CANNES 2007 v. 60

cannes2007_60
O cineasta espanhol Pedro Almodóvar e sua musa Penélope Cruz. O diretor chinês Wong Kar Wai,  que vai abrir a a mostra com seu filme “”My Blueberry Nights”. O ator francês Gérard Depardieu e os americanos Samuel Jackson e Bruce Willis estão entre os que  foram convidados para este post memorável. Do Festival  International du Film de Cannes,  ou simplesmente Festival de Cannes, edição 60 anos. E que começa aujourd’hui;-)

A disputa será aberta por “My Blueberry Nights”, primeiro título em inglês do cineasta chinês.
Os EUA  concorrem com Quentin Tarantino, Gus Van Sant, James Gray, Julian Schnabel, David Fincher e os irmãos Joel e Ethan Coen.

O site oficial, onde  vc pode ver tudo todos os dias é aqui.

O Brasil corre em mostras paralelas, como você pode ler aqui.

O documentarista Michael Moore, vencedor da Palma com “Fahrenheit 11 de Setembro”, exibe fora de competição “Sicko”, a respeito da assistência médica nos Estados Unidos.
Também fora de competição estão “13 Homens e um Novo Segredo” (Steven Soderbergh), e “A Mighty Heart” (um coração forte), do inglês Michael Winterbottom, em que Angelina Jolie vive a viúva do jornalista norte-americano Daniel Pearl, decapitado por terroristas islâmicos no Paquistão.
Na seção paralela “Um Certo Olhar” está “El Baño del Papa” (o banheiro do papa), produção da brasileira O2 Filmes, de Fernando Meirelles, rodada no Uruguai, pelo brasileiro-uruguaio Cesar Charlone e por Enrique Fernandez.
A competição de curtas da Cinéfondation, dedicada a filmes de estudantes, tem “Saba”, de Thereza Menezes e Gregório Graziosi, inscrito pela Faap, de São Paulo.
Antonio Campos,  americano de origem brasileira, está na competição oficial de curtas com “The Last 15” (os últimos 15).

Quote: A citação do dia não poderia deixar de ser essa frase de Claude Lelouch (Un homme, une femme):
Cannes, c’est d’abord un escalier : un escalier facile à monter… difficile à descendre.

Uh baby: Não poderia deixar esse post sem o júri:

PRESIDENTE: Stephen Frears (Ligações Perigosas e talz)- Grã-Bretanha)

Maggie Chueng (China) – atriz e musa de Wong Kar Wai

Maria de Medeiros (Portugal, atriz e diretora do filme Capitães de Abril)

Toni Colette (Austrália, O casamento de Muriel)

Sarah Polley – atriz queridinha dos meus queridos Etom Egoyan, Cronenberg e Wim Wenders)

Marco Bellocchio (Italia)

E o escritor turco  Orhan Pemuk- Prêmio Nobel de Literatura (????!!!!!) que diabo o tal escritor turco está fazendo num júri de cinema..hmmm sei não)

Sobre sub rosa
The most of all things and persons in the entire world drives me *flabbergasted". That includes me.

9 Responses to CANNES 2007 v. 60

  1. Meg, e nada do Brazuca? Onde estão nossos cineastas/cineasnos. Não pegaram bufunfa suficiente na Lei Rouanet?
    Não me ligo muito em cinema(uma dsas minhas inúmeras deficiências), mas acho que existe um “cinema nacional” redivivo. Vejo alguns dos nacionais quando passam na TV. Me parecem de boa qualidade. Tirante uns “Opaió” que imagino seja pura masturbação mental, ainda salva-se alguma coisa. E quando chega um festival como esse, que calculo seja um passaporte para a fama, ninguém comparece?
    Síndrome de Brazuca, será?
    Responda, por favor.
    Um beijo grande

  2. Olha, Valter, isso é a chamada questão bizantina ou bizantinismo, discutir o sexo dos anjos, meu amigo, pois essa coisa de incentivo do Estado… eu sou contra, mas não sei expor meus argumentos, a não ser que que se alguém trabalha com o dinheiro de alguém por exemplo, fica meio complicado e esquisito falar das mazelas de quem está dando o dinheiro, certo?

    Brasileiro é mesmo folgado nesse *departamento* nessa história de cinema e subvençaõa. E se eu estiver errada, adoraria que me chamassem atenção, e me esclarecessem .
    Acho que o Milton sabe *também* dessas coisas.

    Mas levando pro lado do filme, tem filmes muito legais como por exemplo “O Céu de Sueli” que se esperava, fosse incluído na seleção, e perdeu… só para ficar neste.

    Admiro o trabalho do Carlão Reichenbach (nosso colega de blog – dá uma olhada aí na minha lista de fave, em Reduto do Comodoro, ou só Comodor. Ele sabe tu-de-o-dó

  3. comentário ficou truncado:
    ele sabe tudo o que ocorre na feitura de um filme, na frente e atrás dos bastidores.
    Com exceção da Conspiração e outras poucas como a a da ex-mulher do Caetano, Paula Lavigne, não se tem no Brasil, mentalidade de arranjar grana e batalhar por ela.
    Nos Estados Unidos que neguinho vive falando mal, mas não aprende o que é bom, o Oscar de Melhor Filme, não vai para o Diretor e sim para O(S) PRODUTOR(ES).
    Muito justo. Basta pensar uma vez:-)
    E sim o ESTADO (não o Governo mas o ESTADO, como nação) tem a seu critério a preocupação cultural, mas há outras proridade.
    Então, que vão se virar pra arranjar dinheiro.
    O Fernando Meirelles está ái para provar.
    Vc sabia que a musica operística melhor que existe e mais bem organizada está no Amazonas e não em São Paulo.
    Ora, então, de algum lugar o dinheiro sai, se as pessoas forem sérias e utilizarem o dinheiro naquilo a que se propõem.
    Agora se estou dizendo besteira, que me esclareçam , afinalestamos aqui para isso, não é? para aprender com quem sabe mais…
    Bjs

  4. James says:

    Independente de qual seja a iniciativa (cinema, teatro, música, literatura…) dentro da indústria cultural, acredito que ela não deva ser mantida viva artificialmente.

    Se o público não fica fascinado, paciência…

    Será que é por aí?

    Um abraço.

  5. Meg, a música operística vai bem no Amazonas, seria ainda resquícios do ciclo da borracha, o Teatro Amazonas, as grandes companhias de ópera?
    Acho que tudo aqui falta continuidade. Vivemos aos trancos. Ciclos, vertigens. Vôo da galinha, chamam a isso. Também na cultura.
    No caso do Festival de Cannes tem o problema da indicação, não? Alguém tem que gostar, indicar e o filme estar pronto a tempo também. Bom, sou leigo no assunto e o melhor é conhecer bem para poder criticar.
    Vou esperar mais comentários.
    Um beijo
    (hei, fiquei grandão com tuas palavras lá, está bom?)

  6. Eduardo.P.L says:

    Festivais, são festivais. Muito antes da qualidade do diretor ou do filme, tem a máquina da Indústria do cinema, que fala mais alto. Nessa matéria o Brasil sempre foi deficiente e caudatário da Europa e dosEstados Unidos.
    E pelo visto vai continuar sendo. Bjs

  7. nelson says:

    Vou ficar de olho na Sarah Polley também, não sei qual mostra, seu filme de estreia como roteirista/diretora dará canja das melhores. Nos EUA desde o inicio de maio “Away from her” fez a festa entre os criticos.
    Do NYTimes: “…the film is by turns sharp and somber, alive to the lacerations of ordinary experience and quietly attentive to grand absurdities and small instances of grace.”
    Do Peter Travers, Rolling Stones: “miraculous debut as director and screenwriter”.
    E tem o filme o espirito e graça da luminosa, legendaria beleza da atriz Julie Christie.
    Dan Callahan no blog “The house next door” (mattzollerseitz.blogspot.com) declarou amor a Julie e o filme fez juz a encantada historia de amor: “Sometimes extreme physical beauty grows more complex,more satisfying with age; it’s rare, but it happens. Such is certainly the case with Julie Christie, a blond, British Helen of Troy with the most frankly carnal lower lip in film hsitory. Her eyes and brows rival Garbo in their velveteen symmetry, and her nose is a poem, a genetic triumph of heart-shaped, concealed nostrils.”

    Amor, beijos,

  8. Clarice says:

    Meg do céu, que poster LINDO.

  9. esse cartaz esta oooo finoooo daaa booosssa!
    beijaoo, Meg! :-)
    * nao vi nadica de Cannes–estou realmente bitolada.

    Olhe só, Fer, minha querida, AFAIK, ninguém está perdendo nada, eu acho…
    E o pessoal de Cannes também está pouco ligando, eles querem é festa no Festival.;-o)))

%d blogueiros gostam disto: