Sub Rosa orgulhosamente (re)apresenta Juan José Arreola

perspective by ruth bernhardth

LIBERDADE

 Acabo de proclamar a independência dos meus atos. À cerimônia compareceram apenas alguns desejos insatisfeitos, duas ou três atitudes condenáveis. Um propósito nobilitante, que prometera aparecer, enviou à última hora sua escusa humilde. A cena transcorreu num silêncio pavoroso.

Creio que o erro esteve na proclamação ruidosa: trombetas e sinos, foguetes e tambores. E, para culminar, uma engenhosa queima de moral pirotécnica, que não chegou a arder de todo.

No final das contas, achei-me sozinho comigo mesmo. Despojado de todos os atributos de caudilho, os confins da noite me encontraram empenhado na simples tarefa de escritório. Com os últimos restos de heroísmo, atirei-me à penosa incumbência de redigir os artigos de uma extensa Constituição, que amanhã submeterei à assembléia-geral. O trabalho divertiu~me um pouco, apagando do meu espírito a triste impressão do fracasso.

Leves e insidiosos pensamentos de rebeldia voam como mariposas noturnas em volta da lâmpada, enquanto sobre os escombros de minha prosa jurídica passa, de quando em vez, um tênue sopro da Marselhesa.

♣♣♣

Dois pontos que se atraem não têm por que seguir forçosamente uma linha reta. Sem dúvida, é o caminho mais curto. Há, no entanto, os que preferem o infinito.

ENCONTRO

 

 

As pessoas caem umas nos braços das outras sem delinear a aventura. Quando muito, avançam num ziguezague. Mas, uma vez no rumo certo, corrigem o desvio e se juntam. Amor tão repentino representa um choque, e aqueles que assim se defrontaram são devolvidos ao ponto de partida como por efeito de um disparo. Projetados violentamente, sua trajetória de retorno os incrusta novamente, canhão adentro, num cartucho sem pólvora

Vez por outra, um par se afasta desta regra invariáveI. Seu propósito é francamente linear, não carece de retidão prévia. Misteriosamente, escolhem o labirinto. Não podem viver separados. Esta é a única certeza que os possui, e terminam perdendo-a ao se procurarem. Quando um deles erra e marca o encontro, o outro finge não perceber e passa sem cumprimentar.

♣♣     ♣♣
Juan José Arreola.Mexico, [Jalisco] – (1918-2001) – Grande representante da literatura latinoamerica. Foi amigo e interlocutor de Jorge Luis Borges. Da mesma geração que Juan Rulfo, foi um  renovador da literatura não só mexicana, mas de toda a literatura de LatinoAmerica, e abriu caminho para Carlos Fuentes e Elena Poniatowska, e outros bastante atuais.
Finíssimo representante da chamada narrativa breve (também conhecida  por minicontos ou microcontos), mas que é mais narativa tal como deve ser, e não necessita ter o minúsculo tamanho de uma linha. (Augusto Monterosso é exceção, mas, ele com o devido respeito pelos demais, era gênio, com “G”  maiusculamente maiúsculo.)

No Brasil, foi traduzido o seu livro Confabulário Total, pelo premiado Haroldo Bruno e foi recepcionado por ninguém menos que Otto Maria Carpeaux, que não hesitou em chamar a atenção para os toques fantásticos, mas mais kafkianos.

Deixo esse exemplar de Juan José Arreola,  um miniconto fantástico e kafkiano ao mesmo tempo, para meu Amigo, escritor e poeta Milton Ribeiro. Claro que é pro Milton, mas é ‘paratodos’, queridos todos, todíssimos; e – também, em seguida, uma Cláusula, o mesmo que frase, sentença lapidar, mas decidiamente não é conto.:

La mujer que amé se ha convertido en fantasma. Yo soy el lugar de sus apariciones.”

*” Soy un Adán que sueña en el paraíso, pero siempre despierto con las costillas intactas..”

Juan José ARREOLA
 

♣♣     ♣♣

Um beijo a todos.

Peço a todos a quem devo emails e outras coisas mais, e mais outras  que não me ocorrem agora;-), por favor, be patient!, OK?  Eu tardo e só muito raramente falho. Juro.

 

Sobre sub rosa
The most of all things and persons in the entire world drives me *flabbergasted". That includes me.

34 Responses to Sub Rosa orgulhosamente (re)apresenta Juan José Arreola

  1. Serei eu, o sujeito que fala em “Liberdade”?
    Muito bom, muito bom mesmo?
    Sempre tenho boas surpresas aqui…
    E vou ficando…

  2. Maravilha! Muito obrigado, Meg! Mas me chamar de poeta quase me fez deixar cair o iPod das orelhas!

    Arreola? Nunca tinha ouvido falar. Haja orientação para conhecer o que interessa. Obrigado novamente.

    Isso muito me impressionou —> Quando um deles erra e marca o encontro, o outro finge não perceber e passa sem cumprimentar.

    Beijos e reverências à Meguita.

  3. av disse:

    Meguita, minha querida, vou tomar este presente como se fosse mesmo para mim!
    Nunca li nada de Arreola mas estou absolutamente subjugada por estas duas amostras que aqui nos deixas. Obrigada por isso, eternamente grata por isso. Ou melhor, TAMBÉM por isso!
    Voo a procurar um livro do homem, que é genial…

    Mil beijos

    “Yo soy el lugar de sus apariciones.”?? – GENIAL.

  4. O Réprobo disse:

    Querida Meggy,
    não conhecia Arreola e gostei muito, pelo que agradeço. Fez-me o primeiro texto lembrar dois livros, um de Jacques Laurent, «As Delícias» («Les Bétises»), com páginas e páginas sobre as lutas entre Governo e Oposição que são as duas facetas do íntimo do protagonista. E «O Outro Que Era Eu», de Ruben A, para mim uma das três melhores ficções portuguesas do Século XX.

    Beijinho, estou a transformar-me em paciente, nos dois sentidos, ehehehehe. E a avaliar se faço uma maldadinha à Jessica R., lá pelas minhas bandas: topei com uma história de espartilhos…
    .

  5. Minhas aparições resultam em vertigens, na contemplação vertigens que passam `a realidade.
    Viciarei-me nas vertigens ou realidades?

  6. Nelsinho disse:

    Interessantíssimo!

    Houve um tempo em que eu suspeitava dos autores latino americanos de língua espanhola, em razão de certos poetas que cantavam uma “liberdade” que se situava afinal, a 180 graus da falta dela.

    O correr dos anos modificou esse (reconheço) preconceito meu.

    Beijo

  7. Luma disse:

    E eu não conheço Juan José Arreola. Mui Grata Meguita pela apresentação. Vou procurar saber do moço. Deguste as palavras, principalmente estas: “Dois pontos que se atraem não têm por que seguir forçosamente uma linha reta. Sem dúvida, é o caminho mais curto. Há, no entanto, os que preferem o infinito” que beleza!
    Tem postezito inspirado em tu lá no luz!! Falando de um outro Juan, por assim dizer! :) Besitos miles

  8. O Réprobo disse:

    Estimados Amigos,
    acabo de lançar o anzol para pescar Megs, lá pelas minhas bandas, ehehehehehe (risada maligna).
    Bjs. & abraços

  9. Orlando Gemaque disse:

    Boa! muito boa, amigo Reprobo, assim vejo se ela não está de mal comigo por perguntar a respeito de… bem, mas sereias não são mitos?
    heheheh

    Abraços

  10. rose marinho prado disse:

    Meg

    Eu gosto muito, gostava , do Arrelia. Eu ia ao circo dele na TV Record.

    Beijos

  11. Magaly disse:

    Meggy
    Ah! então não foi vc que me botou Arreola nas mãos?
    O que ele escreve! Como ele diz as coisas de um modo só dele: ” …éres o no éres…seré o no seré…” – o palíndromo que fixei. Não é u mimo?
    Beijo

  12. Meg,
    dessa vez não resisti.
    Saí de casa pra comprar pão e voltei com um dvd da Marilyn: Adorável Pecadora.
    Se eu comprasse pão todos os dias, já teria uma locadora!!

  13. Shi disse:

    Putz, muito bom! Você dizer tudo em quase nada num é pra qualquer um, né? – tinha que ser mexicano, povo adorado! :-D Bjo, Super-Meg!

  14. Shi disse:

    E voltei pra um quote da MM:
    “Hollywood is a place where they’ll pay you a thousand dollars for a kiss and fifty cents for your soul.”
    Bjo!

  15. megita, não nos abandone!!

  16. Nelsinho disse:

    Where are you, Meg??

  17. Magaly disse:

    Meggy
    Por aqui, sempre, esperando você em plena forma, nós todos que sabemos a falta que faz o Subrosa.

  18. palpi disse:

    Meguita, você viu, claro que viu, que a Cyd Charisse faleceu? Pois é, soube somente agora. Eu a conheci através dos seus textos. E, engraçado, eu já estava pensando em vc; depois dessa, ainda mais.
    Fique bem, querida.
    Beijos muitos.

  19. profa red disse:

    Meg

    Volte logo.

    Rose mp

  20. marie tourvel disse:

    Querida, querida! Que saudade. Uma curta temporada lá na terra do tal de William, viu? Passei até o Bloomsday em Dublin. Tudo muito chique. Pena que a Marie seja brega. Me faz uma visita, querida? Eu voltei para os braços de meus leitores e para os braços de meus grandes amigos. E você sabe que é um deles, né? É daquelas amigas especiais, viu? Adoro você, querida. Beijos

  21. Teus mais orgulhosos amigos:-) disse:

    Querida Meg, primeiro que tudo Parabens e toda a felicidade do mundo. Nao conheco ninguem que mereca isso mais do que tu, a amiga mais solidaria, mais desejosa de fazer o bem a todos, a que mais ajuda a todos, independente de qualquer coisa. Quem sempre, sempre tem tempo pra nos ouvir e ajudar. Felicidades, divina! Infelizmente nao conseguimos falar contigo e, tristes, só podemos dizer que estamos todos torcendo por ti, para voltares logo para casa. Quem e’ que pode passar sem essa gargalhada gostosa, radiante? sem os conselhos, os incentivos, os raspanetes, sempre colocando a gente pra cima. Sempre com o apoio que nem sempre esperamos. Eu e meu marido devemos muito de tudo que conseguimos a ti. Hoje é dia de agradecer mais ainda. Te adoramos incondicionalmente, pois com a impiedosa auto-critica que tens já te martirizas bastante. E não sobra nada pra gente apontar o dedo. (lol).
    Obrigada pela conversa mais deliciosa (quem sabe, sabe) obrigada ate pelo mau-humor mais ‘apimentado’ e humorístico que faz a vida ser uma festa mesmo quando sofres.
    Quanto aos outros nao sei, mas quanto a no’s temos orgulho e somos felizes demais nem tanto por sermos tua amiga, mas por tu nos dedicares a TUA amizade. Privilegio demais.
    Muita saude, muito riso, muito amor e muita oportunidade de demonstrares ainda mais teu brilho, tua inteligencia invulgar.

    Babando muito? Ainda nao viste nada. Te queremos aqui o mais breve possivel. Praise…!

    Admiracao, beijos, e amor de toda a familia Trakl, e em especial de tua sobrinha mais querida (esta’ linda)
    Viva Meg! Meglinda!

  22. Meg, muita saúde, força e volte assim que for possível pro nosso aconchego. com essa alegria, disposição e garra que você tem, logo, logo issaqui ô ô, vai tá cheio de hohoho, OMG, hihihi e tudo aquilo que faz da blogosfera um lugar muito mais alegre, mais vivo, mais interessante e mais inteligente.
    As saudades saão grandes e você faz muita falta
    Parabéns, querida amiga, felicidade.
    bj

  23. C. Dreher disse:

    Aê garota: as flores, os chocolates e o mé ficam apenas adiados. Tá todo mundo contigo.
    Parabéns, Feliz Aniversário. Tudo de bom
    Um presentinho:

    Ramo de Delírios

    (Guinga e Aldir Blanc)

    Juntei no violão pra você

    O que já não tem mais sentido

    E amarrei num buquê

    Pra reaver o perdido

    A terra onde nasceu o Peter Pan

    Fica entre a Vila e o Maracanã

    Bordei no aveludado do céu

    Por trás do Cruzeiro do Sul

    Um transatlântico azul

    E nele vou te levar

    Pra um pôr-do-sol com o marinheiro Simbad

    Pra uma ciranda em Itamaracá

    Orquestra de juritis

    Um lago em pleno Sinai

    Dobrões e maravedis, ai, ai

    Um cafuné de meu pai, ai, ai

    Sereias num lupanar

    Roubei a Ingrid Bergman e fiz

    O Humphrey Bogart decolar

    De Casablanca e amiguei os dois no Jardim do Alá:

    Se não der certo, um fica lá no Leblon

    E outro vai pra Jacarepaguá

    Peguei os sete anões por aí

    E fomos juntos visitar

    Levando um ramo de flor

    Minha avó na UTI

    Ela me disse que a dor é o lugar

    Onde o prazer sentou pra descansar

    Um iceberg lunar

    Nas águas de Paquetá

    O gol de placa que eu fiz, ai, ai

    Tocar com a Leila Diniz, ai, ai

    – Última flor do buquê

    Guarda o meu ramo de delírios com você.

    são os presentes que você merece.
    beijos e volta logo.
    Claudio

  24. Meg,
    Apenas pra te deixar um beijo de aniversário, desejando muita saúde, alegria, amor, paz, sucesso, muita vida pra viver.
    Parabéns!
    Parabéns também pelo seu blog. Continua lindo!
    Debora.

  25. Feliz aniversário!

  26. marie toruvel disse:

    Eba! Aniversário da Megleen. Naturalmente vou colocar um presentinho logo mais à noite pra você lá no Letras. Feliz aniversário, viu, querida? Realmente você é uma pessoa iluminada e graaaaaaande amiga. Tudo de bom pra você. Um grande beijo, Marie.

  27. Magaly disse:

    Minha, nossa amiga Meg

    Mexi no meu relicário de poemas favoritos. Queria achar a linguagem exata para celebrar o seu dia.
    Há tantas rimas estimulantes, tanto sentimento delicadamente sugerido, tanta fragãncia esmerada a assegurar aos sentidos a satisfaçao mais pura.!
    Parei, porém, aqui, no nosso poeta preferido e nada mais me tirou a certeza de que você hoje lerá esta jóia de poema com olhos de ver além e com a mais pura emoção de sua alma.
    Você o merece:

    VIDA TODA LINGUAGEM

    Mário Faustino

    Vida toda linguagem,
    frase perfeita sempre, talvez verso,
    geralmente sem qualquer adetivo,
    coluna sem ornamento, geralmente partida.
    Vida toda linguagem,
    há, entretanto um verbo, um verbo sempre, e um nome
    aqui, ali, assegurando a perfeição
    eterna do período, talvez verso,
    talvez interjetivo, verso, verso.
    Vida toda linguagem,
    feto sugando em língua compassiva
    o sangue que criança espalhará – oh metáfora ativa!
    leite jorrado em fonte adolescente,
    sêmen de homens maduros, verbo, verbo.
    Vida toda linguagem,
    bem o conhecem velhos qe repetem,
    contra negras janelas, cintilantes imagens
    que lhes estrelam turvas trajetórias.
    Vida toda linguagem –
    como todos sabemos
    conjugar esses verbos, nomear
    esses nomes:
    amar, fazer, destruir,
    homem, mulher e besta, diabo e anjo
    e deus talvez, e nada.
    Vida toda linguagem,
    vida sempre perfeita,
    imperfeitos somente os vocábulos mortos
    com que um homem jovem, nos terraços do inverno, contra a chuva,
    tenta fazê-la eterna – como se lhe faltasse
    outra, imortal sintaxe
    à vida que é perfeita
    lingua
    eterna

    Um doce braço de aniversário.

  28. Nelsinho disse:

    FELIZ ANIVERSÁRIO, MEG!!

  29. Allan disse:

    Cadê você…? :-*

  30. Hey, Meg!
    Feliz aniversário.
    Mas presente mesmo ia ser você de volta por aqui!!!
    Saudades, querida!!

  31. Samira disse:

    Meg,
    já soube da novidade , avisei todo mundo e corri para cá.
    Que bárbaro!
    Beijos

  32. Ery Roberto disse:

    Meg, foi só eu ficar uns dias sem condições de vir aqui “espiar” e perco seu aniversário!

    Sei que você não se importa com esses atrasos, porisso desejo-lhe Feliz aniversário, mas principalmente muita saúde e alegrias por todo o tempo.

    Beijos.

  33. Banner da campanha pelo rápido retorno da nossa querida Meg aqui

    Volta, Meg!

  34. Queridas pessoas queridíssimas:-)

    Eu juro, de mãos juntas;-) que venho responder a cada um de vocês.
    Que são uns lindos, uns fofos, uns maravilhosos e que quero deixar bem claro que nem sei se mereço tanto.

    Entretanto, além do grande imenso muito obrigada, quero mesmo é deixar registarda minha admiração por vocês.

    Que bom, vocês não sabem o quanto é bom, escrever um post e poder ler um comentário.

    É a expresão máxima da generosidade de quem lê prestada a quem escreve. E quem é capaz de negar isso, uma vez que nós somos todos, uns em relação aos outros, partes dessa co-relação?

    Então, vocês imaginam minha agonia por não poder responder.
    Mas, sabem que o coração diz muito em horas que não se pode praticamente falr nem escrever nada.

    Obrigada por esse presente ímpar.
    Beijos Meguita

%d blogueiros gostam disto: