Você sabe do quê hoje é dia? – E uma abordagem acerca de BOLAÑO

Eu sabia mas não lembrava.;-)
Meu amigo, o jornalista Ronald Junqueiro, encarregou-se de  lembrar  e dizem até que a comemoração é reconhecida internacionalmente.
Aliás, eu acho que sim, porque um dia vi a Liz Lemmon,  ops.. a TINA FEY,  falr sobre esse dia tão importante do Saturday Night Live. Eu vi,  sim…ora se ouvi.
O Ronald fez um histórico, parece que ele é expert hohoho. E ficou sensas… (Veja lá!)
E mais:  falou nos orangutanguinhos.
Que se você não sabe são meus animais preferidos e estão em vias de extinção…Mas também quem não está?:-o(((
Valeu, Rurunardo SAN. A coisa toda será dia 08/08/08, mas que  dia ótimo para falar deles.
Danke schön!
Para TODAS as meninas e TODOS os meninos: Chico Buarque e Elza Soares, com direito a ilustração do ANGELI -clique, plz
=-=-=-=-=-=-=-

♣♣ ♣♣

ADENDA:
Para uma abordagem preciosa sobre o escritor latinoamericano (nasceu no Chile) ROBERTO BOLAÑO, aqui cinco preciosos post no pensador mais selvagem entre os pensadores selvagens. Clique. O ganho é seu!

Fragmentos de um evangelho apócrifo (I)

Franco Murer (Italia-século XX)

Franco Murer (Italia-século XX)


3. Desventurado o pobre em espírito, porque debaixo da terra será o que agora é na terra.
4. Desventurado o que chora, porque já tem o hábito miserável do pranto.

5. Ditosos os que sabem que o sofrimento não é uma coroa de glória.

6. Não basta ser o último para ser alguma vez o primeiro.

7. Feliz o que não insiste em ter razão porque ninguém a tem ou todos a tem.

8. Feliz o que perdoa aos outros e o que se perdoa a si mesmo.

9. Bem-aventurados os mansos porque não condescendem com a discórdia.

10. Bem-aventurados os que não têm fome de justiça porque sabem que nossa sorte, adversa ou piedosa, é obra do acaso, que é inescrutável.

11. Bem-aventurados os misericordiosos, porque sua felicidade está no exercício da misericórdia e não na esperança de um prêmio.

12. Bem-aventurados os de limpo coração, porque vêem a Deus.

13. Bem-aventurados os que padecem perseguição por causa da justiça, porque lhes importa mais a justiça que seu destino humano.

14. Ninguém é o sal da terra; ninguém, em algum momento de sua vida, não o é.

15. Que a luz de uma lâmpada se acenda, embora nenhum homem a veja. Deus a verá.

16. Não há mandamento que não possa ser infringido, e também os que digo e os que os profetas disseram.

17. O que matar pela causa da justiça, ou pela causa que ele crê justa, não tem culpa.

18. Os atos dos homens não merecem nem o fogo nem os céus.

19. Não odeies a teu inimigo, porque se o fazes, és de algum modo seu escravo. Teu ódio nunca será melhor que tua paz.

20. Se te ofender tua mão direita, perdoa-a; és teu corpo e és tua alma e é árduo, ou impossível, fixar a fronteira que os divide…

24. Não exageres o culto da verdade; não há homem que ao fim de um dia não tenha mentido, com razão muitas vezes.

25. Não jures porque todo juramento é uma ênfase.

26. Resiste ao mal, mas sem espanto e sem ira. A quem te ferir na face direita, podes oferecer-lhe a outra, sempre que não te mova o temor.

27. Eu não falo de vinganças nem de perdões; o esquecimento é a única vingança e o único perdão.

28. Fazer o bem a teu inimigo pode ser obra de justica e nao é árduo; amá-lo, tarefa de anjos e não de homens.

29. Fazer o bem a teu inimigo é o melhor modo de comprazer tua vaidade.

30. Não acumules ouro na terra, porque o ouro é pai do ócio, e este, da tristeza e do tédio.

31. Pensa que os outros são justos ou o serão, e se não é assim, não é teu o erro.

32. Deus é mais generoso que os homens e os medirá com outra medida.

33. Dá o santo aos cães, deita tuas pérolas aos porcos; o que importa é dar.

34. Busca pelo agrado de buscar, não pelo de encontrar…

39. A porta é a que escolhe, não o homem.

40. Não julgues a árvore por seus frutos nem o homem por suas obras; podem ser piores ou melhores.

41. Nada se edifica sobre a pedra, tudo sobre a areia, mas nosso dever é edificar como se fora pedra a areia…

47. Feliz o pobre sem amargura ou o rico sem soberba.

48. Felizes os valentes, os que aceitam com ânimo semelhante a derrota ou as palmas.

49. Felizes os que guardam na memória palavras de Virgílio ou de Cristo, porque estas darão luz a seus dias.

50. Felizes os amados e os amantes e os que podem prescindir do amor.

51. Felizes os felizes.

**********
Jorge Luís BORGES (1899-1986). O Elogio da Sombra. Trad. Carlos Nejar e Alfredo Jacques. (Rev Trad.: Maria Carolina de Araújo e Jorge Schwartz), 1969. IN: Borges, J. L. Obras Completas. S. Paulo : Globo, 2000.

N.E. Borges fará outros fragmentos apócrifos , um dos quais em Os Conjurados.

♦   ♦   ♦

 

 Este post é  dedicado ao  Amigo Ricardo [de Medeiros Ramos] Filho Escritor talentosíssimo, ganhador de vários prêmios (veja este aqui)  e que num mundo tão frio e cinzento e de ligações tão oscilantes e frágeis, que se rompem, às vezes de forma incompreensível (leia-se Zygmunt Bauman )-, ele, ao contrário,  lindo e elegante (Lady Cordélia que o diga)  ilumina esses meus difícieis dias gris dizendo o que se pode ler aqui, (comentário nº 16) e que eu imodestamente não cometeria a deselegância de esconder;-))      Não é o má-xi-mo?  Pois é! Eu fico sem poder dizer mais nada.
BTW,
Leia esse post e saiba mais sobre o
Ricardo – o Lord Broken-Pottery e a escritora Vivina de Assis Viana que é uma querida, mas tão desaparecida dos meus olhos amazônicos.;-)

Franco Murer

 

 

Madame, classe é classe(*)… e ‘A modernidade da tradição’)

Pois é...e tem mais.

Pois é... e tem mais;-)

Pois é, hoje amanheci desse jeito, não que nos outros seja diferente;-))) mas hoje foi de-mais. Olhem só, tipo assim bem Broadway.
Falando nisso, a Biscoito Fino, que demora mas não é boba (e como não é!) lançou o maravilhoso disco do meu querido cantor e amigo Marco Sacramento: A Modernidade da Tradição.  Se vc for olhar (e ler) o ABOUT ME? l/v/erá que desde 2001 eu já dizia que ele era o melhorrrr cantor brasileiro, depois de Orlando Silva – na fase áurea –  e João Gilberto que provou que  a perfeição existe.  Aê, Sacra! Corram!
E entre tradição e modernidade, mon coeur balance:-)

Ah sobre a Jean Muir, podem ver aqüi:-).
(*)– Nem sei por que estou es-cla-le-cen-do:”Madame, classe é classe” era um bordão de um ator que fazia o papel de mordomo num reclame (?) das louças ou whatever da marca Tramontina. Só que isso faz muito tempo. Foi na Era plectocênica e ninguém, a não ser eu e os dinossauros, era nascido. Hohoho.”Sweet Mary, ;-) The Kinks é ,claro, para todos, mas é especial procê,
Ah cadê o Fenômeno?;-))))

PAINTING & MUSIC – CROSSOVER: Robert Black, Ige D’Aquino, Cláudio Boczon

Absolutamente imperdível:

Performance no Conservatório e no site USTREAM.tv

Performance no Conservatório de Tatuí e no site USTREAM.tv

Ai de quem não assistir!;-) Eu estou de olho em vocês!;-)
Eles são a vanguarda da vanguarda, the cream of the crop da artes.
No site da USTREAM – (AQUI) você se “matricula”;-) e faz login para assistir, certo?

Olhem só:
O contrabaixista (double bass) americano Robert Black e o famoso e reconhecido artista plástico brasileiro Ige D´Aquino fazem performance inédita no Brasil:

Música e pintura, duas importantes vertentes da arte, executadas simultaneamente num mesmo palco.

Com essa proposta inovadora, o contrabaixista americano Robert Black e o artista plástico brasileiro Ige D´Aquino apresentam-se no teatro “Procópio Ferreira”, do Conservatório de Tatuí, a 130km de São Paulo, no dia 26 de julho a partir das 20h30.
A performance de música e pintura, denominada “Painting Music – Crossover Performance Multimidia”, já foi executada na Europa e Estados Unidos e promete surpreender os espectadores.
Também participará da performance o artista plástico curitibano Claudio Boczon. (o bonitão de óculos) :-)
A ação também será realizada nas cidades de Itu e Campinas, também no interior de São Paulo.
Em “Painting Music”, artistas que dominam diferentes linguagens da arte contemporânea fazem apresentação única. Enquanto Robert Black executa música atonal em seu contrabaixo acústico, o artista plástico Ige D’Aquino pinta sobre telas amplificadas (microfones minúsculos são fixados atrás das telas) – há, ainda, envolvimento de Claudio Boczon conectado à tela, com sintetizador que constrói uma base musical para o artista plástico e o contrabaixista trabalharem.
Segundo Ige D´Aquino, um artista sofre a interação com o outro, resultando numa catarse: o músico utiliza pedais eletrificados para prolongar a sonoridade de seu baixo com o arco enquanto o pintor utiliza-se dos pincéis e espátulas sobre as telas indicando uma percussão na tentativa de acompanhar o músico.
“Ao término da performance, Robert Black e Claudio Boczon interferem na tela com seus cabelos pintados ou ‘chicoteando’ as telas com o arco ou arremessando o corpo contra as telas ou… como foi dito, é improviso, tampouco os artistas sabem o resultado final”, afirma Ige D´Aquino.
A parceria de D´Aquino e Black já completa 10 anos de atividades no Brasil e no mundo. A participação do artista Claudio Boczon – o bonitão de óculos, é novidade e deverá enriquecer a performance.
A apresentação tem apoio cultural da Sabesp. A criação coletiva, ao vivo, resultará numa obra de arte que será doada ao Conservatório de Tatuí.
RESSALTE-SE que em Tatuí a iniciativa terá caráter filantrópico: os 437 ingressos disponíveis serão trocados por alimentos não-perecíveis que, posteriormente, serão doados ao Fundo Social de Solidariedade.
********

Clique em ” more” que você terá uma mini-bio de cada um dos três artistas que nos privilegiam com sua performance, OK?

Leia mais deste post

FASTER…

faster russ_meyer
Queridos:
Uma ‘viagem’ e volto no final do mês.
Mas não podia deixar de dizer que o *rumor* mais quente, em termos de cinema – cinema mesmo ;-))- é o remake desse filme cult, fantástico que adoramos. O mais cult e mais pop. Ou o pop mais cult. Vocês vêem aí;-)
Adivinha por quem?
Só posso desejar que tudo dê certo e que quem não conheça procure conhecer. O filme existe em DVD, aí pertinho da sua casa.  Repetindo, o filme é cult é crássico e é pop. Quer mais?
Mas isso nao é mesmo  a cara do meu San Quentin?;-) Aê Taranta!
OK, tá certo que Grindhouse foi…nhan, mas… vida de artista é isso. Olha o Odair José, né não, Marie, querida?

Torçam por mim,  wishmeluck, OK?  (obrigada, obrigada!)  assim que possa, passo por aqui …
Beijos, obrigada por tudo  e… tiau!

P.S. Eu ia deixar uma citação do Nietzsche sobre a vaidade, mas… pensei melhor e entre Nietzsche e Tarantino, advinhem quem venceu?;-)

Beijos e um especial para você, querido. Volte logo, sim?

INCOMPLETO(S) – Updated

… em verdade, sempre será conto, aquilo que seu autor batizou com o nome de conto.”
Mario de Andrade. in “Contos e contistas”.

Não sei se alguém vai se interessar, mas é que fui fazer a, digamos, apreciação de um livro, do qual ouvi/ouli coisas espantosas….

Aí todos já sabem: assim que comecei a ler o livro, fiz  uma grande “viagem para as Ilhas Polinésicas”, (os que sabem, sabem) e agora o bendito do livro não me deixa em paz.
Falar por falar, eu podia. Parece que sei escrever um pouquinho.
O caso é que o danado do livro é muito mais do que é,  e mais ainda do que  parece ser. Mais do que ouvi escrito;-) e, em alguns casos, em direção oposta. O que não é mau, muito pelo contrário. Só mostra as inúmeras possiblidades que o  livro tem de *ser”.
E como todos sabem, eu – embora ache que *TUDO É INCOMPLETO* – diante de um livro desses,preciso saber mais, ir mais além. E se for para falar dele, qualquer coisa que seja, ou dependendo dos inúmeros aspectos que o livro  apresente e se ofereça, às vezes em entrega só aparente, eu tenho que dizer: aguardem, mas… leiam logo o seu, a 1ª edição já esgotou e agora só tem essa edição, em formato pocket book. A que me coube.
Mas também para que não fiquem esperando tanto (pelo menos, não  taaanto) de mim, bem entendido, o livro é sempre mais do que se espera, ficam logo algumas coisas interessantes que tive de ler e ouvir, além do livro.
E que partilho (não quero roubar de) com vocês.

capa do livro na forma pocket book

SERVIÇO:
Autor: Albano Martins Ribeiro
Título: INCOMPLETOS:
-Contos (quase) eróticos
Ano: 2008
Ilustração: Eduardo Schaal

Edição Os Viralata (2ª)/ 100 p.

Não liguem muito pra esse “quase” eróticos. Na minha opinião, é claro.

Links correlatos:
Laboratório da Leitura – ouçam, em especial, a parte sobre literatura independente –  e me digam.

E vejam só quem é a entidade que escreveu o livro: o AUTOR! o AUTOR!
Aqui- no
Site do Autor

E o blog do Autor.

Pois é, vão por mim. E  tchau.

Disclaimer to myself: Pode ser que eu “me” ameaçanndo assim, não escreva ou me impeça de escrever uma tese sobre conto, narrativa, fluxo de consciência, conto breve, monólogo interior etc etc.. E diga simplesmente por que acho que o livro é muito bom. [E que o excelente é que é o inimigo do bom;-), viu Albano?]

E impeça, principalmente, que eu  queira compará-lo a Julio Cortázar ou a algum outro escritor. O Albano não lembra ninguém, ele já tem uma escrita que é a sua  identidade própria como escritor.
Agora, vem cá: Por favor, nada contra quem vê similitudes, ou influências, ou ressonâncias de um outro autor. E falo isso porque li esse ponto de vista em resenhas feitas por pessoas  cuja opinião respeito muito. E isso não é mau. Reflete, como já disse a riqueza da fortuna crítica do danado desse livro;-)))

Um beijo a todos.

E não me aguardem. Vão lá na página do Projeto relacionado à Literatura Independente Os Viralata, um projeto fantástico de bom, vejam tudo. Ou escrevam pra ele.

Smacks, babes.

Eu volto assim que clarear mais um pouco o “vale  das sombras” ou,  como diz a Cat, quando passar “A cinza das horas…”

♣  ♣  ♣

EM TEMPO: Recomendo fortemente a leitura deste artigo:

ESPECULAÇÕES, de Carlos Eduardo Martins.

Comentários  são bem-vindos.