Katherine Hepburn – (1907-2007) – 100!


Katherine Hepburn=100anos

Queridos, estou fora de casa, como já deu para notar, certo?;-)))
Volto, no início da semana ou posso até voltar hoje emsmo, com o coração lavado e enxagüado em água salgada de praia, cheiinha de saudades.
Devo ao Nelson, meu amor sometimes, a lembrança dos 100 anos de Kate.

Contentei-me com fotos que tenho na Web. Então, vamos fazer um TEST-QUIZ:

1- Diga como vc presfere esta deusa? Ou seja, em qual foto está mais bonita, se é que pode mesmo estar mais….
2- Diga, por favor, se já viu algum filme com ela. EM DVD ou na televisão? Algum, qualquer que seja , ou mais de um filme. E diga, por favor, como era filme;-)
Se NAO fizerem isso, ah! vai sobrar para vocês;-))) – vou ficar pensando que vocês não vêm aqui e nem gostam de mim.:-( Aaaah! ooooh!

3-Voilà pelo menos dois links procês, a quem eu amo, me descabelo, para fazer tudo bem bunitinho procês, né não, Valter, o Ferrão, digo, Ferraz, meu querido amigo?

4-Digam, quem era o grande ator, ‘marido’ dela MAS que nunca se casou com ela e nem ela com ele:-)))
5- Sabem alguma historinha da vida dela, só assim pra ficar mais interesante.;-))), mas vale pontos e presente depois.

Bom, valendo nota, hein? Quem será o campeão/campeã…?
Façam o dever de casa direitinho.

Ó, Yvonne, Aninha, querida, Denise, Lord, Fezoca, Milton Ribeiro, Claudio, e EDUARDO!!!! e MAIS TODOS, TODÍSSIMOS… aê, galera, eu “não estou podendo estar indo para estar fazendo”;-) comentários nos blogs de voces. Mas … quando voltar desconto o atraso, OK?

E quero muita gente, aqui, que eu só estou de olho em vocês.. Huammm! ai, ai, ai , ai, ai! I have my connections, (hein?) i have my people (hohoho)

Assinado) Meg Soprano (Eastwood):-) com zilhões de beijos amorosos, carinhosos e saudosos.

Links:1 – 2-Outro – 3-Aqui também…

E finalmente este…ah! NYT, que é bom, não é Nelson, vc não me mandou o link . OH misbehavin guy. Slapt, slapt!

Mas não deixem de ler a crônica aí embaixo, certo?

Sobre sub rosa
The most of all things and persons in the entire world drives me *flabbergasted". That includes me.

18 Responses to Katherine Hepburn – (1907-2007) – 100!

  1. aninhapontes says:

    Vixe! cheguei primeiro.
    Meguita querida, aproveite bem seu final de semana, descanse, paquere, divirta-se.
    Quando eu crescer, vou pedir ao papai do céu, prá ser pelo menos um pouquinho bonita assim.
    Que rosto heim?
    O bem soprou aqui prá mim, que quem não quis se casar com ela foi o Allan Delon, sei lá se está certo o nome do homem, mas vc entendeu.
    Estou com pressinha, tenho que fazer uma blusa hoje, e já são quase oito horas.
    beijinhos, e mais beijinhos.

  2. Eduardo.P.L says:

    Meg, querida,
    hoje você tocou em alguém de quem adoro, e sou um especialista, tanto assim, que atendendo seus apelos descrevo uma breve bio, em ingles, como devem ser as biofrafias dos biografados deste porte:
    Mini Biography
    Born May 12, 1907 in Hartford, Connecticut, she was the daughter of a doctor and a suffragette, both of whom always encouraged her to speak her mind, develop it fully, and exercise her body to its full potential. An athletic tomboy as a child, she was also very close to her brother, Tom, and was devastated at age 14 to find him dead, the apparent result of accidentally hanging himself while practicing a hanging trick their father had taught them. For many years after this, Katharine used his birthdate, November 8, as her own. She then became very shy around girls her age, and was largely schooled at home. She did attend Bryn Mawr College, however, and it was here that she decided to become an actress, appearing in many of their productions.

    After graduating, she began getting small roles in plays on Broadway and elsewhere. She always attracted attention in these parts, especially for her role in “Art and Mrs. Bottle” (1931); then, she finally broke into stardom when she took the starring role of the Amazon princess Antiope in “A Warrior’s Husband” (1932). The inevitable film offers followed, and after making a few screen tests, she was cast in A Bill of Divorcement (1932), opposite John Barrymore. The film was a hit, and after agreeing to her salary demands, RKO signed her to a contract. She made five films between 1932 and 1934. For her third, Morning Glory (1933) she won her first Academy Award. Her fourth, Little Women (1933) was the most successful picture of its day.

    But stories were beginning to leak out of her haughty behavior off- screen and her refusal to play the Hollywood Game, always wearing slacks and no makeup, never posing for pictures or giving interviews. Audiences were shocked at her unconventional behavior instead of applauding it, and so when she returned to Broadway in 1934 to star in “The Lake”, the critics panned her and the audiences, who at first bought up tickets, soon deserted her. When she returned to Hollywood, things didn’t get much better. From the period 1935-1938, she had only two hits: Alice Adams (1935), which brought her her second Oscar nomination, and Stage Door (1937); the many flops included Break of Hearts (1935), Sylvia Scarlett (1935), Mary of Scotland (1936), Quality Street (1937) and the now- classic Bringing Up Baby (1938).

    With so many flops, she came to be labeled “box-office poison.” She decided to go back to Broadway to star in “The Philadelphia Story” (1938), and was rewarded with a smash. She quickly bought the film rights, and so was able to negotiate her way back to Hollywood on her own terms, including her choice of director and co-stars. The film version of The Philadelphia Story (1940), was a box-office hit, and Hepburn, who won her third Oscar nomination for the film, was bankable again. For her next film, Woman of the Year (1942), she was paired with Spencer Tracy, and the chemistry between them lasted for eight more films, spanning the course of 25 years, and a romance that lasted that long off-screen. (She received her fourth Oscar nomination for the film.) Their films included the very successful Adam’s Rib (1949), Pat and Mike (1952), and Desk Set (1957).

    With The African Queen (1951), Hepburn moved into middle-aged spinster roles, receiving her fifth Oscar nomination for the film. She played more of these types of roles throughout the 50s, and won more Oscar nominations for many of them, including her roles in Summertime (1955), The Rainmaker (1956) and Suddenly, Last Summer (1959). Her film roles became fewer and farther between in the 60s, as she devoted her time to her ailing partner Spencer Tracy. For one of her film appearances in this decade, in Long Day’s Journey Into Night (1962), she received her ninth Oscar nomination. After a five-year absence from films, she then made Guess Who’s Coming to Dinner (1967), her last film with Tracy and the last film Tracy ever made; he died just weeks after finishing it. It garnered Hepburn her tenth Oscar nomination and her second win. The next year, she did The Lion in Winter (1968), which brought her her eleventh Oscar nomination and third win.

    In the 70s, she turned to making made-for-TV films, with The Glass Menagerie (1973) (TV), Love Among the Ruins (1975) (TV) and The Corn Is Green (1979) (TV). She still continued to make an occasional appearance in feature films, such as Rooster Cogburn (1975), with John Wayne, and On Golden Pond (1981), with Henry Fonda. This last brought her her twelfth Oscar nomination and fourth win – the latter currently still a record for an actress.

    She made more TV-films in the 80s, and wrote her autobiography, ‘Me’, in 1991. Her last feature film was Love Affair (1994), with Warren Beatty and Annette Bening, and her last TV- film was One Christmas (1994) (TV). With her health declining she retired from public life in the mid-nineties. She died at the age of 96 at her home in Old Saybrook, Connecticut.

    Beijos enormes,

    (;>)))

  3. Mequita, querida,
    Ketherine Hepburn foi mesmo grande atriz. Não acompanhei o gosto dos que a achavam linda. Não era o tipo de beleza que me comovia. O caso com Spencer Trace sempre me pareceu muito estranho. Ele católico, casado, nunca separou-se da mulher para ficar com ela. Questão curiosa. Então se você cuntinua com o papel passado, ligado a alguém que não ama, o pecado inexiste. Será? Religião é mesmo um sentimento especial.
    Grande beijo

  4. Magaly says:

    Minhas respotas, Meglyn:

    1 – A segunda. Linda!

    2 – Hollywood Legends – Marilyn Monroe & Katherine Hepburn (DVD – 2001)

    Elenco: Marilyn Monroe, Katharine Hepburn,

    Sinopse: Two of Hollywood’s biggest stars are captured here in this documentary of cinema legends. Marilyn Monroe & Katherine Hepburn’s careers as well as their personal lives are documented in this

    Vi na televisão “Num Lago Dourado” com Henry Fonda.

    3 – Vou explorar os links quando acabar de responder às suas perguntas.

    4 – Spencer Tracy
    “Ao encontrar com Spencer Tracy em “A mulher do dia”, ela começou um romance com o ator, que duraria mais de 25 anos e renderia diversas parcerias bem-sucedidas no cinema. Recordista de indicações para o Oscar – foram ao todo 12, Katherine conquistou quatro estatuetas, o que lhe conferiu o título de atriz mais premiada pela Academia até hoje. Seu último filme com Tracy – também o último filme dele – foi “Adivinhe quem vem para jantar?”, em 1967. Foi sua segunda estatueta. Tracy morreu poucas semanas depois do fim das filmagens. O terceiro Oscar foi uma resposta à sua atuação em “Leão no inverno” (1968). Treze anos mais tarde, ela ainda ganharia sua quarta estatueta por “Num lago dourado”, em que contracenou com Henry Fonda”

    5 – Katherine Hepburn foi uma das paixões mais célebres de Howard Hughes, o milionário aviador, com quem viveu uma tórrida relação de amor e ódio. Mas a sua vida está cheia de sucessos, que o seu extraordinário talento lhe trouxe nas artes dramáticas. Sucessos bem reconhecidos: ganhou quatro Óscares e foi nomeada oito vezes pela Academia como melhor actriz.

    “…filha de um médico e de uma feminista, Katherine sempre foi encorajada pela família a falar o que pensava. Aos 14 anos, ficou arrasada com a morte do irmão, que teria se enforcado acidentalmente com um truque para suspensão que o próprio pai lhe ensinara. Por muitos anos, transtornada, Katherine tomou a data do aniversário do irmão, 8 de novembro, como sua própria.
    Depois da tragédia, a atriz ficou muito tempo sem querer ter contato com pessoas e estudava em casa. Passado o período crítico de isolamento, decidiu estudar artes cênicas na faculdade Bryn Mawr. Foi quando tomou gosto pela arte e optou pelo teatro, fazendo suas primeiras apresentações lá mesmo, no palco da faculdade. Depois da graduação, começou a ganhar pequenos papéis em peças da Brodway. Sempre teve destaque nas produções por que passava, sendo um de seus maiores êxitos “Art and Mrs. Bottle”, em 1932. Convites para filmes foram surgindo e sua estréia oficial no cinema foi em “Vítimas do divórcio”, de 1932, ao lado de John Barrymore. O filme foi um grande sucesso e, entre 32 e 34, ela estrelou mais cinco produções. A terceira delas, “Manhã de glória”, foi responsável por seu primeiro Oscar. O mais bem-sucedido na época, porém, foi “Adoráveis mulheres” (1933).
    Depois disto, começaram a surgir rumores sobre o mau comportamento da atriz fora das telas e sua resistência à participar do que classificava como “jogo hollywoodiano”. Sempre de calças e sem maquiagem, ela se negava a posar para fotos e dar entrevistas. A partir daí, Katherine começou a ser rechaçada pelos críticos. Em 34, quando voltou para a Broadway, as coisas não ficaram melhores. Em 38, ela estrelou nos palcos “Núpcias de escândalo” e conseguiu voltar para Hollywood ao comprar os direitos da versão da peça para o cinema, o que lhe deu poder para escolher diretor e atores para sua produção. Assim ficou marcada sua volta ao estrelato, coroada com uma indicação ao Oscar naquele ano.”

    Foi um prazer responder ao questionário, viu?

  5. denise says:

    Meg, kkkkkk, trocou meu link de novo, hehe!
    drang.wordpress.com
    Por falar em link, o Cejunior me mandou um de usuários, eu já testei lá no meu blog e deu certo. Pega aí o link e copia o código e cola em uma caixa de texto na aparência do wordpress. Vai lá nos widgets e cola o código e salva as mudanças, entendeu? O link é:
    http://whos.amung.us/
    beijo, menina

  6. Nelsinho says:

    Meg

    Tenho andado super afastado, viajando demais…A minha vida profissional está em mutação.

    Adoraria ser um cinéfilo como era o meu pai, grande fotógrafo, admirador e crítico dos maiores talentos do cinema nos anos 40 e 50. Pena que ele não tenha vivido o suficiente para rever, na comodidade de casa, todos aqueles clássicos que ele viu, reviu…
    Katherine estava entre suas preferidas.

    Um beijo, Meg

  7. Luma says:

    Erika Wennerstrom. Antes que me esqueça, escute essa mulher!

    Hollywood criava muitas histórias e essa poderia ser uma delas, afinal quem não iria ao cinema ver dois que contracenavam proibidos na vida real?

    Não importa, eles fizeram parcerias memoráveis! dia 29 é o dia que completa 4 anos da morte dela.

    Boa semana! Beijus

  8. sensorialtrip says:

    Meg! Muitíssimo obrigada pelo seu comentário solidário no meu blog, é bom receber visita de pessoas interessantes como você! E meu blog não é exclusivamente de moda (pelo menos não deveria ser), mas como é a minha área, acaba que eu me dedico mais exclusivamente à esse assunto, não me aguento… hehehe… Vai ser um prazer receber sua visita mais vezes e já te linkei por lá também!
    Aliás, será um prazer maior ainda voltar aqui!!! Amo a Katherine Hepburn e é IMPOSSÍVEL escolher uma foto preferida. Musa centenária…
    Beijos!

  9. aninhapontes says:

    Ei, está tudo bem por aqui?
    A dona da casa, está?
    Deixei um presentinho prá você.
    Beijos

  10. Meg, bela lembrança de K.H. A Magaly falou de “Num lado dourado”. Ví há muito tempo este filme e tenho-o guardado na memória. O velho Henry, Katherine e Jane Fonda, um trio de grandes atores numa estória comovente, um resumo da vida deles e de todos nós, aliados a uma fotografia fantástica!
    Não sou cinéfilo, aliás muito longe disso. Minha cultura de cinema é escassa. Mas tenho olhos e ouvidos sensíveis ao belo e sei identificar rápidamente uma obra de arte do trivial variado que nos é servido diariamente.
    Querida, volto aos poucos ao rame rame da vida normal.
    Qagradeço de coração a preocupação constante e também as boas palavras, aquelas que nos enche o coração de esperança que amanhã há de ser um dia melhor.
    Comovido com a força quando daquele meu “retiro”.
    Tudo de volta, agora.
    Fique bem.
    Um beijo grande

  11. Yvonne says:

    Meg, SEM PESQUISAR NO GOOGLE, darei as respostas e com certeza serei a vencedora. Vejamos:
    1) a terceira visto que mostra o que ela realmente era, uma mulher mulher, mas com postura um tanto masculina.
    2) Vi um monte deles. Os prediletos são: Num lago dourado, Advinhe quem vem para o jantar?, um que ela era solteirona numa família de homens e de repente encontra um grande amor (esqueci o nome) e tantos outros.
    3) Já conheço o grande Valter.
    4) Spencer Tracy. Ele era americano, filho de irlandeses e católico. A sua religiosidade não permitia o divórcio. Logo, ele ficou casado, mas sua mulher era a grande Katherine.
    Passei no teste?
    Beijjocas

  12. lulu says:

    Nossa . isso daqui tá virando uma verdaeira enciclopédia!! ah, não sou boa de responder questionários, me atrapalho toda e esqueço rapidamente tudo o qu eporventura saiba!
    mas, mas , mas…
    de repente,no último verão… eu acho bem impressionante.

  13. Matilda says:

    Prefiro a foto número dois, lembro muito bem de Love Afair, é o que mais lembro, embora tenha visto outros.
    As outras perguntas já foram respondidas e bem respondidas, cheguei tarde.
    Beijos, :).

    Matilda, quero saber como está.
    E sabes que nunca chegas tarde.
    De fato todos s~]ao campóes, Tenho que pensar nos prêmios.
    Mas são 5 da manhã.
    Beiji

  14. nelson says:

    Meguita, amor e paixão, a Katharine belíssima merece todas as poses, capas e filmes. Valeu a linda homenagem, ao centenario da grande dama! Agradeço a referencia..rsrsrs O nytimes é cheio de onda, primeiro o cadastro (bobagem), depois transforma certos arquivos em peças raras, custam dolares pra serem abertos..whatever,
    Amanhã, dia dos namorados, dependendo do que rolar e ralar, uma dica de dvd apropriado: O Amor não tira férias (The Holliday).
    Grandes beijos (dos classicos hollywoodianos aos vulgares dos mais amadores) todos apropriados,

  15. A praia está te fazendo bem! bjs

    Obrigada, nobre senhor;-)

  16. Ernesto says:

    <b>Que buenas fotos, no hay como el blanco & negro.
    Justamente el 26 de mayo se cumplieron 100 años del nacimiento de otro grande: John Wayne.</b>
    PS: Meg pasame tu Messenger, dejalo como comentario en culturamma y lo borro enseguida.
    Un beso.

    Sí, si, Ernesto. Tuvimos varios conmemoraciones acá en la TV.
    Y sí, yo lo dejo.
    Un beso.

  17. Gente de Deus, pois não é que responderam tudo, tudinho!
    Mas vou comentar cada um.
    Concordo com o Lord…mas tem que ver, que isso foi pelo menos há 60 anos… E a força da religião era realmente…opressiva,.
    Bbeijos a todos.

    Yvonne, todos foram campeões

    Luma, vou ver …o nome, OK!
    Vc sempre na frente.
    beijos

  18. meudeuso, que linda!!! :-)

    beijos, Meg!

%d blogueiros gostam disto: