Sebistas e Alfarrabistas… (mais sobre leitura)

ATENÇÃO:
Transcrevo por achar importante essa notícia do Portal ESTANTE VIRTUAL


DISCLAIMER: EU, Maria Elisa Guimaraes, conhecida nas altas rodas (hohoho) e pelos amigos, por Meg, apelido carinhoso que não tem nada, nadinha, a ver com as iniciais do meu nome.. é uma loooonga história, mas enfim, continuando – não ganho, em termos de din-din, ou descontos , ou whatever- nada, ‘bissolutamente nada’ com isso , hein?!!! Bom!..:-))
E transcrevo também também porque este blog (aliás todos os meus blog são) sempre foi e será a favor do incentivo à leitura e que a LEITURA se transforme em leitura produtiva, coisa que mesmo quem escreve não faz , não possui e muitos nem sabem o que é. sabe o que é. Por que quem não aprendeu a ler não sabe nem ler *E MUITO MENOS* escrever.
E aqui quero deixar a seguinte pergunta, que eu sei por minha culpa ninguém vai entender;-(
Qual – na sua opinião – é o primeiro INSTINTO (NATURAL) do “ser humano”, é a LEITURA ou a ESCRITA? E pode explicar o por quê?
Agradeço por colaborarem comigo. Em breve, os resultados. Pensem numa história da leitura, pensem numa história da escrita. OK?

Aqui vai o texto :

“O Portal comemora a entrada do frio, propício a uma boa leitura, com estatística curiosa: a rede de buscas realizadas em estantes de mais de 500 sebos acaba de alcançar a incrível marca de 10 milhões de livros reunidos, o que faz da Estante Virtual uma metáfora cibernética superior à Biblioteca Nacional – a maior do país, com 9 milhões de livros.Claro, a comparação com a Biblioteca Nacional é mera curiosidade, pois a Estante é aliada das bibliotecas do país na luta pela democratização da leitura. Democratização não somente no que diz respeito à ampliação dos leitores, mas, tão importante quanto pouco discutida, a democratização dos autores. Sim, porque se você já teve a sensação de que as livrarias contêm uma variedade cada vez menor de livros, dia após dia mais concentrada nos best-sellers e últimos lançamentos, saiba que não é apenas sensação: o problema existe, e é grave. Por questões diversas, nas livrarias a sua escolha está limitada a um universo pré-escolhido cada vez mais restrito. Mas não aqui!
Mas e quanto a cidades em que não há nenhuma livraria? Temos algo a fazer sobre isso também: Por conta da existência do nosso portal, há livreiros surgindo em municípios que muitas vezes não possuem livrarias, nem bibliotecas, e que normalmente tampouco teriam o seu primeiro sebo. A mágica é que a Estante Virtual tem proporcionado um canal de vendas garantido para esses livreiros: o comerciante pode vender para clientes de todo o país e assim o seu negócio se torna viável, mesmo em lugares onde não há demanda local inicialmente desenvolvida.
E quem disse que a revolução se faz apenas com sebos e livreiros virtuais? Você, leitor, pode participar também! Já são mais de 1.000 leitores vendendo livros através do portal. Isso mesmo, não são sebos, nem livreiros virtuais: são leitores como você, que, além de comprar através do portal, também o utilizam para expor e vender livros que querem passar adiante. Cada leitor tem direito a uma estante virtual com capacidade para 200 livros. E, o melhor, o serviço é totalmente gratuito, você não paga sequer comissão!

—–
*** Os grifos são meus, viram? Porque fico felicíssima, vocês nem imaginam, de saber que você, eu, whoever pode ter aquele livro que vc procura e acha que *NUNCA* vai encontrar, porque não editam mais. Aquele livro que desapareceu da sua estante, ou que vc emprestou e o/a mardito/a não devolveu…sacumé? pois é!

  • No vídeo uma entrevista que o criador do Portal ESTANTE VIRTUAL deu recentemente no programa Sem Censura, da TVE
  • Sobre sub rosa
    The most of all things and persons in the entire world drives me *flabbergasted". That includes me.

    38 Responses to Sebistas e Alfarrabistas… (mais sobre leitura)

    1. Pingback: University Update - Google - Sebistas e Alfarrabistas… (mais sobre leitura)

    2. Off-topic: muito bom teu comentário lá no MR. Uma coisa que achei curiosa é a insistência de que minha personagem está atrás de grana, segurança… Onde eu sugiro isto?

    3. Meg, importantíssimo o post. Mexe no ponto certo. Eu já conhecia a Estante Virual, nunca fiz nenhuma transação por lá. Mas é sempre válido. Num país como o nosso, tão distante da cultura, todas as inciativas são válidas.
      Parabéns por divulgar, e sabemos sim, que não ganhas nada com isso. Nós é quem ganhamos.
      Fique bem,
      Um beijo

    4. Maria Elisa says:

      Sim, Milton, querido.
      Mas olha, vou logo te dizendo: não espera quando escreveres, que as pessoas leiam realmente o que tu realmente escreveste.
      Prepara-te ou, como diz Virgilio para Dante:
      Lasciate ogni speranza vuoi ch’entrate…

      Muitos beijos.

      Valter, obrigada
      Mas vcc não gostaria de responder a pergunta que eu faço?
      Vou tirar esse video, muito autopromocional, não acha?
      Pessoal – vocês não acham?

      beijos
      Meg

    5. thata says:

      Meguita, i´m back!
      Muito interessante a idéia da estante virtual. Ótima iniciativa.
      Quanto à sua pergunta, eu acredito que o instinto da escrita vem antes do da leitura. Digo isso pensando nos desenhos das cavernas, que contavam histórias de caçadas. A necessidade do homem de registrar seus feitos. E que esses desenhos depois evoluiram para a escrita e tal.
      Mas hoje, escrita e leitura andam juntas…você escreve, sempre tem alguém que queira ler ;)
      beijos enooormes
      e me aguarde, que eu venho com novidades em breve.

    6. Eduardo.P.L says:

      Meg, muito bom seu post, e não acho que deva tirar nada. Te é que mostra-lo, sim.
      Quanto á pergunta, vou pensar melhor. Volto quando resolver a questão proposta.

      Bjs

    7. Oi, Meguita,
      direto a pergunta, pois seus posts sempre são “superbs”, donde, neles não mexa.
      Pois, considero a escrita como mais natural do que a leitura. Isso sem falar da fala (ops!), propriamente dita, ela sim a primeirona.
      Mas, ainda penso, que por vir primeiro, e mais natural, promoveu a escrita a necessidade da leitura.
      Vou de escrita, como manifestação inicial e natural do homem, para deixar seus vestígios de passagem.
      beijos
      fernando cals

    8. Matilda says:

      O primeiro instinto seria o da escrita, o de anunciar descobertas ou instruções, tanto que as civilizações ditas mais adiantadas eram as que escreviam; se o homem decifrasse o mundo ao seu redor e contasse, transmitisse idéias oralmente em vez de registrar, o conhecimento se perdia; a necessidade de registrar, a escrita, é um primeiro instinto, no meu entender, claro!
      Maravilhosa a idéia da Estante Virtual.
      Beijos, :).

    9. A escrita.

      (Sabes como funciona nossa relação, baby: eu, de forma intuitiva, digo; tu explicas..)

      Mas – como diria um político – não vou me furtar (boazinha, né?; inventei agora). O homem busca em seus filhos e naquilo que produz a imortalidade ou ao menos sua presença nas gerações futuras. Eu, intuitivamente e mesmo sem ter o talento do Eduardo, faria desenhos pelas paredes de minha caverna para que alguém admirasse e a Meg interpretasse.

      Acho que a primeira primeiríssima intenção é transmitir, ou seja, escrever.

      Milton dixit, podem desdizer!

      Beijos a quem de direito e abraços rápidos a cordiais aos machos visitantes.

    10. rose prado says:

      Nao li nada (rs) desse ultimo post, estou gripada. Mas li a sua pergunta por e-mail.
      Eu acho que o instinto de ler vem primeiro, mas eu me refiro a ler o mundo. Ninguem escreve ou fala sobre o que nao leu, assimilou. Mas delimito leitura como compreensao do mundo, nao me refiro ao codigo verbal.
      Quanto aa visao ligada ao codigo verbal acho que o que vem primeiro…depende do grupo em que esse codigo pertenca. O escrito liga-se aa complexidade, entao, exige tempo de aprendizado.
      Do que sei por que dou aula de portuguës? Noto nos alunos, mesmo aqueles que, adultos, retomam os estudos,um desejo grande pela leitura. E acho que ela nao acontece com assiduidade porque nao se domina o codigo verbal escrito. Mesmo em alunos provindos da classe-media existe dificuldade. Creio que o metodo de ensino nesse caso seja causador da aversao aa escrita.
      Instinto? Parece que eh abrir o bocao e falar e consequentemente escrever…o olho vem antes, aih nao se trata de ovo olho ou galinha produtor e leitor de signos.

      Beijos ( veja se leu a palavra beijos, ela eh tao usada que nao eh notada rs)

    11. Júnia says:

      Meg, eu já acho que o instito natural seria o da leitura, pensando na interpretação que damos àquilo que nos rodeia. Num segundo tempo deve ter vindo a escrita, que é algo muito mais elaborado, eu acredito, ligada à criação.
      (Mãe é a última pessoa a quem alguém deve perguntar sobre a filha ;-), mas vou tentar transmitir seu recado). Beijos!

    12. Demorei mas cheguei.
      Então, eu acho a escritura mais importante, mais básica pro indivíduo não civilizado pelo fato de ele precisar deixar relatos sobre seu ambiente sem se preocupar em quem está olhando aquilo ou não, como no caso das pinturas rupestres. Ainda acho que mesmo para os “evoluídos” existe uma necessidade de salvar o que se vê ao redor, ou o que se descobriu até então, acredito que por medo de perdermos o tal conhecimento(isso no caso egípcios, por exemplo(tudo bem, ignorando as pirâmides mais absurdas que não tem nadica de nda escrito)). Ficou claro? Posso deixar melhor explicado meu ponto de vista assim que eu estiver recuperado da janta(eu como muito e muito rápido e preciso de pelo menos 40 minutos para organizar as idéias).

      Beijos Meg !

    13. Júnia says:

      Acima, leia-se “instinto” (nesse blog chique, temos que corrigir pelo menos o que reconhecemos que está escrito errado… :-))
      Em tempo: Há poucos dias comprei livros fantáticos pela Estante Virtual. É dez!

    14. rose prado says:

      eu respondi mas nao apareceu. agora estou com preguica de escrever tudo de novo.

      Beijos

    15. rose prado says:

      trecho confuso

      Quanto aa visao ligada ao codigo verbal acho que o que vem primeiro…depende do grupo em que esse codigo pertenca. O escrito liga-se aa complexidade, entao, exige tempo de aprendizado

      Desculpe…lah vai a correcao

      Quanto aa visao ligada ao codigo verbal acho que o que vem primeiro…depende do grupo a que esse codigo pertenca. A escrita * liga-se aa complexidade, entao, exige tempo de aprendizado

      Meg, eu queria dizer a leitura…estou confusa. Acho que eh a gripe e o estado febril…
      Depois , outra hora, escrevo direitinho….

    16. Meg,
      como sei que enquanto não responder à tua pergunta não me deixarás em paz, aí vai:
      pelo instinto natural do homem, creio ser a leitura. Explico: o homem se descobre ser vivente, pensante e atuante atarvés do instrumento primitivo que possui, ou seja a curiosidade. Foi através da curiosidade nata, aquela que incomoda, instiga e faz procurar respostas que o homem chegou às invenções. Nem digo as masis elaboradas que demoraram mais, vieram depois. Falo daqueles bem rudimentares: fazer fogo para aquecer-se e afastar os animais, abrigar-se em cavernas, acumular víveres para os dias difíceis,etc. Nesse processo, fazia a “leitura” de tudo à sua volta. Vai daí pode ter partido para a escrita como meio de preservar, passar adiante ou até mesmo para poupar “os neurônios” que não deveriam ser muitos à época. Estava criada a memória visual. Utilizou-se a seguir de símbolos ou caracteres para exprimir o que tinha a dizer e aí vem a escrita como forma de organizar as idéias e preservá-la.
      Pronto, falei.
      Viu como valeu a insistência?
      Bom trabalho e mostre prá gente depois de pronto se possível.
      Fiquei curioso. Vou escrever.
      Beijim

    17. Lou says:

      Oi, Meg!
      Pela minha recente experiência com minha netinha, a leitura foi o primeiro instinto natural…o da curiosidade…que a impelui par o interesse da escrita. Em 6 meses apenas, de escola, leitura quase perfeita, enquanto que escrita…ainda vai demorar um pouquinho. Impolgação total é com a leitura. Lê tudo o que encontra, de jornal à propagandas e avisos nas ruas… os livros que eu lia para ela, ela tem um imenso prazer em lê-los agora, para ela própria e para mim, que fico deslumbrada!…
      Beijos!

    18. gugala says:

      Meguita,
      absolutamente juntas. Sempre. Não concebo uma escrita desacompanhada da sua leitura. A escrita já é, por si só, sua própria leitura e vice-verso – essas simbioses naturais (na minha parca leitura/escrita das coisas, claro)
      bjs

    19. Maria Elisa says:

      Hahaha!
      Valter, estás certo!
      Fico triste pelo fato de Aninha e Denise não responderem, mas não posso forçálas , né:?
      Bom, acho que talvez possa.

      Bom, vou postar um lançamento de livro, que como vocês sabem é o que mais desejo para todos TODISSIMOS que tem esse talento para escrever e vocês podiam continuar, não é?
      Beijos
      Meg

      LOU: Eu simplesmente amei sua resposta, pelo encantamento da sua menina.

      Vou ligar para a Magaly.

    20. gugala says:

      complememento: o q acontece com a escrita/leitura é mais ou menos a eterna dúvida de quem veio antes, o ovo ou a galinha?
      Pq esquecem sempre do galo?
      bj

      Hahahahahaha!!!!!!!!
      Desculpem
      Minha idéia não é de responder à cada um, pois – COMO MUITO BEM DISSE A JANAÍNA – o que peço não é uma resposta que seja *a* correta, mas simplesmente e isto está muito bem realçado , o que peço é a sua opinião. A opinião de cada um.
      Agora essa de *ESQUECEREM* do galo huahahahahahahah
      Estou me acabando de rir enquanto preparo o texto para amanhã, à tardinha, OK?
      Hahaha
      O GALO!!!!! com essa eu não contava!
      Beijos
      Meguita

    21. Magaly says:

      Meg

      Minha primeira inclinação foi apontar como primeiro instinto natural a escrita pelo impulso que teve o homem primitivo de registrar nas cavernas o resultado de sua observação do mundo em que estava inserido. ( observação/ ‘leitura’?).

      Mas vai que, tendo estado meio dodói esses dias agora, demorei a vir cá. E encontrei a fala de tanta gente que sofri a influência da conceituação de cada um.

      Pra quem é parca de conhecimentos mais profundos da história da evolução humana essa influência pesa.

      Mas vamos ver.

      O homem , gregário por natureza, para viver tribalmente, emitiu sons que representavam ações. Daí a fala, que acompanhava seu olhar curioso das coisas que o cercavam. Seu primeiro instinto foi o de registrar, através de símbolos (desenhos), o que sua percepção alcançava. E a conseqüente necessidade da leitura de tais registros.

      Esta é a minha intuição. Prometo ler a respeito para falar baseada em estudos já feitos sobre o assunto. E aguardo curiosa seu prometido artigo.
      Beijinhos

    22. Magaly says:

      Voltei para dizer que Lou é a figura humana terna sábia que me tem impressionado forttemente. O amor extreemado à netinha é lindo de morrer.
      Palmas às duas.

    23. thata says:

      e eu voltei aqui…fiquei matutando, lembrei das aulas de semiótica e agora estou dividia. Não será a leitura o instinto mais natural? Pois se, antes de conhecer as letrinhas, lemos o tempo todo os símbolos do mundo que nos cerca…acho que pode ser sim.
      Vale essa interpretação?
      bj!

    24. Maria Elisa says:

      MAGALY, afinal, hoho [é a leitura ou a escrita?
      Você ficou no meio do muro.
      Hahahahah
      Te adoro minha linda e posso falar assim com você, não é naõs?
      Beijos, beijos muito felizes a todos
      Meguita, que está matando mamão no peito, como acabei de saber que é uma expressão mineira, para quando a gente se sentindo(sissi) quando a gente tá felix, tá com tudo e não tá prosa, certo.
      Volto à tarde e você bem peque podia ir todos lá na renata Pallottini, que tem um encanto esxpecial para mim, ele não é poeta nem escreve para adolesccentes.

    25. Maria Elisa says:

      WOW!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
      Nem poso dizer o quanto estou feliz , o quanto estou recompensada

      Minhas crianças lindas ficaram *matutando”?
      E para que serve um blog – tá bem – alguns posts de um blog senão para isso?

      E além do mais, como disse o Valter, o Ferraz (rimou, rima pobre mas rimou) eu não ia deixar vocês em paz.

      Agora meus amores, prestem atenção ISTO NÃO ÚMA GINCANA (GINKANA-?-) para ver quem acerta ou era.

      Vou logo entregando o serv ops , entrganmdo o ouro, a minha digamos enquete, é somente para ver como pensam as mais ilustres pessoas do Universo a respeito desse problema que , como todos sabem, não nos deixa dormir à noite:-))

      Hahaha, sim, o Lord Broken Pottery vai no ponto quando diz
      que é uma charada!
      E é mesmo!

    26. AV says:

      Olá, Meg.
      Vou tentar responder com alguma lógica ao seu interessante desafio: se o conceito de “leitura” for a leitura do mundo e de tudo o que nos rodeia, então ela se impõe primeiro, sem qualquer dúvida. Mas se nos referirmos a “leitura” como a descodificação de qualquer forma de caracteres gravados (seja em papel, em papiro ou até em pedra), então teremos que admitir que a escrita chegou primeiro, ou não haveria “o que ler”! Certo?
      A propósito de escrita, o meu livro “A poesia é para comer” vai ser editado no Brasil e apresentado em Setembro na Feira do Livro de Brasília. Fico contente e lá estarei para promovê-lo, bem como à poesia de língua portuguesa que está representada no livro.
      Até lá, um beijo de Portugal
      Ana

      Ana, já querida, poetisa Ana Vidal, sempre digo que não poderíamos viver sem o velho Platão, que diz em seu diálogo Menon, if memory serves me right, que devemos definir aquilo de que se fala para sabermos do que se está falando. Você dá razão a Platão. E minha pergunta dá razão a Platão.
      Por isso, fiz questão de colocar – mesmo correndo o risco de desagradar meus amigos (e não amigos) antropólogos, sociólogos psiquiatras e principalmente psicanalistas -que tem o hábito de confundir instinto com pulsão – termos, digamos, expletivos – mas que devem ser considerados, a saber: primário, primeiro, instinto e natural.

      Com isso, eu respondo a pergunta da Ana?;-)
      =-=-=-=-=-=
      Agora, querida que grande notícia nos dá! Você aqui no Brasil, você editada no Brasil, Isto é motivo de orgulho para nós.
      Isto interessa-me muitíssimo.
      Qual é a editora? E sobretudo, quando é a Feira?. Onde encontro esas informações? No seu blog, sem dúvida, mas tenho dias diferentes para visitar essa legia, essa multidão (hohoho) de blogs.
      Mas a Ana tira-me do eixo e vou fazer uma nota, assim que for conveniente e servir ao propósito de divulgar.
      Muitos muitos beijinhos

      E como diz a Rose, (que é maravilhosa, ela nos escreve e ao final diz “Beijos”. Em seguida diz assim: vc leu a palavra Beijos? pois é tão dita, tão escrita que ninguém mais a vê. Nem a lê;-)

      Tenho ou não tenho razão ao dizer que meus leitores são *la crême da la crême*, os mais maravilhosos do mundo?

      Meguita, já agora, pode chamar-me como queira, pois ganhou esse direito, se é que vale alguma coisa hohoho :-))

    27. sacanagem,

      eu ia discorrer sobre o embate entre a representação gráfica do ovo e a leitura labial do cacarejar da galinha, mas o Gugala chegou antes…

      sacanagem…

    28. Janaína says:

      Olá!
      Desde o começo do ano que compro pela Estante Virtual. Sebo é bom, mas não tem nenhum em minha cidade, sempre tinha que ir pra Goiânia comprar ou então encomendar dos sites de venda que só enviam via sedex. o que, geralmente, faz não valer a pena comprar online.
      Quanto a sua pergunta.
      Bem, não me acho com capacidade pra responder afirmativamente, dar uma opinião consistente. Mas vc não pediu isso, né? Quer saber a nossa opinião. Então lá vai a minha:
      Se leitura pode ser entendida por uma percepção do mundo, creio eu esta aconteça antes da escrita. Afinal, primeiro percebemos o mundo a nossa volta, interagimos e então acontece a escrita, aqui entendida não por simples papel e lápis (ou PC e teclas…rs) e sim como comunicação, expressão ou até mesmo pela própria interação. Mas é claro, não são coisas tão separadas assim, poderia dizer até que acontecem simultaneamente.
      É o que penso neste segundo, ao menos.
      Abraço.
      Janaína.

      Janaína, nossa fotógrafa e photoshopista celebrada;-)
      Bom, como está vindo pela primeira – de muuuitas outras, vezes, espero e desejo- vou responder aqui
      como tenho feito para os “primeiravezistas”:-).

      Na verdade, acho que ninguém faria essa pergunta ou aceitaria respondê-la se já houvesse resposta, não acham?
      Aliás, dizem e muito bem que a resposta é a morte da pergunta.
      Você disse muito bem: o que eu pedi foi uma opinião (fico feliz que você tenha lido e ressaltado isso) e acho que o mais interessante é ver como as pessoas ao fazê-lo contribuem para uma visão do mundo (Weltanschauung).
      No caso, acho que o que fez a Thata voltar aqui foi uma reflexão que não se deveu à pergunta, mas ao que ela pensou a respeito da resposta que deu.
      Querida, obrigada por vir, seja muito bem-vinda. Fico feliz por vc estar aqui. Volte sempre:-)
      Um beijo
      Meg

    29. lulu says:

      Já chego , cheguei, atrasadinha, como sempre, mas querendo sentar na janela e ver toda a vista e sentir o vento batendo na cara, como sempre.

      Aí vc tinha me feito essa pergunta, nos papos de internet e eu demorei para responder, pensei, e estragou um pouquinho. Na minha primeira resposta pensada havia vindo a escrita, porque busquei nas minhas memórias de infância, e a grande primeira memória que tenho é a de uma redação que fiz um dia. Minha primeira redação. Não lembro da minha primeira leitura, nem da minha alfabetização, mas lembro da primeira vez que escrevi uma história. E mais: escrevi uma história que a esposa do meu pai havi ame contado inventado, para dormirmos. E eu fui lá e escrevi, e fiquei me sentindo a mior mentirosa, porqu fez sucesso e todo mundo me achou muito original da vida. Bom, por essa lembrança, gritei logo: escrita!

      Mas aí depois pensei mais ainda e talvez tenha me estragado mais ainda de tanto pensar.
      E aí pensei mas que boba, porque ler, ler não é simples decodificação de letras, ler é somar à gente aquilo que a gente vê. Quer dizer, lemos o tempo inteiro, o mundo, as expressões, tudo enfim. E então pode-se até viver sem escrever, mas não se vive sem ler, nesse sentido amplo do que é a leitura.
      Num sentido mais restrito, de leitura das letrinhas, sim, se escreve sem saber ler. é lindo, as crianças, muitas crianças, ficam colocando letras no papel, como quem inventa uma língua. Mas acho que mudaria mesmo assim a minha primeira resposta e diria que no ler é que começa a coisa.
      hum…
      quero te ler.

      beijos ,

      Lulu.

    30. aninhapontes says:

      Meg querida.
      Te peço desculpas pela demora.
      Vamos à S Paulo amanhã, e tinha que terminar umas roupas para levar e entregar.
      Estou agora aqui, mas na correira, ainda não terminei.
      Bom, vamos lá.
      Na minha opinião, acho que a leitura.
      A necessidade do conhecimento, através do ver, a busca do aprendizado através de sinais, e só aí a necessidade do guardar(escrita).
      Como guardar algo que não se tem?
      Não sei se fui clara, estou cansada, com sono, e com as idéias embaralhadas.
      Mas te amo assim mesmo.
      Um beijo

    31. James says:

      Cara Mestra:

      No meu entender, para que sentíssemos vontade de ler seria necessário que existisse anteriormente algo escrito.

      Um abraço.

    32. James says:

      Complemento:
      Algo “escrito” não necessáriamente por um outro homem…

      Viajando…

      Adorei a questão.

    33. Magaly says:

      Meguinha,
      Estranhei que o jeito como eu disse a coisa estivesse pouco claro e que parecesse que comodamente subira ao muro. Pensei que, ao dizer:
      “Seu PRIMEIRO instinto foi o de registrar, através de símbolos (desenhos), o que sua percepção alcançava. E a CONSEQÜENTE necessidade da leitura de tais registros.” , eu
      dava a minha resposta : a escrita veio primeiro e a leitura depois, o que pode não ser a resposta certa, mas foi o que minha cabeça ditou.
      Comigo, vc sabe que pode falar com toda a liberdade, mas é que realmente não quis parecer dúbia.
      Beijos (gastos só na exposição grafica), mas que, na realidade, expressam afeto

    34. Dá tempo ainda ou a festa já acabou?
      Meu voto: Leitura. Ainda que tenha sido um rabisco numa pedra representando uma estrela, um bicho, um rosto, antes de escrever o homem leu o que estava à sua volta.

      —-
      Mêses atrás, pela Estante virtual consegui comprar um livro que procurava há mais de vinte anos, pela incrível quantia de dezessete Reais. Preciso dizer que virei fã?

    35. Eduardo P.L. says:

      Como prometido, pensei, pensei e voltei para dizer que o Guga tem razão: O OVO? ou a GALINHA, mesmo porque ela bota indepententemente do GALO. hahaha

      Bjs

      PS- Arrasou com este post, hem?

    36. Maria Elisa says:

      Sempre há tempo para festa, Strange
      Amei sua resposta Eduardo!
      Tenho uma surpresa para vocês.
      Hahahaha
      O galo, é?
      Pois é!
      Hahahah
      Meguita, com beijos

    37. Lerscrever é o meu favorito. O escritor é o primeiro leitor de si mesmo e o leitor é o último escritor do livro lido, pois ler é escrever.

      RESPOSTA:
      Ave!
      Pura verdade!
      Sim, sim!!!
      E acha que eu ia perder este comentário?
      Vai para o post sobre ler, que para mim ainda é o mais importante…
      Exatamente por isso, porque ler é escrever.

      Certeiro as usual!
      Beijo
      Meg meg

    38. Sandra says:

      Acredito que seja a escrita. Que por sua vez, surgiu dos desenhos feitos nas paredes das cavernas, há milhares de anos atrás. (Bom… eu não estava lá para afirmar, mas acho que foi assim). Então os desenhos foram aprimorados e transformados em palavras e letras.

      Boa pergunta.

      Beijos

      =-=-=-=-=-=
      Viva! Oba!
      Sandra pela primeira vez no Sub Rosa
      Seja bem-vinda e venha sempre;-)

      Sandra, eu acho que a ESCRITA é a coisa mais importante que existe e a mais necessária para se viver e se aprimorar, nos nossos sucessos, nos nossos amores, nossas conquistas, nossos amores e nossas dores etc…mas não consigo imaginar alguém escrevendo assim só por escrever, sem ter vivido uma experiência, e sem ter tido idéia de quanto era importante transmitir para seus amigos e conhecidos do mesmo grupo, tudo isso. Eu acho que, primeiro, eles falavam uns com outros, trocavam experiências etc… AGORA, só muito mais tarde, DEPOIS de ter vivido causa e EFEITO de uma determinada relação, de um determinado problema (até a história de uma caçada, de animais diferente, certo?) é que ele tenta escrever, exatamente do modo como vc diz. EXATAMENTE COMO VC DIZ, porque ele começa a ganhar noção de que os grupos se separam, viajam, são nômades e querem deixar a experiância para quem vem depois
      Hahahah, putz, Sandra, eu também não estava lá hahahah
      Mas como eu digo e como o Chico Buarque diz aí na música acima, é uma pergunta de AMNAQUE;-))))

      Beijos, querida e tô contando com você em outras.
      Beijão, Meg

    %d blogueiros gostam disto: