Cesse tudo, inclusive as promessas: Ingmar Bergman 1918-2007(R.I.P)

ingmar_sonata1.jpg
Ingrid Bergman e Liv Ulmann piangendo pianissimo na Sonata
gritos_e_sussurros_bergman_pieta250.jpg
Anna e Agnes, a Pietá de Bergman: COMPAIXÃO!(Gritos e Sussurros)
ingmarbergman_fanny.jpg
Pelos olhos de Fanny e Alexander.
ingmarbergman2.jpg
Saraband, remanescência de Cenas de um Casamento.

No UOL, clique aqui, O blog de cinema da FOLHA de S.PAULO, coitadinhos, comeram mosca:-( não atualizaram, não existe nada a respeito. Mas a Folha como um todo é freguesa (quem sabe, sabe) . Shame on them. Já o Luis Carlos MERTEN, competentíssimo, embora com imensos compromissos, não deixou de atualizar. É o maior, é assim que a gente faz!


♣♣♣♣♣♣♣♣♣♣

Ingmar, o Possesso.
Ingmar Bergman , a grande obssessão de Woody Allen. E de praticamente todos os diretores de cinema que relataram, descreveram ou representaram relações pessoais conflituosas, ansiosas, atormentadas e, por isso, também, muito fortes e sem a preocupação de redimir o que ou quem quer que fosse. E também, de todas aspessoas, como as pessoas que viveram um tempo que foi o meu: A Morte é um assunto fatal, quero dizer, inelidível, em obras de Bergman, ou a Morte, assim como o Tempo, é apenas uma ilusão metafísica, que despreza a ontologia? Vida, Amor, Morte, e as pessoas ou entendiam ou diziam que entendiam. Gostavam ou diziam que gostavam. Jamais conheci um “serumano , nem uma serumana* que não gostasse de algum “filme do Bergman'”. (“Filme do Bergman” parecia já ser um gênero diferente, isolado, um gênero outro). Dele, que jamais fez concessões em sua condição de realizador. Um dos maiores do Olimpo! Ao lado, claro, de quem? Faça você a sua lista e aposto que ele estará lá.
Ingmar que certo dia deu uma surra (sim, ele bateu feio e forte na ex-mulher) a sublime Liv Ulmann, dizendo que a cena, o take, a tomada, whatever,não saíra do jeito que ele queria. Liv reclamou, mas fez. (O episódio é deliciosos e como eu o entendo)

(Esta, um grande boo para todos, papudos me perdoem, mas parece que só eu registrei no Sub Rosa, e Pedrinho Dória , o Ped reproduziu no seu blog do maravillho NoMínimo.)

INGMAR BERGMAN , nascido a 14 de julho de 1918 em Uppsala, ao norte de Estocolmo, aos 89 anos , na ilha praticamente particular, de Faaro, no Mar Báltico. Ele vivia praticamente isolado do mundo, depois da morte de sua última esposa, a quinta de de uma espécie, a das mulheres mais interessantes do mundo, com quem ele se casou, ou teve um casamento não convencional: Ingrid von Rosen, em 1995.

Você leu a biografia dele? Então, veja todos os filmes que quiser, mas guarde tempo para ler “A Lanterna Mágica

Então, para não falar essas besteiras, eu reproduzo, com todo o meu pesar, mas como quem se despede de um parente que tivemos por muito tempo em nossa casa. E que em absolutamente *T*U*D*O* o que realizaou, deixou a marca de verdadeiro GÊNIO (ah essa palavra , tantas vezes usada em vão)
Requiem, portanto, para Ingmar Bergmar, e umas palavras de luto enviadas por um grande Amigo, um grande esteta, que ama cinema, música e Artes, e que é um dos melhores escritores que conheço:

As palavras dele, falam melhor do que eu jamais poderia.
Um beijo e fiquem com ele, o escritor: (foi ele que me avisou da passagem do possesso Bergman.

 

“Eu gostava de uns poucos, raros filmes.Acho que pelo menos 1/3 desse pouco deve ter sido feito por Bergman.Um terço do que houve ou (ainda) há de arte na chamada “Sétima Arte” passou hoje a ser apenas memória e repetição.Dá até vontade de esquecer um pouco o “purismo” voltado à reprodução musical e adquirir um receiver e umas caixas satélites, para sonorizar uma sala voltada aos efeitos surround de cinema.Mas sei que Bergman debocharia de toda essa aparelhagem, assim como de todo desenvolvimento tecnológico do cinema desde os anos 40… som e cor… o que veio depois é dispensável.
Muito abraço,
Habel

=-=-=-=-

Agora, vem cá, diz pra mim, qual o seu filme preferido do Bergman e por que?
Quem me conhece sabe que amo os filmes do Bergman , e assisti a praticamente todos eles. No meu círculo, digamos de amizades, geramente professores, e outros tipo de ooooooohmaigüdiness de intelequituais, era um programaço ver filme de Bergman no cinema ou em…tee. VHS, lembram de VHS?
Então, meu filme preferido, et pour cause, é Morangos Silvestres. Ops, desculpem, mais que nunca, Freud explica, tsss. tsc… é SONATA de OUTONO(Höstsonaten) Não há como esquecer aquela relação angustiada entre mãe e filha. Expliquei? Pois é, creio que eu disse-me!

(Putz, não encontro nenhuma picture da Liv Ulmann e Ingrid Bergman em “Autumn Sonata”. Vc tem alguma? Se tiver, você me dá? Obrigada!

 

Reproduzo, por pura vaidade de me ter feito mulher, a mulher que sou, num processo que deve absolutamente tudo a Bergman. Milton diz que Bergman é o maior cineasta de todos os tempos. Eu respondo: (ops..onde foi que eu aprendi a usar tanto o pronome eu?
Dirigindo-me ao cinéfilo Milton Ribeiro, em comentário à sua bela homenagem a Ingmar Bergman:

“Por defeito de formação e mais principalmente, por defeito de profissão, evito ao máximo os superlativos absolutos.Seria então esta, uma das pouquissímas vezes em que eu secundaria palavras como as tuas. Por dever tanto a ele, sendo e aprendendo a ser mulher, sob a ótica de quem nega o que outros negam: a condição de SER ao ser mulher. O que sempre será aterrorizante. Pela visão política de se encarar o o MAL, o horror que pertence à Vida. Pelas angústias inevitáveis e pela compreensão de que somos seres-para-a-morte. Irremissível constatação! Vivi um tempo riquíssimo de contradições e descobertas, e aprendemos com ele que, de forma soberba, nos colocou em contato com a angústia da vida, os tormentos do amor, as impossiblidades de ficar (*patinando*) nas pequenezas e ter um universo mais largo e a mente mais aberta.
GÊNIO, sim, ele era. GÊNIO: esta palavra tão incompreendida e tão inflacionada de sentido.
Mas, com quem quiser, compartilho meu abraço de entendimento e solidariedae.
E uso aqui as palavras de Woody Allen, o cineasta/realizador que teve mais familiaridade com as idéias de Bergman e mais *proximidade* no sentido heideggeriano, do pensamento que ao abarcar algo, tudo abarca:
” …Ingmar Bergman, provavelmente o maior artista do cinema como um todo, desde a invenção da câmera de cinema”

Beautifully said!
Bergman vive!
Maria Elisa Guimaraes

Caso você tenha também, como eu, uma estima pelo filme “Autumn Sonata” SONATA de OUTONO, não perca este blog , que foi uma descoberta de minha amiga querida  Isa. Obrigada, querida..(Höstsonaten)

Sobre sub rosa
The most of all things and persons in the entire world drives me *flabbergasted". That includes me.

14 Responses to Cesse tudo, inclusive as promessas: Ingmar Bergman 1918-2007(R.I.P)

  1. lulu says:

    sabe que eu colcoaria o Sétimo selo?

    quase com vergonha, porqeu eusei que é um filme difícil e difícil, mas assisti no cinema, fiquei tão impressionada, que não posso colocar outro.

  2. Meg says:

    Lulu, ah! minha querida Lulu: não precisa se explicar;-)
    Sabemos disso, não é?
    O filme é mesmo uma obra-prima . Há somente uma inside joke, que fiz, com todos, todinhos, todíssimos os leitores, que é muito fácil de identificar;-)
    Mas não há razão pra se sentir envergonhada., uai!
    Assim, os outros vão ficar espantados:-)
    beijos

    P.S. É óbvio que o Milton Ribeiro vai escolher O Sétimo Selo.
    Enquanto eu gosto pra danar de Cenas de um Casamento, quando meu marido, o Mário, morrreu, era o que eu via para aliviar minhas culpas.
    E como eu tinha culpas, Lulu
    Bergman era mesmo um daimon . Um verdadeiro *Daimon*

  3. Não, fico com vários. Começo por Gritos e Sussurros, o meu preferido (As Três Irmãs de Tchekhov num imenso filme), passo por O Rosto e vou para O Sétimo Selo, Sorrisos de uma Noite de Verão, Fanny, Morangos e O Ovo da Serpente. Era meu diretor preferido e, na verdade, gosto de todos os filmes, até de seus (pouco) equívocos.

    Também postei – cedinho e improvisado.

    Beijo.

  4. Milton, Persona é um grande filme!
    Também concordo com a prevalência de Gritos.. sobre o Sétimo Selo

    Morangos, absolutamente inquestionável e o Ovo da Serpente…olha, Mirto, se ele tivesse feito apenas este filme e levando em consideração ser um cineasta *SUECO*, teria dito muito, mas muito relevante.

    Agora, diante de uma pergunta dessas, a gente sempre tende a a confundir *MELHOR* com PREFERIDO*
    Haja visto, vc se denunciar e falar *até de seus erros*.
    Me diga, então qual dos erros vc colocaria em relevo?
    Beijos, guri
    Meguitar

  5. Ora, esqueci Persona… Que absurdo!!!!

  6. Laura says:

    Titia Meg!!
    Aposto que por esta vc não esperava, mas o passarinho verde veio me dizer que vc achava que euzita aqui havia abandonado vocezita aí…o que claramente não é verdade, afinal eu ADORO Você!
    E estou aqui hoje, no dia do post do Bergman – coincidência ou não, façam suas apostas – para mostrar que não te abandonaria jamais, apesar de ser desnaturada o suficiente para sumir completamente por seiláquantotempo.
    Meu Bergman preferido é Persona…amoamoamo. Por falar nisto, Bergman está no meu top 3!
    Beijosbeijosbeijos
    Assim que der venho visitá-la outra vez, minha tia querida!

    =-=-=-=-
    L*A*U*R*I*N*H*A*!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    Minha amadinha , minha amorinha>
    Olhe só, antes que seja tarde, diz-se logo o essencial: Eu estou doidinha de alegria, feliz, feliz. Obrigada, minha querida
    Agora, a babação:
    Minha sobrinha-neta, Laurinha, que é neta da nossa adorada Magaly (hahahahah, não é por estar na minha própria presença, mas , aqui pra nós, eu t^muito, mas muuuito bem servida de Amigos, não é;-))),?

    Queridos, olhem só TAMBÉM, não é por estar na minha própria presença, mas minha querida sobrinha Laura, filha da artista plástica Maria Elisa Magalhães (as Maria Elisas são ph***!!!!!) – que é Doutora em Belas Artes, pois bem, minha sobrinha querida Laurinha Magalhães é também cineasta, e já teve um curta que foi aceito na Seleção de Cannes (siiiimmm, senhor!!!, do Festival de Cannes! quer que eu repita ? C*A*N*N*E*S!!!!!).
    Eu conto isso, sim, só para me *AMOSTRAR* e me *exibir*, que são duas coisas que adoro.hohoho!
    Mas também para certas pessoas babarem roxo e sapatearem encarnado;-)))
    Pois duvido que na categoria TIA, alguém tenha sobrinhas mais maravilhosas e inteligentes e L*I*N*D*A*S!!!
    Laurinha, rani beibe, ( minha honey babe) e aquela nossa entrevista, hein?

    Pois bem:
    Laurinha faz o Curso de Filosofia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) o que não é para qualquer, não;-))) e ainda por cima faz o Curso de Cinema, e por cima do por cima faz filmes!
    Gente, eu exagerei? Exagerei? Acho que não, não é?
    Pois é.
    LARINHA, eu te aaaaammmmoooooo! E pensei sim que vc tinha me abandonado.
    Beijos, muitos muitos e me conte como vai o coração: in love?
    smacks, muitos
    Tia Meg

    P.S Eu sei, eu sei:-) ela vai ficar mortinha de vergonha , mas é que é uma dimensão especial, sacaram?
    Laurinha, o nome do seu blog, interrompido, diga, garota funk?)

  7. Meg,
    Cenas de Um Casamento.
    beijo
    =-=-=-=
    Também gosto muito, Valter

    E é engraçado a gente saber que foi um filme que Bergman fez para a TV – linguagem bastante diferente do cinema.

    E não só foi bom , como ficou , perdurou.
    Um beijo
    M.

  8. Magaly says:

    Mas Meggy, quer roubar minha neta, é? Que periiiiiiiiiiiigo!! Quase fico com ciúmes, hein
    Mas ela é uma gostusura e a visita dela doi tão querida Lanchamos juntas, falamos de milhares de assuntos, mas sempre terminamos em DVDs e filmes. E as dúvidas que ela me tira.! Pegou um CD de dados que tenho com obras de Liszt, Schumman Beethoven (vide Míllton) e enfiou no meu aparelho novinho de DVD. E eu, ignorante, gritava: isto é um CD! Ela, impassível, em poucos segundos, me fazia ouvir a divina música dos sagrados monstros.

    !Ih! lá vou eu sem dar bola ao assunto do dia. Sou empolgada por Bergman, mas não conheço todos os seus filmes. Dos que conheço dou a palma a Gritos e Sussurros, Extraordinári.o. Laura vai me trazer Per sona na próxima visita. Pena que estamos morando a uma distãncia bem maior que antes..

    Ciao, bella,! (Ela largou o blog, não tem mais tempo).
    ====
    ;-)
    M

  9. jayme says:

    Era um mestre. O Sétimo Selo era um de meus prediletos, de que lembrei pelo tema óbvio da ocasião.
    =-=-=-=-=-

    Ahá!!!! Jayme, essa é que era trick part:-)
    Essa é que era o inside joke:-)
    Se é que se pode fazer uma joke, numa hora desas.
    Mas devemos lembrar que ele era sueco e certamente preparou-se para a morte.
    Exatamente, a obviedade do tema com o que chamamos circunstância:-)

    Beijos
    Meg

    Agora, a pergunta ainda mais óbvia: Aceita uma partida de xadrez?

  10. Isabela says:

    Olá Meg,
    neste link você encontrará várias fotos de bom tamanho de Sonata de Outono.

    Abraços

    =-=-=-=-=
    Querida,
    vejo que mudou o email:-) e não ficou atrapalhada …não é?;-)

    Claro que voei para a página, e mal olhei, encontri os versos de Larkin! Annus terribilis.
    E só você mesmo, a mais brilhante é que poderia encontrar para mim, o que a minha limitação não consegue.
    Obrigadíssima, querida
    E o trabalho, vc nunca mais me deu notícias… Já defendeu?
    Se puder, me escreva
    Beijos

  11. Atenção: Michelangelo Antonioni também morreu ontem.
    http://www.nytimes.com/2007/07/31/movies/31cnd-antonio.html?hp
    =-=-=-
    Yes, D. I put there in the end of the post above.

    Bem no final!
    remetendo para outro blog amigo.

    E ele era um dos grandes Mestres.
    Vou ler a página do NYT
    Beijos
    Thx, sweetums.
    M.

  12. Renata says:

    Eu adoro Fanny & Alexander. Muito, muito triste.

    =-=-=
    Sim, o Bergman teve essa rara qualidade de até e durante fazer cinema ser muito regular, sem altos e baixos.

    No final, já era um outra coisa menos ambiciosa, creio, porque el já chegado – e muitíssimo bem – ao seu clímax.
    Beijos.
    M.

  13. Eduardo.P.L says:

    Perdas irreparaveis, uma um dia após o outro.

    Bjs Só cobras comentando.

  14. Oh Eduardo!
    E vc o que é?

    um beijo
    M

%d blogueiros gostam disto: