“Fasten your seatbelts…!” (UPDATED)

Outstanding BETTE forever!

5/04/1908 -2008

bette davis, the best

Bette Davis c. 1938
Image courtesy MPTV.net by IMDB

Não penso em fazer nada (a não ser que pudesse fazer melhor e não é o caso) além de admirar isso:
Bette Davis , do blog Aprendendo a aprender, um dos meus favoritos depuis toujours.
Ou o que fez aqui o Bette’s number one fan, meu querido Moa, do melhor blog de cinema  ever:

Lá, não percam o famosérrimo anúncio de Bette, JOB WANTED “pedindo emprego“. (exclusivo do Cinefilia), ; realmente quem perde o Cinefilia está comendo mosca. hohoho.
*Aqui a página oficial de Bette Davis e o roteiro da comemoração Ih! it’s really gonna be a bumpy night;-)))). Indeed!
♣♣♣
Ok, OK, UM QUIZ:  (Já disse que adoro quiz?) eu sei que ninguém mesmo lê esse meu blog, mas se por acaso algum entre os seis ou sete dos dias de semana chegar aqui , vou fazer uma pergunta.Hoje, dia em que se comemora o aniversário de 100 anos de nascimento da Bette Davis (Bette’s 100th birthday) , se tivesse de escolher, que filme veria? E qual de suas *quotes* (pode ser em qualquer língua) é mais familiar para você?   Eu…. bem,  eu não posso responder, mas se pudesse;-)  diria que é essa mesma: “Apertem os cintos que hoje a noite vai ser do balacobaco;-)))”
E o filme, ai, ai, ai, aquele que realmente não sei o título em português, digo, em brasileiro, o Now Voyager , (frase de Tenysson) e que é onde ela diz: “Para que o céu, Jerry,  se já temos as estrelas?”
Iuhuuuu! Quem vai nessa?

divisor.gif

***Obrigada, Allan. Motivada pelos comments maravilhosos, obrigada,  coloco lá embaixo um post relacionado que mostra o quanto BETTE DAVIS passeia no meu coração, tipo assim de borguezins, hohoho

divisor.gif

Gente,  eu realmente, podem crer, sou orgulhosa, metida e vaidosa dos meus 10 ou 12;).  Tenho motivos para isso: Vejam o que a  nossa queridíssima ( minha amiga de muuuito tempo, é bom lembrar)  Magaly ofereceu-nos:

“Meg, olhe eu aqui!
Vi tantos filmes de Bette! Todos tão bons que a gente fica com dificuldade de escolher o melhos. A lista é imensa. Até a copiei uma vez que precisei para me lembrar do nome de um filme que estava vivo ma minha memória, mas sem nome. Aí vai :

Principais filmes

* 1931 – The Bad Sister, de Hobart Henley
* 1931 – Seed, de John M. Sthal
* 1931 – Waterloo Bridge (br: A ponte de Waterloo), de James Whale
* 1931 – Way Back Home, de William A. Seiter
* 1932 – The Menace, de Roy William Neill
* 1932 – Hell’s House, de Howard Higgins
* 1932 – The Man who Played God, de John G. Adolfi
* 1934 – Of Human Bondage (br: Escravos do desejo)
* 1935 – Dangerous (br: Perigosa)
* 1936 – The Petrified Forest (br: A floresta petrificada) de Archie Mayo
* 1936 – Satan Met a Lady
* 1937 – Kid Galahad (br: Talhado para campeão)
* 1937 – Marked Woman (br: Mulher marcada)
* 1938 – Jezebel (pt: Jezebel, a insubmissa – br: Jezebel)
* 1938 – The Sisters (br: As irmãs)
* 1939 – The Old Maid (pt: A ama velha – br: Eu soube amar)
* 1939 – Juarez
* 1939 – The Private Lives of Elizabeth and Essex (pt: Isabel de Inglaterra – br: Meu reino por um amor)
* 1939 – Dark Victory (pt: Vitória negra – br: Vitória amarga)
* 1940 – All This, and Heaven Too (br: Tudo isso e o céu também)
* 1940 – The Letter (pt / br: A carta)
* 1941 – The Little Foxes (pt: A raposa matreira – br: Pérfida)
* 1941 – The Great Lie (br: A grande mentira)
* 1942 – Now, Voyager (pt / br: Estranha passageira)
* 1942 – In This Our Life (br: Nascida para o mal)
* 1943 – Old Acquaintance (br: Um velha amizade)
* 1944 – Mrs. Skeffington (br: Vaidosa)
* 1950 – All About Eve (pt: Eva – br: A malvada)
* 1952 – Phone Call from a Stranger (br: Telefonema de um estranho), de Jean Negulesco.
* 1952 – The Star (br: Lágrimas amargas)
* 1962 – What Ever Happened to Baby Jane? (pt: O que teria acontecido com Baby Jane? – br: O que terá acontecido a Baby Jane?)
* 1968 – The Anniversary (br: O aniversário)
* 1978 – Return from Witch Mountain (br: Perigo na montanha enfeitiçada)
* 1978 – Death on the Nile (pt: Morte no Nilo – br: Morte sobre o Nilo)
* 1987 – The Whales of August (br: Baleias de agosto)
* 1989 – Wicked Stepmother (br: A madrasta)

Principais prêmios e indicações
Academia de Artes e Ciências Cinematográficas (Oscar) (EUA)

* Recebeu 10 nomeações oficiais na categoria de Melhor Atriz e uma sem estar nos boletins de voto (as regras da Academia permitiam que tal acontecesse na altura). Até 2006, só duas atrizes tiveram mais nomeações nessa categoria: Katharine Hepburn, com 12, e Meryl Streep, com 11 (mas tem mais três como atriz principal).

_________________
Vi uns vinte pelo menos. Adorei todos. Mulher incrível; entre os que vi, destaco Vitória amarga, Jezebel, Eu soube amar, O que terá acontecido com Baby Jane?,A Ponte de Waterloo, Lágrimas Amargas, A Carta, Servidão Humana, enfim, é difícil escolher. todos são magistrais. O  que me ficou mais na lembrança foi A Malvada. E é o que eu gostaria de rever hoje á noite
Parabéns para a Bette centenária!”

Magaly Campelo de Magalhães

–Obrigada, querida!
POST RELACIONADO: ASTONISHING BETTE (R)


The Bette Davis Eyes: clique.

Sobre sub rosa
The most of all things and persons in the entire world drives me *flabbergasted". That includes me.

30 Responses to “Fasten your seatbelts…!” (UPDATED)

  1. Vivien says:

    Sem dúvida: O que terá acontecido com Baby Jane.

    Absolutamente marcante,com uma fantástica relativização da loucura e da crueldade expressos nas atuações brilhantes de Bette Davis e Joan Crawford.

    ======

    Ai, Vivien!
    Concordo com cada letra , palavra e respiração suas;-))))
    Inclusive lá no Aprendendo, vc pode ouvir a gravação Letter to Daddy, a peça do repertório de Baby Jane.
    E perfeita esse forma: relativização da crueldade e da loucra e todos os sentimentos limítrofes.
    Um filme antológico do Robert Aldrich.

    E aqui pra nós, hein Vivien? Um duelo de “feras feríssimas” Bette e Joan!
    Ah! posso trocar o meu?

    Se puder, vou nessa e 2 X 0 pra nós;-)

    Beijos, querida

  2. alana says:

    Oi!
    Eu não só escolheria, de fato escolhi um filme com Bette Davis para ver hoje à noite: “A Malvada”(All About Eve), que traz uma das mais brilhantes das suas atuações, uma das que mais gosto.
    Quanto às frases da atriz, há várias memoráveis… Como esta: “Why am I so good at playing bitches? I think it’s because I’m not a bitch. Maybe that’s why Joan Crawford always plays ladies. ” :)

    Ah, é ótimo o seu blog!

    =-=-=-=-=
    Pela ordem, Alana:-)
    Seja muito bem-vinda! Muito legal você estar aqui.

    Agora, o nosso querido Moa (espero que vá ao Cinefilia e deixe um comment para ele e Fer) sabe de frente pra trás e de trá para frente *TODAS* as lines da Margo, em A Malvada.;-)
    Sabe uma de eu lhe daria um beijo se não estivesse secando o cabelo. É absolutamente ótima!
    Ah! entendi, essa frase não foi, claro que não , dita em um filme, não é? Porque eu fiquei aqui imaginando o auê que seria essa frase fantásticamente malvada a respeito da Joan Crawford.
    As duas eram inimigas ferrenhas, mas.. já vi falarem de uma versão completamente ao contrário;-)))

    Vc é um amor, Alana.
    bjks
    Meg

  3. Estrelicia Esse says:

    Não vi todos os filmes da Bette Davis, mas concordo com a Vivien. O filme em que ela contracena com a Joan Crawford é realmente inesquecível. Beijo.

    Outro beijo para você, querida estrelícia.
    E a sua Arcádia está magnífica.
    Sobre a Bette, na vewrdade não se vê mais filmes com ela. Na Inglaterra foi progamada especialmente uma Mostra de Filmes com ela, cancelada à ultima hora.
    Por isso os fãs têm que fazer alguma coisa. O passado é que nos guia, não é? Já dizia Walter Benjamin

  4. como não manjo lhoshas de cinema, fico cá com a Kim Carnes.

    Eu sei…;-)

    Já coloquei.
    pocalunki

    vem cá: lhoshas???? hohoho
    Mas olhe só, quem sou eu pra dar conselho, mas metade de um namoro é música, a outra metade é CINEMA, e a outra metade, cê sabe melhor do que eu.

    Tiau!

  5. AV says:

    Para mim, também o All About Eve. É um filme magnífico!

    Mas ela era uma actriz maravilhosa, todos os filmes em que entrou se iluminam com ela, mesmo os que não são nada de especial.

    Beijão, Meguita
    ana

    =-=-=-
    Beijos, miúda!
    ;-)

  6. Ai, Megleen, fico com All about Eve. Agora, essa frase que você lascou… realmente, Meg, não tem pra ninguém. Beijos, querida.

    Muitos beijos, querido
    Desculpa a demora em responder:-)
    M.

  7. Allan says:

    A Malvada, com o qual concorreu ao Oscar mas não levou. Em compensação foi premiada como melhor atriz no Festival de Cannes, que, à época, tinha quase tanto peso quanto o de Hollywood. (Mas confesso que não gosto de lista de preferências, pois dá a falsa impressão de não gostar dos outros.)


  8. Hihihi!
    Eu não digo que sou mesmo uma otimista, pacifista, e outros *istas*?
    Nada de sete, eu só tenho mesmo seis (6) leitores.
    E quem pode querer mais, sendo vocês tão maravilhosos?;-))
    Viva: AV e Estrelícia: Obrigada por perfazerem o team. Amores é o que vocês são;-)
    Fui promovida e já posso falar em *meia dúzia de 6*:-)
    Marie, o balacobaco foi, claro em homenagem a você.

    Claudio, querido: *onde se trabalha não se come*. Lição aprendida. Sou boa aluna.
    Mas a foto tá linda, não está?
    Beijos

  9. Hey, Allan
    Fizemos comment ao mesmo tempo:-)
    Tenho 7:-) iuhuuu!

    Puxa, quem foi mesmo que ganhou o Oscar nesse ano?
    Sei que A Malvada (que no caso, não é a Bette, ops…spoiler é fogo) é de 1950.
    Vou ver.

    Mas é verdade , como diz a queridíssima Aliki, outra jongleuse e mestra do wordplay: Cannes é something especial.
    Cannes pode se dar ao luxo de premiar qualidade.

    =-=-=
    Agora, Allan querido, essa foi uma coisa que aprendi: Lista e Concursos tem como essência, serem injustos. Em algum momento a eleição tem que se render a certos critérios.
    Aí, algo ou alguém vai dançar.
    Muito bem lembrado.

    Mas quero deixar aqui, se me permitem, alguns filmes memoráveis de Bette.
    *Perfídia
    *Jezebel
    *On Human Bondage (Servidão Humana)
    *Floresta Petrificada – com Bogart
    *The Letter/A Carta (performance maravilhosa
    *Dark Vitory/Vitória Amarga
    (Muito ph… esse filme. Dele a Newsweek disse ” se fosse um automóvel, Vitória Amarga, seria um Rolls Royce.”)
    *The Star – Lágrimas Amargas
    *Vaidosa/ com Claude Rains

    E podem dizer outros,
    Bette Davis praticamente jamais fez um filme insignificante , a não ser , a não ser… não me lembro.

    Bom… ficam por aqui algumas sugestões, para não se reduzir – se se reduzisse não viria disso o mal ao mundo, mas ela fez muita coisa excelente, além de A Malvada e Baby Jane.

    http://imdb.com/name/nm0000012/
    https://flabbergasted2.wordpress.com/2007/09/06/astonishing-better/

    Meninos e meninas, vão pela Meguitita;-)))

    beijos.
    P.S. Excelente semana a todos

  10. palpi says:

    Olha aqui, ô dona MEGuita queridona, eu sou leitora assídua deste blog. Só que, vc sabe, nem sempre tenho palpites dignos de tão preparado “leitorado”. hohoho. Eu já assisti filmes de sessão da tarde ‘global’ com a Bette, mas eu não me lembro dos nomes, de nenhum para dizer a verdade. :) Estou perdoada? Ah, que bom!
    Beijos muitos.

    =-=-=-
    Hahahahaha!!!!
    Quem não chora não mama} bis

    Ué, e você não faz parte do digníssimo e ilustríssimo “leitorado”?
    E já pensou quantos do digníssimo leitorados não estão justo à espera dos *seus* palpis?
    Então?
    Beijos, querida

  11. Magaly says:

    Meg, olhe eu aqui!
    Vi tantos filmes de Bette! Todos tão bons que a gente fica com dificuldade de escolher o melhos. A lista é imensa. Até a copiei uma vez que precisei para me lembrar do nome de um filme que estava vivo ma minha memória, mas sem nome. Aí vai :

    Principais filmes

    * 1931 – The Bad Sister, de Hobart Henley
    * 1931 – Seed, de John M. Sthal
    * 1931 – Waterloo Bridge (br: A ponte de Waterloo), de James Whale
    * 1931 – Way Back Home, de William A. Seiter
    * 1932 – The Menace, de Roy William Neill
    * 1932 – Hell’s House, de Howard Higgins
    * 1932 – The Man who Played God, de John G. Adolfi
    * 1934 – Of Human Bondage (br: Escravos do desejo)
    * 1935 – Dangerous (br: Perigosa)
    * 1936 – The Petrified Forest (br: A floresta petricada) de Archie Mayo
    * 1936 – Satan Met a Lady
    * 1937 – Kid Galahad (br: Talhado para campeão)
    * 1937 – Marked Woman (br: Mulher marcada)
    * 1938 – Jezebel (pt: Jezebel, a insubmissa – br: Jezebel)
    * 1938 – The Sisters (br: As irmãs)
    * 1939 – The Old Maid (pt: A ama velha – br: Eu soube amar)
    * 1939 – Juarez
    * 1939 – The Private Lives of Elizabeth and Essex (pt: Isabel de Inglaterra – br: Meu reino por um amor)
    * 1939 – Dark Victory (pt: Vitória negra – br: Vitória amarga)
    * 1940 – All This, and Heaven Too (br: Tudo isso e o céu também)
    * 1940 – The Letter (pt / br: A carta)
    * 1941 – The Little Foxes (pt: A raposa matreira – br: Pérfida)
    * 1941 – The Great Lie (br: A grande mentira)
    * 1942 – Now, Voyager (pt / br: Estranha passageira)
    * 1942 – In This Our Life (br: Nascida para o mal)
    * 1943 – Old Acquaintance (br: Um velha amizade)
    * 1944 – Mrs. Skeffington (br: Vaidosa)
    * 1950 – All About Eve (pt: Eva – br: A malvada)
    * 1952 – Phone Call from a Stranger (br: Telefonema de um estranho), de Jean Negulesco.
    * 1952 – The Star (br: Lágrimas amargas)
    * 1962 – What Ever Happened to Baby Jane? (pt: O que teria acontecido com Baby Jane? – br: O que terá acontecido a Baby Jane?)
    * 1968 – The Anniversary (br: O aniversário)
    * 1978 – Return from Witch Mountain (br: Perigo no montanha enfeitiçada)
    * 1978 – Death on the Nile (pt: Morte no Nilo – br: Morte sobre o Nilo)
    * 1987 – The Whales of August (br: Baleias de agosto)
    * 1989 – Wicked Stepmother (br: A madrasta)

    Principais prêmios e indicações

    Academia de Artes e Ciências Cinematográficas (Oscar) (EUA)

    * Recebeu dez nomeações oficiais na categoria de Melhor Atriz e uma sem estar nos boletins de voto (as regras da Academia permitiam que tal acontecesse na altura). Até 2006, só duas atrizes tiveram mais nomeações nessa categoria: Katharine Hepburn, com 12, e Meryl Streep, com 11 (mas tem mais três como atriz principal).

    Vi uns vinte pelo menos. Adorei todos. Mulher incrível; entre os que vi, destaco Vitória amarga, Jezebel, Eu soube amar, O que twrá acontecido com Baby Jane?,A Ponte de Waterloo, Lágrimas Amargas, A Carta, Servidão Humana, enfim, é difícil escolher. todos são magistrais

    O que me ficou mais na lembrança foi A Malvada. E é o que eu goataria de rever hoje á noite

    Parabéns para a Bette centenária!

    Beijos pra você

    =-=-=-=-=-=-=

    Minha querida Maga!!!
    Olhe a Magaly aí genteeee!
    This is my kid!!!!!

    Excellent job, Maga!
    Minha coisa linda, eu mortinha de saudade aqui!!!!!!
    Olhe só, quer dizer que On Human Bondage em brasileiro, virou Escravos do Desejos? Mas não é o que eu digo?;-))) . O livro era Servidão Humana… you make your pick ;-)

    Maga, só posso dizer o quanto estou feliz por mim, claro, vendo mais um trabalho maravilhoso. Um verdadeiro presente.
    Vou levar para o post. OK?
    Beijos, minha querida! Tiadoro! aliás, quem não tiadora, minina?;-))))
    Ueba!!!!!!!

  12. paloma says:

    òtima lembrança…não me canso de olhar os olhos dela! Lindos!
    Eu veria “A malvada”, com certeza – é o meu preferido!

  13. Oi, Paloma. Pode chegar e ir ficando.;-)
    O Claudio, um dos melhores artistas plásticos contemporâneos, meu Amigo e meu afilhado de blog parece que concorda com você.
    Ele sugeriu a música de Kim Carnes: The Bette Davis’ eyes.
    Acho que vou colocar para os dois.

    Em tempo: seu blog é ex-ce-len-te!!!!, na minha modestíssima opinião.

    Obrigada e
    beijos

  14. Paloma e Claudio, aí está moça dos zóio da Bette :-)
    Just for you, babes.
    Smooches

  15. Eduardo says:

    Breijos e boa semana!

  16. Obrigada, meu querido Eduardo.
    E não gosta da bette? Pensei em você;-)))
    Uma excelente semana, meu querido
    beijos à Paulinha
    Meguita

  17. ô sôdade das festinhas de garagem…

    brigadim pela canja

  18. O Réprobo says:

    Querida Meg,
    aqui entre nós, eu ia escolher o «All About Eve», que é dos filmes de que mais gosto. Mas tenho medo que a Ana Vidal me dê uma surra por estar a plagiá-La, pelo que vou eleger um outro, «Escravos do Desejo», em que a Mildred de Maugham merece ainda mais o epíteto de “A Malvada” do que a Baxter do outro filme…
    «Servidão Humana» foi um livro que li aos 14 anos e dos que teve mais influência na minha vida. Davis vai bem, na opressora-mor.
    Sob o ponto de vista puramente representativo, sublinharia registos bem diferentes, no apogeu, «Jezebel» e «Floresta Petrificada». Mas são filmes menos bons que a «…Eve».

  19. AV says:

    Querida Megstar, não te vais importar que eu responda aqui mesmo ao nosso Réprobo, pois não? Sei que não.

    Então nós, Paulo: escolha a Eve à vontade… plagiar-me? Ora essa, acho que muita gente estará de acordo connosco! Está livre da surra, meu amigo…
    E tenho para a troca, em coincidências: também eu li a Servidão Humana com 14 ou 15 anos, e também foi um livro decisivo na minha formação como gente. Agora espero que não me dê uma surra por este “plágio”!

    Meggy, a tradução do título aí no Brasil para “A Malvada” fez com que se perdesse a fina ironia do título original, que pretende classificar o género feminino no seu todo, de A a Z, na figura de Eve. Uma pena.

    Desculpa a invasão, querida.
    Já chegou aí o correio?
    Beijos muitos, miúda.

  20. Aniuska e Réprobo, queridos:
    Não desejo eu outra coisa! Que isso seja nossa varanda virtual, nossa sala de estar, para todos os amigos e leitores queridos.
    Olhem só, estejam à vontade, há café (sem açúcar) licor e a bebida que mais gostarem. Uns petits-fours creio que ali ao lado. Restez à l’aise!
    Eu volto logo.
    Ó miúda, eu não tinha pensado nessa sua brilhante interpretação sobre o All aboute Eve. Minha visão era mais limitada ao mundo efervescentemente *maldoso* que é o millieu teatral.

    Mas, como vê, nossas conversas sempre nos levam mais adentro e aprofundam o post, dando-lhe um valor – como disse uma artista global (da TV Globo) que é um *plus a mais* hahahah.

    Paulo , querido, fico suspensa exatamente em sua expressão: “Sob o ponto de vista puramente representativo..” é o que penso quando falo nos filmes onde Bette briha e reina.

    Sob esse aspecto, ela me parece ter salvo tudo o que fez.

    Mas volto depois… Be my guests !
    Beijinhos
    M.

    P.S. Annerl, Mr. Postman ainda não “ringou o bell” nem once nem twice…, os Correios estão em greve no Brasil!

  21. Moa says:

    Meg, Meg, Meg!!!

    Que BELÍSSIMA homenagem aos 100 anos de Bette Davis. Certamente este século não se repetirá jamais, pois jamais teremos outra como ela! ADOREI seu post!

    E que história é essa de que você só tem meia dúzia de leitores pingados? Olha quantos comentários!! Você é super popular, hein? E merecidamente.

    Agora, quanto ao filme predileto, isso é sempre um DRAMA pra mim. Eu ADORO All About Eve. Mas de uns tempos pra cá tenho achado The Little Foxes (Pérfida) o meu predileto. Um dia desses farei uma análise detalhada do filme e colocarei no Cinefilia. E desse filme tem uma frase ótima que a Bette diz pra filha, mais pro final: “Alexandra, you have spirit after all.” Isso depois da filha dar uma resposta “atravessada” pra mãe. Ironia pura, destilada com perfeição pela MAGNÍFICA Bette.

    Beijo GRANDE para a Number One, a quem eu, humildemente passo o cetro.

  22. Hum… eu amei o Morte sobre o Nilo… Mas, não vi nem 1/5 da lista…

  23. Nelsinho says:

    Vi alguns filmes com a Bette, é claro, mas faltaria à verdade se dissesse que eu era fã…

    Lendo a longa lista, chamou-me a atenção o “Of Human bondage”, que só conhecia na versão com a Kim Novak!

    Um dia, um amigo do meu pai deixou uma caixa com livros lá em casa. Eu tinha uns 17 anos e fazia enorme esforço para ler e entender obras em inglês e francês.
    Entre os livros doados, estavam: “Of Human Bondage”, “The Magician”, “The Moon and Sixpence”, alem de uma coletânea de contos denominada “Ah! King”, tudo do superclássico William Somerset Maugham.
    Devo dizer que foram vários os anos que levei “estudando” as obras, rodeado de dicionários e com um caderninho de apontamentos para fazer perguntas a quem sabia…Ou achava que sabia!

    Desculpe, querida Meg, o longo comment só para me vangloriar de haver lido Maugham, quando a homenageada é a Bette…

    Aquele desafio, sabe?…Eu acho que vou topar, na hora certa, claro.

    Um beijo

  24. Post nota dez!
    Vi muitos filmes dela, mas tenho um preferido: Pérfida, do diretor William Wyler. Tem uma cena impagável em que a diva fica do alto de uma escada observando seu marido em agonia, com um certo ar blasé. Para mim, o filme todo é uma obra-prima.
    Beijoca.

  25. Vim trazer abraço, beijos e carinho, prá você e prá Magaly.

  26. Oi Megleen. Vim só te fazer uma visitinha e mandar um beijo.

  27. gugala says:

    100 anos já?!!!!!
    Deve ser por isso que não a tenho visto por aí.

    Bobo!!!!!! Hahahahaha!;-)

    …e o oscar vai para: ……………………………………………………………………What Ever Happened to Baby Jane?

    I can’t more agre with you!

    Especial!

    Oh yeah!

  28. Publiquei um post e falo em você, querida. Beijos mil.

  29. Nelsinho: Servidão Humana foi um daqueles Bildungbuch, um livro de formação.
    Ah, se avexe não, com a Bette é assim, quanso se ama é loucamente, se sentir alguma dúvida é porque não um bettemaníaco; como o Moa e eu.
    Beijos

    =-=-=-
    Elis, eu preciso falar com voc~e meu amor.
    Não pude ligar para vc, mas precisamos nos falar.
    Estou solidária com você, fora que te adoro mesmo.
    Beijos, minha amorinha.

    =-=-=-=

    Aninha, vc é meu anjo mesmo, de sempre. Obrigada, querida

    =-=-=-
    Marie. Beijo.

    Gugal: hahahahahah!
    Hahahaha!
    Hahahahah

    Olha só, eu não posso rir que me dá acesso de tosse e não é nada bom:-)
    beijos.
    ;-)
    Meguita

  30. Pingback: Stardust… Bette Davis. « Sub Rosa (flabbergasted) v.2

%d blogueiros gostam disto: