Astonishing Bette(r)!

bette lindissima, você sabe qual é este filme em que ela aprece assim?

Não sei como as mulheres de “antigamente” conseguiam ser e parecer tão lindas sem os recursos de hoje. Mas, acima de tudo, não entendo porque algumas mulheres de “antigamente” conseguiam pensar e enunciar seus pensamentos de uma forma, com tanta accuracy que não se vê nem nas mulheres de hoje:
Tenho duas histórias de Bette Davis (estou assistindo entre um trabalho e uma leitura e mais trablaho, o box de filmes dela; este, aqui.clique , são quatro filmes) que me deixam absolutamente flabbergasted:
1– Beth teve uma vida longa, muito conturbada, cheia de processos, de muitas doenças, e talz, e de muitos, muitos amores e affairs – um deles com Howard Hughes , no mesmo tempo em que este saía com a bela Katherine Hepburn e pasmem! a não tão bela Bette achava “divertidíssimo” tirá-lo de Kathy, o que afinal conseguiu, iuhuu! Beleza não é tudo mas é pelo menos, 89%, anyways.).

Agora, paixão, tipo paixão mesmo, ela apaixonou-se mesmo e muito pelo diretor William Wyler um dos maiores entre os maiores, e que a dirigiu em filmes como “Jezebel“, que lhe valeu um dos Oscar® que ganhou.
Pois bem, de temperamentos fortíssimos, ele e ela, tinham brigas homéricas (depois vocês verão por que) mas ela se apaixonou pelo jeito (ou a despeito do jeito) irascível de Wyler escondido sob uma frieza prussiana. (aaai!, moi aussi, Bette, I see your point:-)
Ben , pour tout dire, após uma briga maior que as outras, eles romperam. Bette caiu em profunda depressão quando soube que Wyler estava saindo com uma atriz (eu não sei, mas acho que era uma sirigaita, só podia ser, humpft!) chamada Margareth Tallicher (who?! ninguém guardou o nome, é? Pois é!). Alguns dias depois, Bette chegando de uma filmagem, encontrou uma carta de Wyler entregue por mensageiro especial. O que fez a exasperada Bette? Deprimida, chateada e sem ânimo para nada, ignorou-a por completo. Deixou pra ler depois. Para que se aborrecer mais, não é? (moi aussi etc etceterrá)
Uma semana mais tarde resolveu, finalmente, ler a carta. Leu, quase desmaiou, largou-a e começou a chorar “rios, riverun :o(“. A carta dizia que se ela não concordasse em casar imediatamente com ele,Wyler, ele, Wyler se casaria com a tal Tallichet na quarta-feira seguinte. Quando Bette decidiu ler a carta era exatamente quarta-feira. E à noite, o locutor de rádio anunciou o casamento de Billy com … ora, Tallichet, pela manhã. Uau! Ay que nerbios! (a.d.o.r.o quando tem esses lances)
Mais um ingrediente para a história que é verdadeira: o próximo filme de Bette foi dirigido pelo mesmo William (Billy) Wyler, de mesmo nome e mesmíssima pessoa. E o título foi qual? (juro! que eu é que não ia mentir para vocês, num assunto tão sério) exatamente… yep! “The Letter“. E nem preciso dizer que o filme foi indicado a seis OSCAR®, dando o segundo Oscar para Bette. (*)Mas, diga lá, foi uma ironia, certo?

(Jamais esqueci esse episódio. Yo, eu só vim saber disso lendo umas biografias, hein? Eu não estava lá! que fique claro e bem entendido hohoho)

Agora vejam só uma declaração que Bette fez em uma entrevista concedida à revista Photoplay, algum tempo depois:

“Os homens se preocupam incessantemente e ficam ressentidos por causa da liberdade recentemente adquirida pelas mulheres em suas carreiras profissionais. O que não sabem é que a Grande Ansiedade é desnecessária. As mulheres nunca foram, não são e nunca serão independentes dos homens que amam . Todas as mulheres sabem disso. Só os homens se mantêm cegos à realidade. Mas não os culpo, afinal essa atitude que não significa submissão é uma decisão da mulher. Não fiquem pois amuados, dominem se quiserem , as mulheres adorarão.”

Isso foi em dito em 1943. Conheceram, papudos? Depois não digam que não avisei e talz.
Como diria aquele rapaz de azul: “… tantas emoções”!

♥♥ ♥♥ ♥♥

(*) O filme em que Bette aparece assim, divina, é The Star, (Lágrimas Amargas) 1952 – cujo tagline é: “The story of a woman…who thought she was a star so high in the sky no man could touch her! ” pisc*
=-=-=-
Agora é o seguinte, estou sem acesso a computador, este post é uma reedição, (claro que com alguns toques mais meglynicos) mas se quiserem, podem deixar uma frase, uma quote ou line, de qualquer filme da minha, da sua, da nossa idolatrada, salve, salve, Bette Davis:
Eu começo logo, pela mais óbvia, para deixer todo o brilho e glamour para os meus amados e amáveis leitores, de cujo carinho jamais duvido , nem jamais duvidei;-)
Olha só:
Fasten your seatbelts, it’s gonna be a bumpy night!” (adoro essa e vivo dizendo:-))).
Podem colar se quiserem , lá no Cinefilia tem um post só sobre quotes da Bette (procurem nos arquivos) , pois estamos sempre (ainda que tacitamente) vendo quem é mais fã da maravilhosa, se eu ou o Moa, ele garante que é ele e eu garanto que sou eu:-)) Brincadeirinha, Moa, claro que sabemos que sou *EU* hahaha, vc é o maior fã da Tippi Hedren e/ou da Meryl Streep:-))
Ah e só mais uminha, umazinha, pequenininha: “Don’t let’s ask for the moon. We have the stars”. Do filme… it’s up tou you, beibes!?

=-=-=

(*) O Oscar® de 1935 foi ganho por Bette por Dangerous. Ay, Moa Grrrrrrr ;-)))!

Sobre sub rosa
The most of all things and persons in the entire world drives me *flabbergasted". That includes me.

20 Responses to Astonishing Bette(r)!

  1. Meg,
    Deliciosa história que desconhecia totalmente, adorei! Tenho uma relação estranha com a Bette. Acho-a uma atriz maravilhosa. Apenas não consegui decidir se a considero bonita.
    Beijão

    =-=-=-=-
    Lord, não tem erro nem dúvida. Nada desse negócio de beleza ser algo subjetivo ou a beleza está nos olhos de quem vê, ou nos olhos de quem ama…Nope!
    A Bette Davis – e seus terríveis olhões, Bette Davis Eyes- ;-) estava muito, mas muito longe de ser bonita. Aliás é por isso que começo o post com aquela observação.
    Mas o que acontecia?: era uma grande atriz, todos a queriam, sempre escolheu muito bem os seus diretores, e foi muitíssimo bem fotografada. Nessa foto, há o magnífico exemplo do que é um axioma de ouro para qualquer fotógrafo: “Luz é tudo”.
    No filme Now, Voyager (uma frase do livro de Tennison -sp?) ela tem um inteessante*part*: Na primeira metade do filme, ela é doente e que deve aparecer horrorosa e depois virar bonita… é muito engraçado (IMSSHO) pois para mim ela ficou muito,muito feia e menos feia. Mas who cares? pra nós, essa estranha legião de adoradores de Bette, ela sempre será a lindísssima, profundísssima e guardará o encanto e o mistério, a magia da *MULHER* tout court.
    Um beijo.

  2. Yvonne says:

    Meg, como cinéfila e profunda admiradora dos clássicos, eu sou uma fã apaixonada da grande Bette Davis. Acredito que tenha visto todos os filmes dela. O meu predileto é “O que teria acontecido a Baby Jane”. Querida, se você me permite, gostaria de sugerir a você que faça um update e conte aquela famosa história que ela colocou um anúncio no jornal se oferecendo para trabalhar como atriz. Beijocas lindona.

    ==-=-=-=-
    Yvonne, querida, farei isso, assim que estivr em casa.
    Seu desejo é uma ordem.
    Aliás, imagine, uma atriz dessa imensidão, pedir emprego. Só mesmo ridicularizando a América e o mundo, tal como foi seu inteito, é que admitiria.
    Um beijo, minha amadinha.
    Meg
    P.S:
    Yvonne, li no seu blog, que vc já fez um post, excelente, e incluiu este episódio querida.
    Um beijo.
    Meg

  3. rose prado says:

    Quando criança eu via Sessão da tarde. E brincava de Betty Davis, com os camisolões e roupas antigas da mamãe.
    Ontem almoçava no restaurante Topázio e pensava que não se fazem mais homens como Senhor Epifânio.
    Assim: eu almoçava e havia na minha frente esse senhor que pareceria perfeito num filme com a Betty Davis. Era velho mas tinha charme, sensualidade e seriedade. (E eu adoraria que ele se chamasse Epifânio). Não, Meg, não tenho visto mais homens e homens mais velhos e mulheres mais velhas e mulheres nem taõ velhas, com a segurança dos adultos e velhos da minha infância e juventude.
    Quando vejo meus companheiros ( rs) de idade percebo que são jovens envelhecidos e não senhores bem plantados. E as mulheres me parecem envergonhadas de si, de sua fase de madronagem. Fico chateada…( ainda que eu esteja generalizando…).
    Então, Meg, eu me pergunto: Barbarella ( Jane Fonda) está para Baby Jane assim como? De que adiantaram as saias floridas, batas e todas conquistas libertárias, se eu não me transformarei numa mulher de peso e porte?
    Lembre-se de q Bety vem antes de Camille Paglia e de Janis Joplin. E olha a frase que você colocou aí.
    ,,,,,,,,,,,,,,,
    Desculpe a salada de frutas salpicada com cebola. Estou confusa.
    E o Senhor Epifánio,volto a ele, aquela visão lá no restaurante por quilo: tem de ver a segurança! com que pisava os tacos e lidava com os feijões.
    * Tem certeza de que quer que eu ligue para sua casa?
    Vou ligar amanhã, ou sábado, ou domingo…
    “““““

    Rose, sua resposta me deu muito o que pensar.. em mim:-)
    Cê tá certissima!
    Cuméquié? salada de fruta.. ei! não era doce de abóbora, não????!!!!
    Ah, minha nossa.
    Beijo e sim, sim, vamos nos falar.
    E sobre esse asunto aí.
    De fato,pensei na Camille Paglia e preciso ler mais a moça!
    M

  4. rose prado says:

    Meg

    Em tempo: corte por favor o ‘ainda que eu esteja generalizando ‘ do post acima. Corte esse fragmento quando ler…Porque ficou ruim, faltou progressão temática…

    Gratíssima

    =-=-=-
    Corto nada!
    olhe só, tenho uma grande , mas grande amigo que me falou coisa parecida.
    Eu tenho resistências…
    E acho que tenho que fazer isso logo.
    M.

  5. the letter is the bette(r)

    e quem é mesmo que cantava essa música sobre ozóião da moça?

    ops, a Kin Karnes, mas aí são outros trocadilhos.

    ósculos e amplexos!

    The bocz’on the table
    =-=-=-=
    ;-)))))

    É ela mesmo. Autointitulada de Divina;-)
    Carnalmente divina!
    bom, eu nunca me saio bem respondeno procê, afilhado, não sou afiada.
    beijos e shame on me
    M.

  6. Meg,
    Volto por não resistir. O nosso amigo Claudio superou-se: The Lether Is The Bette(r). Maravilhoso!
    Beijo procê, abraço pra ele.

    =-=-==-=-=-
    Eu também não resisto, Lord:-))
    Ele é o máximo, mesmo!
    Ele é o inventor do : “Ávida como ela é”!
    E muitos, muitos outros.

    Quando eu digo:-)))
    beijoss ,
    Meguita

  7. Meg, estou ficando fanzoca da Bette, influenciada pelo Moa. Ela foi um furacao. Os filmes dela sao fantastico, porque ela nao tinha medo de parecer feia. Essa eh a vantagem de quem nasceu sem muitos predicados esteticos, nao se importa de perder o que nao tem –if you got nothing, you got nothing to lose! ;-) Mas ela tinha um charme incrivel. Voce ja viu Of Human Bondage? Ela esta linda e vai ficando feia, conforme a personagem vai se desenvolvendo. Imperdivel. beijo! :-*

    =-=-=-=
    Minha linda:
    Vc foi no ponto!
    E clalro que vi! (fã tem que ver tudo, né?)
    E vai ficando mais feia e mais malvada.
    Sabe, esse Somerset Maughan (sp?) é o cara que mais tem contos adaptados para cinema
    É ele e o Stephen King;-)
    Mas voltando a Bette: ela era completíssima: terrível no Of Humand bondage
    (Lesley Howard, ô e a cara! ele pede para ser maltratado, vamos combinar) ,
    magnífica e formidável em Jezebel e Pérfida.

    Olha só, guardadas as proporções,é como a Regina Casé, que tem muita,
    mas muita graça porque não tem medo de parcer muito feia muito mais feia. E tem talento também.
    Aliás, ela tinha um corpo lindo. Na época do Asdrubal.
    Beijus

    P.S. Bette é tão tão, que fez um filme em P&B parecer que era a cores, o vestido que usa em Jezebel…(acho, ou é um ou é o outro)

  8. nelson says:

    Meguita, paixão, Bette que faz sentido,
    mulher sem coxão, bundão ou corpão pra bbb sair bombando em plays, em mags, em nets,
    e diz tanta coisa relevante, que apaixona a primeira vista. Foi assim quando vi Marieta Severo, depois da peça, pós camarim, aquela energia sexual bem-vinda e o encanto…

    =-=-=-=-=
    Nelson, paixão redobrada.
    Agora você falou tudo.
    Não sou fã de mulher-corpão, coxão e bottomzão.
    Eu nunca lembraria Marieta Severo: juro, não lembraria., mas…
    Mas sei, meu amor, que você teve gloriosos dias nos áureos tempos do Teatro Ipanema. (o nome ainda era esse),
    mas nem tão distante asim:-))

    Pois é, meu amor, sabe eu tenho uma foto e vou colocar qualquer dia: a Marieta , linda, linda, linda.
    Dedicarei a você.
    Beleza que nunca vai embora, nem o escracho que ela sabe fazer também , como ninguém, consegue.

    E ah! me mande de novo aquela foto *histórica*, lembra?, manda?
    Amor,
    Meguita

  9. Alena Cairo says:

    Consegui comentar!!!! O bloqueio acabou!!! (risos)

    Que coisa mais linda esta história trágica de amor… não, também não se fazem mais histórias assim? Eu tenho umas, quando ficar mais idosa eu conto sem papas na língua! Ah, roubei a frase dela e mandei ao gatim daqui.

    =-=-=-=-=-=-
    Salve *ELA*. a prof mais linda do pedaço e, justo no dia da Bette.
    Iuhuu”
    Agora já sabe a casa ´[e sua.

    Bloqueio? pravocê?
    Mas nunca de núncaras;-))
    ====
    Querida, eu conto essas história para todos, mas mais pro nosso querido e idolatrado, salve, salve! Lord:-)
    que não deixa passar nenhuma.
    Adoro contar história, já que todos acham que sou infame nas *jokes*:-)

    Aqui pra nós, muito trágico, né? Ela demorou pra se *recomperar*.:-)), como dizia uma moça que conheci:-)
    E a frase é óptma, como diria a gora o Ivan Lessa.

    E diga ao Gatim que , plz ele tome tento; a Bette garou um bonitão que fazia gosto;-)

    Puztgrilo! Professorinha (carinhosamene falando é claro)
    Alegria imensa de ver voc~e por aqui.
    Viajou?
    Beijocas
    Meguita

  10. É sempre uma aula quando chegamos aqui.
    Aquilo que não sabemos, aprendemos aqui. Meguita nos dá uma aula brincando feliz.
    Beijos querida.

    =-=-=-=-=
    Ah Aninha, ah Aninha.
    Vc ´tão boa comigo.
    Obrigada por esse carinho.
    Vc nem imagina.
    Beijos, querida
    Meguita

  11. James says:

    Muito interessante.

    Quanto mais conheço sobre a biografia dela, mais encontro afirmações de sua arianidade (signo).

    Um abraço.

    =-=-=-
    James, querido
    Fui salvar e resgatar seu comentário do SPAM.
    Audácia do Askimet

  12. P.Q.P. Bach says:

    Olhe lá no fim, bem quase no finzinho.

    E depois ouça. Impossível não pensar em ti depois de ouvir esta pequena obra-prima que resultou até em teses de mestrado em diversas universidades.

    Então, procure bem no finzinho…

    Aqui, ó: http://pqpbach.blogspot.com/2007/09/johann-sebastian-mastropiero-obras-de.html

    Besos del hijo de J.S.

    =-=-=-=-=-=
    Herr Bach. Guten Tag! Wie geht es Ihnen?
    Ich bin glücklich,
    Schön Geschenk . Vielen Dank
    In Freundschaft
    ;-)
    Küssen
    Meg

  13. Diria que o grande P.Q.P. Bach revela enorme sensibilidade ao dedicar El Rey a ti, Meg.

    Diria até que a postagem de tais músicas teria sido influenciada pela leitura dos poemas de Pedro Matta. Sim, sei que o Les Luthiers é cômico, mas o que sabemos dos caminhos que a mente de tal personagem percorre?

    Beijos, Meg. Fico feliz em saber que P.Q.P. é teu amigo.

    =-=-=-
    *Nosso* amigo:-)
    Beijos
    M.

  14. Moa says:

    MEG! Tá tudo PERFEITO!!! ADOREI esse post, reedição ou não. Tudo super accurate, como você mesma diz. Hehehe. Só tenho que fazer duas pequenas correções: Bette não ganhou o Oscar por “The Letter”. O primeiro foi por “Dangerous” e o segundo foi por “Jezebel”. Depois foram indicações, inúmeras, mas nenhum outro Oscar, de fato. A segunda correção é: I AM THE NUMBER ONE FAN! Hehehehehe.

    Beijão pra vc, viu? Quando for a Belém te avisarei!

    “I’d luv to kiss ya, but I’ve just washed my hair.”

    =-=-=-=-=-=-=-=
    Moa querido:
    Você tem toda a razão.
    Vou corrigir.
    Eu estava nervosa ‘cause: *I AM* THE NUMBER ONE FAN”;-)))
    E obrigada, por ter lido, ou seja, essa é a line perfeita;-))))
    Depois dessa: “Bill’s thirty-two. He looks thirty-two. He looked it five years ago, he’ll look it twenty years from now. I hate men.”

    =-=-=
    Venha, até mesmo sem avisar:-))
    Beijo

  15. Este blog é um monólogo? Não, né? Você é alguém que dialoga, e bem.

    Então tá! Leia meu post de hoje.

    =-=-=-=
    Puxa, Milton, bondade sua.
    Eu estou meio down! , aliás muito down:o(
    Tenho falado tão pouco e dialogado ainda menos:-o(((

    Mas, obrigada meu amigo querido.
    Beijos
    Meg.

  16. Eduardo.P.L says:

    Parabéns pelo PREMIO que o Milton destinou para seu blog, muito justamente, pois niguém é mais chegada a um diálogo que você querida Meg.

    Bjs e BOM FERIADO.

    =-=-=
    Vc acha mesmo, Eduardo?
    Meus leitores praticamente foram embora, pois não tenho estado em condições de visitá-los e eles deixam de vir aqui…
    Exceção, claro, do Lord…
    Uma pena.
    Bondade do Milton.
    Beijos

  17. “Porque Hoje é Sábado”, 8 de Setembro de 2007, muito próximo dos 200 anos da Independência do Brasil; isto é, um Estado que deveria representar a Liberdade e a Autonomia dos Cidadãos; porém, ontem, 7 de Setembro, o meu Sagrado Brasil continuava a ser um Estado de escravos BALBUCIADORES — em inglês! Então, eis a minha Independência de Poeta brasileiro que tem, antes de morrer!, o DIREITO de gritar, cantar e CELEBRAR — em português! — as Primaveras do Sul !

    SETEMBRAR
    by Ramiro Conceição

    Setembro sonhos do passado Agosto
    ou Outubros sonhos.
    Setembro sem nenhuma data póstuma,
    sem qualquer parada pública.

    Setembro finados — tomando um porre.
    Pois não há data oficial para quem morre.
    E estou farto dos Natais
    com os seus chacais de Dezembro.

    Eu setembro!
    No presente indicativo.
    Não no melancólico vocativo,
    “ah… setembro”
    Sim…
    Eu setembro!
    Pois celebro as flores do Sul
    em vindouros Janeiros florescentes!

    À PEDAGOGIA DA INCERTEZA
    by Ramiro Conceição

    As castanheiras são árvores sábias
    pois, com pudor, trocam vestidos!;
    às vezes, é um verde colossal
    que, lentamente, vira vermelho
    que, maravilhosamente, gira em marrom
    que, sabiamente, em verde vira novamente!

    As castanheiras nunca ficam nuas ao Sol!

    As castanheiras são claras
    pois sabem da escuridão
    no aconchego dos galhos:
    são Putas pobres!
    Que oferecem agasalhos
    aos pobres-passarinhos!

    As castanheiras são Pedagogas
    do processo incerto da Vida!
    Porque, por serem sábias,
    não são VERDADES ABSOLUTAS!

    As castanheiras sabem que tudo é busca!
    Um Vir-a-Ser repleto de dor, prazer e medo:
    um Conhecer ao processo incerto do Amor!

    Então,
    viva “A PEDAGOGIA DA INCERTEZA”
    no Planeta Azul!

    PS- 1) “A PEDAGOGIA DA INCERTEZA”, Hilton Japiassu, Imago Editora,1983; 2) Leonardo Boff — à presidência da Republica!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  18. Eduardo.P.L says:

    Meg, não é verdade que as pessoas SÓ visitam as outras contra, a contra-partida, com perdão do pleonasmo. Claro que se houver reciprocidade é mais facil, mas eu pessoalmente visito, independente de quem me visita, mas tudo numa boa, sem cobranças, ou pressão. E as vezes é melhor qualidade do que quantidade. O Lord vale por 10.

    1000 beijos, querida!

  19. Magaly says:

    Deliciosa Betty!
    Assisti a vários filmes dela, deixe-me ver, pelo menos , os mas fascinantes, como Jezebel, (primeiiro Oscar ), a Malvada, Tudo Isso e o Céu Também, Pérfida, A Madastra e muitos outros que não me vêm à memória agora.

    A par de excelente atriz, foi uma mulher à frente de seu tempo pela maneira de pensar e enfrentar as dificuldades exstenciais

    “Um fato marcante de sua vida foi o abandono da sua família pelo pai, o que acabou por fortalecer a relação de Bette com a mãe que sustentava as duas filhas, trabalhando como fotógrafa em Boston”.
    Segundo Bette Davis: “Não existia a palavra impossível para minha mãe”.

    Foi atriz de teatro e atuou também na Broadway

    Extraordinária Betty!

  20. Pingback: “Fasten your seatbelts…!” (UPDATED) « Sub Rosa (flabbergasted) v.2

%d blogueiros gostam disto: