Desculpem, mas é muito bom ser Meg, assim (UPDATED)

“Tornei-me crítico e minha atividade começa quase sempre nestas lojas. Percorro os lançamentos e escolho um, analiso primeiro os detalhes. Se o autor aparece muito formal na pose, recuso seu produto. Se há enxurradas de elogios, idem. Se a diagramação for excessiva, também aborto a compra. Quando um livro de prosa passa por esta inspeção, leio o primeiro parágrafo. Caso me convença, leio o último. E, por fim, procuro ao acaso alguns diálogos no meio do volume. Se não soarem falsos, eu o adquiro. Com poesia é mais fácil, o mau poema salta quando folheio o livro.” Miguel Sanches Neto. In: Herdando uma biblioteca”. Sanches Neto, Miguel.Rio, Record, 2004, p. 21-26

shakeco.jpg
© 1998 Tim Spragens

Tenho estado esses dias estudando muito, pesquisando muito, lendo mais ainda e num ritmo alucinante. Descobrindo coisas, colocando coisas em ordem, catalogando esquecimentos, colidindo com insensiblidades extra-mares, não só extra-muros.
Mas há pessoas tão maravilhosas que fazem a gente ter prazer de/em ser quem é.
Eu não reconheço em mim qualidades especiais, mas sinto que algum valor eu hei de ter para merecer uma homenagem, que me deixa embaraçada, mas por outro lado, orgulhosíssima.
E eu – que sei (ah! como eu sei!) o que é ser devastada e ser acarinhada, as
duas coisas que quase se tocam em sua significação e em suas conseqüências para a minha quase patológica timidez, estou feliz. Quase coloco aqui um poema.
Mas, perdoem-me os que não forem amigos, e alegrem-se os Amigos: agora, como em pouquísimas vezes, o momento é meu:-)
Há blogueira especial no pedaço. E, com muita honra, anuncio ao mundo inteiro que fui homenageada por ela. A alegria foi essa mesma, a de tê-la presente, a alegria do presente, alegria do tamanho do mundo e adjacências. E por tanto e tal, dividí-la
Sensibilíssima e seguindo aquele aforismo de que ‘mais vale um bom leitor atento que um escritor apenas médio’, esta moça, que transcreve, escreve e escreve, e tão corretamente, e prestidigita, encanta, apanha coisas, mostra, está sempre e lá na sua poção de encantadora: não passem um dia sequer sem ir e ler Clélia Riquino – é a leitora mais maravilhosa que conheci nesses últimos tempos, de vida, vida nova, revitalização total.
Altamente recomendada para escritores: profissão de fé. Casualmente, psiuuu! façam com que seja casualmente, olhem e namorem com o que ela me presenteou:
ACHADOS E GUARDADOS
Eu, como se dizia na época do Império, peenhorada, agradeço.
Clé, um beijo. Vc é linda tipo assim um dos melhores poemas de Dante Milano ou o Rimancete de Manuel Bandeira. Só para citar:-).
Não me saia e nem me desapareça! Nunca!
Estou feliz e vocês hão de me perdoar o despudor!:-)
Lord Broken, querido, por favor, essa é uma, digo, este é um pedido, vá lá. Que seja:-))
Valter, cê também, OK?

A Shakespeare and Co. você escolhe a de Paris ou as do UK. Joyce era freguês.;-)

UPDATE: ÁS 5:10 da madrugada:=-=-=-=-=E agora, meu Deus, morre o Antonioni, o cineasta absolutamente obssessivo com a incomunicação, com a falta ou o desastres da comunicação…:-o(((( Alegria sempre tem que vir com uma pouca de tristeza? Milton, socorro, deixo ess pra você. Eu sofro do coração cinematograficamente falando!:-o”(((….Cáspite, esse ano de 2007 é o ano que deve terminar sem se levar nehuma recordação dele. Eu, pelo menos. “Annus terribilis”!
UPDATE às 14:47h: Minha querida amiga (como , aliás, ser amiga sem ser querida, não é?) Daniella Thompson, escritora , pesquisadora e tudo o mais, generosamente avisa:
Atenção: Michelangelo Antonioni também morreu ontem.
http://www.nytimes.com/2007/07/31/movies/31cnd-antonio.html?hp
Obrigada, Dani.
Obrigada, Nelson

Sobre sub rosa
The most of all things and persons in the entire world drives me *flabbergasted". That includes me.

15 Responses to Desculpem, mas é muito bom ser Meg, assim (UPDATED)

  1. Magaly says:

    Que achado! Imperdível, Meguita! Foi a sensação que me deu o Achados e Perdidos que você recomendou.
    E bela a homenagem a você, A homenagem para a pessoa certa.
    Vc sabe que fico imensamente contente com sua alegria, principalmente neste terreno .
    Tenha uma noite de sono reparador.
    Um beijo

  2. Meguita, minha cara

    Não era pra tanto… Quanta coisa linda ‘cê disse, sem eu mesma merecer! Imagine?!?! Meus achados & guardados são uma forma de comunicação, de quem prefere a escrita como meio. Sou quieta. Gosto do silêncio, mas amo a música que o preenche. Gosto de ouvir, ler, mas falo pouco. Adorei o poema! (nada comparável a mim…) Me emocionaram suas palavras, lhe agradeço, muitíssimo!

    Bjo,
    Clé

    DANTE MILANO
    (1899–1991)

    O HOMEM E A SUA PAISAGEM

    Toda paisagem tem um ar de sonho.
    Vejo o tempo parado, inutilmente.
    Tudo é menos real do que suponho.

    Interrompi teu sonho, natureza.
    Diante de um ser humano, de repente
    Apareces tomada de surpresa.

    No espaço que me cerca estou suspenso.
    Em redor um olhar pasmado e mudo
    E no ar a ameaça do silêncio denso.

    Em todo sonho existe um extasiado
    Olhar adormecido que vê tudo…
    Senhor, eu sou o objeto contemplado

    ===RESPOSTA===

    Clé, minha querida:
    até nos comentários você “arrasa”! Ih esqueci de dizer isso no post..Tá vendo como eu não disse tudo de bom de você?

    Agora, minha flor, quanto a merecer ou não merecer…ah! Clé, nós somos SEMPRE os nossos piores biógrafos, somos os piores avaliadores de nós mesmos, sim, nós cujo fiel da balança nem sempre é fiel. Para mais ou para menos:-)
    Portanto, deixe essa tarefa pra os outros…mas, como aprendi muito na vida e principalmente na Internet, sei que existe a tendência na VIDA (pois o virtual é também real, claro, uai!) de se neutralizar o BOM, e o BEM, e realçar o MAU e o MAL”

    Vá por mim;-)))

    Agora, DANTE MILANO é “PAPA FINA , FINÍSSIMA!!!”; um dos nossos maiores e melhores Poetas (além de excelente *tradutor*;-), um dos preferidíssimos de Carlos Drummond de Andrade. E achei a ocasião e a pessoa certas, como ensejo para divulgá-lo um pouquinho.
    Pena que por essa tendência de que lhe falei acima, e que parece perfeita para sublinhá-la, ele é maravilhoso, mas é quase desconhecido. Diria até ESQUECIDO! Mas isso sim é que um execelentíssimo POETA!!!!
    A excelência de seus versos coube diretinho na homenagem que quis lhe fazer:
    E fiz. Aquém do que eu desejava, mas fiz:-0)

    Adoro você, sim, já!
    E pensar que tudo começou eu visitando nossa queridíssima Lulu não é?
    Beijos querida
    Meguitar

  3. Ah! Meguita, você merece todas as homenagens, é doce, meiga e amiga.
    Alguém pode querer mais que isso, que dizer: sou amiga de Meg?
    Eu além de amiga, sou irmã, e isso me deixa feliz.
    Você é muito amada Meg, convença-se disso, e se por acaso alguém não sente isso, é porque é alguém que não merece atenção e crédito, deve ser alguém doente de alma.
    Beijos.
    Vou lá ver a homenagem.

    =-=-=-=
    Ihhh, Maga, deixo aqui um beijo para a LOU. Porque me lembrei de uma verdadeira amiga meiga e carinhosa, que sempre traz seu carinha d’além-mar

    Ah! querida, sim, sou MESMO doce e meiga, mas tenho uma doença que me transforma .Infelizmente:-((( – E falando
    Falam do meu humor, mas quem quer ser reconhecido por ter um “humor irascível”,
    Fazer o que?
    Assim, deixo para você, que conhece os vário aspectos do meu temperamento, falar melhor.

    Só sei que nossa AMIZADE já foi testada , prova e aprovada diversas vezes.
    E tendo uma Amiga megavilhosa como vc , “eu não preciso de mais nada, é claro!” como disse o Johnny Alf.
    Beijos da sua
    Meggy.

    P.S Adorei o trocadilho que vc fez no comentário sobre o blog da Clélia:-)))
    Congrats.
    XOXO

    P.P.S: o blog da minha sobrinha Laurinha, MINHA, viu?
    E blog da garota tomada é: http://gtbrogui.weblogger.terra.com.br/
    Iuhu!!!!!
    :p
    M.

  4. ANINHA querida
    Eu me sinto ganhando OUTRO PRESENTE, que é este seu comentário.
    Sabe, dizia um filósofo famoso (daqueles tempos antigos, mas que diziam verdades que valem pra todo o sempre) que é ‘mais fácil a gente se comover com a infelicidade dos outros, do que ficar feleiz com a ventura , ‘a alegria de outrem.

    Aninha, você é que a minha amadinha mais querida (ihhh, não posso colocar assim, por causa da Magaly, que é a mais ciumenta do Universo hahah) então vc é a SEGUNDA mais amadinha e querida minha.
    Vivôôôô!!!!!!!!!!!!
    Eitcha, que vida boa!
    Um grande beijo, querida.
    E se encontrar um certo cavalheiro chamado Valter, o Ferraz, diga-lhe que estou viva:-))))
    Beijão tb por de BEM!
    Meguita

    P.S Mas Aninha torça por mim, OK?: ainda não terminei os trabalhos nesses dias!!!
    Mas trabalhar feliz, é outro departamento da Vida;-)))

  5. Impossível, Meg. A coisa está muito corrida hoje. Se estivesse em ritmo e Antonioni, escreveria…

  6. Errata: “de Antonioni”…

    =-=-=
    Uma pena
    Não tenho tempo também para escrever sobre Antonioni, mas estive lendo jornais europeus
    e o NYT, que não podia deixar de ler.

    A grande questão é lembrar a diferença entre ele e Bergman por exemplo que morreu no mesmo dia.

    o Antonioni é muito mais um Mestre (lembra daquele Paideuma, do Ezra Pound, pois é)
    Os cortes, as vaias em Cannes, angulações,as tomadas, as seqüências e mais…ora Monica Vitti.

    Muito diferente.
    A importância do Anonioni é imensa e muitos cineastas nem sabem o que devem por exemplo a Zabriskie Point

    E só conhecem Blow up, que é bom, mas aí já é uma diluição.
    E vc sabe, não sabe? claro que sabe que Blow up é adapatação de um conto do Julio Cortázar.
    Besos de montón
    M.

    Corrigido, uft! que coisa escrever à noite e com sono;-))

  7. jayme says:

    Meg, Antonioni e Bergman na mesma semana deve querer dizer algo: o céu está mais ligado. Beijo!

  8. Meg,
    não entendí esse negócio de saudades. Não saio daqui, parece até que “bato o ponto”.
    Mas, tá bom. Prometo que passarei duas vezes ao dia, tá?
    Afinal, não se nega nada auma lady.
    Bezitos

    =-=-=-=-
    Era taão brincadeira quanto perguntar se ela conhecia um cara chamado Valter Ferraz.
    (Piada não se explica, né Valter?: as minhas já são mundialmente conhecidas como muito ruins;-))
    Mas sei que vc vem todos os dias aqui e agradeço muito.
    Beijão
    M.

  9. Meg.

    depois que te falei sobre Gritos e Sussurros, a coisa não saiu mais da minha cabeça, tanto que escrevi um pequeno post a respeito.

    Pretendo escrever também sobre Antonioni, sobre um de seus filmes dentre os que mais gosto: A Noite, Blow-up, Zabriskie e Passageiro, profissão repórter.

    Mas vamos ver a questão do tempo…

    Beijo.

  10. Milton,
    vou já para lá.
    Mas seria muito interessante (no caso, um interesse egopista, mas quem sabe poderia interesar mais alguém) flara sobre um filme que é relamente um cult.
    ZABRISKIE POINT.

    Não conheço nenhum blog ou revista eletrônica que tenha tratado desse filme. Pelo menos não vi/li)
    É estranho.
    De resto, está certíssimo: Foi com a La Notte, que o Antonioni se fez o cineasta que jamais deixaria de ser: um Mestre e uma mudança de paradigma: foi a vaia mais consagradora de Cannes, houve o manifesto e o resto (é) foi a consagração e a história. Do cinema.
    Blow Up , em que pese ser excelente filme e ser baseado em conto do Cortázar – o que é maravilhoso e confirma o Antonioni mais uma vez como grande leitor que ele sempre afirmou que era – acho muito badalado e acho que vc só devia escrever se não fosse tirar o lugar da trilogia ou do Passenger com meu amado Jack Nicholson. Esse sim, merecendo uma revisão.

    Beijos

  11. Esse Zabriskie Point tem na trilha sonora o véio e bom Pink Floyd e o Greateful Dead, nénão?

    Se não se me engano-me, devo ter o CD – vou procurar no monturo.

    Ainda bem que o Loredo continua firme na paçoca!

    =-=-=
    Claudio, eu juro, juro por tudo
    que escrevi uma imensa resposta sobre a trilha sonora e o bom gosto do Antonioni.
    Que pena, perdeu-se.
    Beijos tristinhos
    M.

  12. Claudio, querido:
    Grande e oportuna lembrança!!!
    “I-zá-qui-ta-men-te”, como dizia um amigo meu, – e olha que eu (naquela trabalheira toda que cê sabe) vi a ficha completa do Zabriskie P. – tudo muuuito, mas muito novo, estranho, assim, de estranhamento e ia ressaltar aqui a modernidade, o estar sempre “à la lettre” que caracteriza muito bem o Antonioni.
    A música maravilhosa de Pink Floyd e o Grateful Dead , que este último, bem merece ser revisto, ou mehor ouvido e reouvido por quem não conhece (por ser menos conhecido, menos ouvido, aqui)

    É, filhado, Antonioni era realmente muitcho phueda, (se existir uma categoria acima do GÊNIO, essa será fatalmente a categoria em que Antonioni se enquadra) e não se pode sequer estabelecer comparação com Bergman – e ainda bem.

    Eu não me acho, de modo algum, competente para falar sobre ele. Vou esperar pela Fezoca ou pelo Moa e pelo Milton.
    O homem era monumental e a contribuição dele para o cinema como um todo (estou falando dos mais de 100 anos de história que o cinema tem) é meio que tipo assim:-) muito dificil mesmo de “abarcar” com pinceladas.

    Valeu mesmo, muito, dimaish a lembrança da trilha.

    —E calaaaro que nós, incluindo o Elvis e o Loredo estamos por aqui – às vezes não muito firmes , mas sempre fortes:-) – contando a história e esperando a “camera e o close ao nosso comando”

    *Procurar no monturo – Hahahanhah quaquaraquaquá – só vc mesmo pra me fazer rir numa hora dessas.

    ==-=-=-=
    Não sei porque mas , confesso, este comentário do Claudio me fez, como não esperava – derramar as lágrimas que estavam represadas.

    Aperto na garganta e Pocalunkis.

  13. Meg, Meguita,
    Cá estou novamente.
    Vim te dar o beijo de boa tarde. Andei ocupadão hoje. Estou no corre. Esse negócio de publicar livro não é prá cara preguiçoso igual a eu. Já estou com saudades daqueles dias de fazer nada, ler um livrinho e falar mal do autor.
    Beijo, querida
    ====
    Hahahahah!
    Aê, escritor!
    Agora que vc tá sentindo isso?;-)
    Hohoho

    Tenho até pena quando estiver preparando o segundo:-)))
    Cadê o Ery Roberto, mas esse minino não gosta de mim, messsmo, né?. Tudo bem:-))

    Mas, confessa, vc tá ou num tá louco que algum ou vários, muitos preguiçosos leiam o seu livrro, Valter, e falem mal do autor?
    hohoho pisc*
    Beijão
    Meguita

    Go ahead, bró – brother!

  14. lulu says:

    é muito muito bom ser amiga da Meg, conhecer a Cle, enfim, fazer parte disso tudo.
    um beijo muito muito grande, Luana,

  15. Meg,
    Fui ler/visitar a Clélia Riquino. Excelente indicação. Fico sempre no lucro quando obedeço você.
    Beijão

%d blogueiros gostam disto: