no nos perdones la esperanza
no nos perdones nunca nuestros créditos

a más tardar mañana
saldremos a cobrar a los fallutos
tangibles y sonrientes forajidos
a los que tienen garras para el arpa
y un panamericano temblor con que se enjugan
la última escupida que cuelga de su rostro

poco importa que nuestros acreedores
perdonen
así como nosotros
una vez
por error
perdonamos a nuestros deudores

todavía
nos deben como un siglo
de insomnios y garrote
como tres mil kilómetros de injurias
como veinte medallas a Somoza
como una sola Guatemala muerta

no nos dejes caer en la tentación
de olvidar o vender este pasado
o arrendar una sola hectárea de su olvido
ahora que es la hora de saber quiénes somos
y han de cruzar el río
el dólar y su amor contrarrembolso
arráncanos del alma el último mendigo
y líbranos de todo mal de conciencia
amén.

 

 
Una Mujer Desnuda y en lo oscuro

Una mujer desnuda y en lo oscuro
tiene una claridad que nos alumbra
de modo que si ocurre un desconsuelo
un apagón o una noche sin luna
es conveniente y hasta imprescindible
tener a mano una mujer desnuda.

Una mujer desnuda y en lo oscuro
genera un resplandor que da confianza
entonces dominguea el almanaque
vibran en su rincón las telarañas
y los ojos felices y felinos
miran y de mirar nunca se cansan.

Una mujer desnuda y en lo oscuro
es una vocación para las manos
para los labios es casi un destino
y para el corazón un despilfarro
una mujer desnuda es un enigma
y siempre es una fiesta descifrarlo.

Una mujer desnuda y en lo oscuro
genera una luz propia y nos enciende
el cielo raso se convierte en cielo
y es una gloria no ser inocente
una mujer querida o vislumbrada
desbarata por una vez la muerte.
 

 

Si Dios Fuera Una Mujer

¿y si Dios fuera una mujer?
-Juan Gelman

¿Y si Dios fuera mujer?
pregunta Juan sin inmutarse,
vaya, vaya si Dios fuera mujer
es posible que agnósticos y ateos
no dijéramos no con la cabeza
y dijéramos sí con las entrañas.

Tal vez nos acercáramos a su divina desnudez
para besar sus pies no de bronce,
su pubis no de piedra,
sus pechos no de mármol,
sus labios no de yeso.

Si Dios fuera mujer la abrazaríamos
para arrancarla de su lontananza
y no habría que jurar
hasta que la muerte nos separe
ya que sería inmortal por antonomasia
y en vez de transmitirnos SIDA o pánico
nos contagiaría su inmortalidad.

Si Dios fuera mujer no se instalaría
lejana en el reino de los cielos,
sino que nos aguardaría en el zaguán del infierno,
con sus brazos no cerrados,
su rosa no de plástico
y su amor no de ángeles.

Ay Dios mío, Dios mío
si hasta siempre y desde siempre
fueras una mujer
qué lindo escándalo sería,
qué venturosa, espléndida, imposible,
prodigiosa blasfemia.

MARIO (Orlando Hamlet Hardy Brenno) BENEDETTI, (Paso de los Toros, 14 de septiembre, 1920 – ), poeta, ensaista e escritor .

Um dos mais importantes escritores  da atualidade, Mario Benedetti nasceu em 14 de setembro de 1920, em Paso de los Toros, Uruguai. Trabalhou como vendedor, taquígrafo, contador, funcionário público e jornalista. Entre 1938 e 1945, morou em Buenos Aires. Ao retornar a Montevidéu, passou a trabalhar no semanário Marcha.
Nesse mesmo ano, publicou o primeiro livro de poesias, La víspera indeleble. Nos anos seguintes, Benedetti lançaria a primeira coletânea de ensaios, Peripecia y novela (1948), a primeira de contos, Esta mañana (1949), e o primeiro romance, Quién de nosotros (1953). Em 1959, com a publicação do livro de contos Montevideanos, consagrou-se como escritor. E, no ano seguinte, o lançamento de A Trégua lhe rendeu fama internacional.
Por questões políticas, abandonou o Uruguai em 1973. Nos 12 anos de exílio morou na Argentina, Peru, Cuba e Espanha. Traduzido em todo o mundo e autor de uma vasta obra, Benedetti é considerado um dos mais importantes escritores contemporâneos..

Há um conceito belíssimo em crítica literária, notadamente na Poesia, que se deve a Benedetti: “desexílio“. (v. Padre Nuestro)

♣ Para todos, mas em especial para  ti que, como eu, aprecias e valorizas Benedetti, há muito tempo.

Triste Marta! Triste, Marta.

Every-body who’s anybody”, como diria Cole Porter , não se furtou a falar no triste papel de Marta Suplicy na campanha para a prefeitura de São Paulo,  trazendo um tom de aviltante moralismo e atropelamento da ética.

Evito o máximo falar em política neste blog. Só me manifesto se for impossível deixar de fazê-lo.
Já comprei muita briga e principalmente pelos outros. Discutir política em blog faz com que você rapidamente navegue pelo mar do desafeto e da inimizade.
De uma forma tão leviana quanto espúria não ser petista passou a ser sinômimo de direitista e tem até uma ex-célebre pessoa (tipo ex-amigo) que ganhou epíteto de neocon ou neo-con, por declarar não ‘ser’ PT.

A esta altura do campeonato, os poucos que me lêem sabem que não sou de direita – o que não me impede de me dar bem com pessoas bacanas, honestas e amigas que o sejam e admitam – do mesmo modo que admiro (por outros motivos) – pessoas que até se declaram petistas e até xiitas e nunca disse que eles eram ‘xaatos’, como dizia o grande Carlito Maia.

Mas hoje tenho de falar. Tudo porque um dia essa triste senhora já fez parte de meu Panteón particular.
Essa senhora, acreditem ou não, já esteve na vanguarda do pensamento, aquele que se caracteriza pela open mind, pela largueza e amplitude do pensamento  numa época obscurantista. Seu pensamento me ajudou  como professora  a abrir algumas aléias  de tolerância e bom convívio com a diversidade. Em mim mesma e em alunos meus.

Hoje, afinal,  é o Dia do Professor, e como todos sabem  Professor não é só aquele que a gente tem em sala de aula.  E o mais importante,  Professor também tem os seus Professores , por toda a vida.

Sem contar que a ação do Professor deve transpor o espaço intramuros da sala de aula e ganhar a Cidade, a Polis (πόλις).

Daí minha profunda comoção ao ver aquela Marta que na antiga TV MULHER, como psicóloga e sexóloga (?!) ajudava alunos e professores a se tornarem maiores que o preconceito, maiores que as estreitezas da intolerância. Ensinava , enfim, que ter princípios ainda era e deveria ser sempre o norte de nossas ações.
Hoje, tristemente constato que Marta Suplicy numa desenfreada sucessão de gestos cada vez mais comprometores de quem não sabe pedir desculpas à Cidade e ao País, por um erro (já que houve sim um erro) , e mais: negação do óbvio, recibo de irresponsabilidade (‘eu não sabia’)  enfim…mostra que que pode até saber de moralismo, no seu pior sentido, mas esfacela a ética.
O que é uma coisa lamentável e condenável, para quem disputa um cargo na Pólis! Bom,  isto para quem entende a diferença entre o grego éthos (“ἔθος” )– com o “e” longo e que significa propriedade do caráter – , éthos (‘ἤθος”) com o “e” breve que significa costume – que é igual a mores – tradução para o latim que se confundiu com a primeira acepção de éthos.
Triste Marta. Parece que nunca mais vai poder sequer mencionar ,nem no todo  nem em parte, o que era um dos seus mais belos e importantes conhecimentos.

Agora do outro ponto de vista, mas como tudo é político e o referencial é o mesmo, aqui estão pessoas que escreveram bem, muito bem, o melhor possível. Esses dois  primeiros foram os que melhor sintetizaram o que realmente está em jogo.

Pedro Dória
Ricardo Kotscho

Mais além:
Jayme Serva

Gilberto Dimenstein

Pedro Alexandre Sanches

e vários, vááários outros.

“My name is Lisa” (Updated)

Winner ~ Best Short Film of 2007 (You Tube) Winner ~ 3rd Prize Project: Direct Official Selection
~ Chicago International Children’s Film Festival/Official Selection
~ Short Film Corner ~ Cannes 2008/ Official Selection
~ Now Film Festival /Official Selection
~ Portable Film Festival (Australia)/ Official Selection
~ California Next Gen Film Festival/ Official Selection
~ Crackle Shorts Contest

=-=-=-=-=-=-=

Sad but….

“O filme é lindo, lindíssimo. O tema é áspero, mas a grandeza com que é tratado vence qualquer resistência. Sem falar na Lisa, que é irresistível. Vou caçar mais coisas do Ben Shelton.
Ignorantaça que sou, desconhecia por completo este prêmio do Youtube Project. E do You Tube”  fazendo minhas as palavras do meu crítico preferido Júlio Gomes.

Bom, mas sou campeã de não saber coisas:-(.  Foi um brasileiro que ganhou o primeiro lugar. Obrigada, Nelsinho Porto. Saudades. Muitas. Obrigada! Ti amo.”

=-=-=-

Updated – agora com legendas graças ao Pedrinho Dória.. Obrigada.

As dicas da semana: o que você não pode perder.

HOJE:
ANIVERSÁRIO DE BLOG – 4 anos do AO³

Parabéns  para o querido Guga Alayon, que é tudo de bom, além de tudo mais:-)))

Adoro esse menino e se eu tivesse tido um filho queria que se parecesse com ele, que fosse igual a ele.

Não perca: Googala!

=-=-=-=-=-=

QUINTA:

Influência e referência musical

Dapieve: Influência e referência musical

QUINTA-FEIRA, 09/10 – 19:30

Noite de autógrafos: Black music

Título: BLACK MUSIC
Autor: Arthur Dapieve
Editora: Objetiva

Black Music consegue construir uma narrativa dentro da favela sem, no entanto, resvalar na mais do que batida literatura da miséria. Em vez disso, Arthur Dapieve nos oferece outra visão. Perturbadora, sim, mas também delicada e bem-humorada.

Local: Shopping Leblon (Rio de Janeiro)
Horário: 19:30

SEXTA:

A banda mais picante do mundo! É a melhor! é a melhor!

A banda mais picante do mundo! É a melhor! é a melhor!

SEXTA 10/10/2008
Banda Gás Pimenta (Lado B Rock anos 70)
Uma formação de músicos experientes que decidiram fazer uma releitura para o bom e velho British Rock. Um repertório escolhido com muito critério e que traz aqueles sons que todos conhecem mas que não são normalmente executados por outras bandas cover.

Entrada Masc: R$ 15,00
Entrada Fem: R$ 8,00

ONDE: HURRICANE BAR

R. Augusto Stresser, 872 Juvevê – 3362-0520

QUANDO: SEXTA-FEIRA – 10/10 22 H

Álvaro J.K. vocal
Jimmy Vandrake guitarra e vocal
Ludgero Thomazguitarra
Carlos “KB” baixo
Celso “Magrinho”bateria

Teclaudio BocSound
– teclados

 

Contato: e-mail a gás

E olhem aqui também.

DOMINGO

E, claro, no domingo, dia 12,  a maior festa religiosa-profana, social-antropológica –  o “carnaval devoto”: em/de Belém do Pará:

O CÍRIO DE NOSSA SENHORA DE NAZARÉ.

 E também aqui há CÍRIO.

As maravilhosas fotos de BRENO PECK

Fotos de BRENO PECK no FLICKR
=-=-=-=-=-=-=

E para todas as horas, datas,  momentos e  ocasiões a música que escolhi:


A encantadora e grande fadista KATIA GUERREIRO canta e interpreta “A dança das Sete Luas
A música é de JOÃO VEIGA e a letra – ah! esta letra magnífica – é da poetisa ANA VIDAL

E fica no ar a pergunta insistente: Quando é que teremos a Katia Guerreiro no Brasil a cantar para todos os brasileiros?  Ela que já  cantou e gravou com grandes nomes da nossa música?

(P.S. Luma, estás aí?)   Nelsinho,  vamos fazer coro?

São Francisco, o Belo. (Updated)

São Francisco de Asis, *o* cara, em matéria de animais

São Francisco de Asis, *o* cara, em matéria de animais

Gente querida, não vim aqui ontem, o que deveria, pois foi dia de São Francisco de Assis e, por via de conseqüência, Dia Mundial dos Animais.

Nenhum problema: A Semana dos Animais continua.
Eu fico meio baratinada  com essa data, (viram, criei agorinha essa gíria) não só porque todos somos animais (quando não se é vegetal) pisc*  mas também porque se eu dissesse “Ah eu adoooro animais” estaria mentindo: odeio mosquitos, pernilongos que, aqui em Belém e no Pará inteiro, atendem pelo belíssimo e sonoro nome de *CARAPANÃ*; e o maior insulto é chamar alguém de barata, ai, que nojo. Mas também não sou do tipo que só gosta de animais lindos, (“você já viu algum felino feio?”) . Na verdade, não gosto de cobras – dizem que elas tem sério problema de imagem hahahah  e *DRAGÃO DE KOMODO, tô fora. O meu lance é outro: eu luto, dentro de meus parcos recursos, luto mesmo e ajudo algumas organizações em favor dos animais abandonados e os em extinção e praticamente todos estão, como os majestosos tigres, ai que maldade, e os adoráveis orangotangos
Isto sem falar nos elefantes, lindos, lindos e sábios.
Acho da MAIOR IGNORÂNCIA e sinto pena de quem diz : pra que falar de animais se há tantas crianças passando fome? Arrrre!  isso é rematado absurdo,  uma coisa não exclui a outra. Muito pelo contrário, uma coisa DEPENDE da outra.(*)

Tenho horror de quem vive dizendo que os pombos (© J. R Birds) são os causadores de todos os males do mundo (outra ignorância e acho que a ignorância pode se tornar a mais requintada forma de maldade.).
Leiiam aqui, se desejarem – concordo que todos os animais transmitem doenças incluindo nós mesmos –.

Então é isso, não quero convencer ninguém a nada, estou fazendo o minimo, minimíssimo, que posso.

E quem realmente se importar, daí o título: Só Para Quem Gosta(r) – pode clicar aqui e aí faz sua escolha.

Enquanto isso, ali na varanda, numa gostosa sacada do meu apartamento, os passarinhos, os bem-te-vis, os suís (lindos) e aaaaaiiiiii, os beija-flores estão se deliciando com tortinhas de frutas (cruas, for sure).

Suí, um dos passarinhos mais lindos do mundo. São travessos, acreditem, e ainda fazem gracinhas. E o canto?

Venha ver, Cat, venha, maninha…? Beijos
Dedico este post à minha amada Vevé, (mãe) da amiga Regina Alves, que sabe como ninguém tratar de animais,  de gatos a passarinhos. Olha que isso não é pouca coisa não…concordam?
Agora, vou sair para votar.  Tssssc…

=-=-=-=-=-=

Chico Buarque –  Passaredo (De Chico e Francis Hime)

Ah! e houve um tempo em que se podia fazer isso. Ouçam Edu Lobo, da peça Arena canta Zumbi.

P.S.: Concordo com e respeito  a cadeia alimentar. Como boa darwinista, acho que todos fazemos parte dela.