CLAUDIO BOCZON convida…

convite_claudio_boczon

Um dos mais expressivos artistas plásticos do Brasil, o paranaense Claudio Boczon , fotógrafo, autor de excelentes trabalhos com gravura, cursou Desenho Industrial na UFPR e Licenciatura em Desenho na EMBAP. Iniciou sua pesquisa artística e plástica no Ateliê de Pintura do Museu Alfredo Andersen, sob a orientação de Ronald Simon. Participou de oficinas e workshops com Dulce Osinski, Leda Catunda e Eliane Prolik. Teve ainda orientação de Geraldo Leão na leitura crítica de trabalhos e de Dudi Maia Rosa , que instigou o embate que deu início à sua produção posterior de gravuras.

Extremamente versátil, faz do seu blog Porão Abaixo um riquíssimo trabalho de laboratório
e experimentação.

Seus leitores habituais são privilegiados ao perceberem e receberem suas primeiras idéias.

Claudio Boczon, agora, em Digitalhas, expõe o que vimos durante muito tempo no blog do qual sou madrinha e espero continuar sendo;-) – (claro, que eu tinha de colocar essa honra máxima, vão desculpando, mas foi irresistível e eu sou exibida, mesmo hohojo)

É um fantástico trabalho de antropofagia: de fotos que ele trouxe, de Minas Gerais (Ouro Preto, e outros lugares, principalmente, onde estão obras de Aleijadinho, igrejas etc) Boczon faz uma redescrição do barroco brasileiro. A originalidade surgindo do previsto.

Obviamente, eu não poderia deixar de estar

orgulhosíssima, e para o Claudio, além do desejo de todo o sucesso, dedico , com muitos pocalunki, esse que é um de seus poemas preferidos .

(Aliás, eu desconfio de qualquer , q-u-a-l-q-u-e-r artista (seja escritor, escultor, músico ou whatever que não goste da verdadeira, excelente, POESIA)

Aqui, por favor queiram ver o resumé de Claudio BOCZON

ESCRITOS COM O CORPO

I

Ela tem tal composição
e bem entramada sintaxe
que só se pode apreendê-la
em conjunto: nunca em detalhe.

Não se vê nenhum termo, nela,
em que a atenção mais se retarde,
e que, por mais significante,
possua, exclusivo, sua chave.

Nem é possível dividi-la,
como a uma sentença, em partes;
menos, do que nela é sentido,
se conseguir uma paráfrase.

E assim como, apenas completa,
ela é capaz de revelar-se,
apenas um corpo completo
tem, de apreendê-la, faculdade.

Apenas um corpo completo
e sem dividir-se em análise
será capaz do corpo a corpo
necessário a quem, sem desfalque,

queira prender todos os temas
que pode haver no corpo frase:
que ela, ainda sem se decompor,
revela então, em intensidade

    De longe como Mondrians
    Em reproduções de revista
    ela só mostra a indiferente
    perfeição da geometria.
    Porém de perto, o original
    do que era antes correção fria,
    sem que a câmara da distância
    e suas lentes interfiram,
    porém de perto, ao olho perto,
    sem intermediárias retinas,
    de perto, quando o olho é tato,
    ao olho imediato em cima,
    se descobre que existe nela
    certa insuspeitada energia
    que aparece nos Mondrians
    se vistos na pintura viva.

E que porém de um Mondrian
num ponto se diferencia:
em que nela essa vibração,
que era de longe impercebida,

    pode abrir mão da cor acesa
    sem que um Mondrian não vibra,
    e vibrar com a textura em branco
    da pele, ou da tela, sadia.

III

Quando vestido unicamente
com a macieza nua dela,
não apenas sente despido:
sim, de uma forma mais completa.

Então, de fato, está despido,
senão dessa roupa que é ela.
Mas essa roupa nunca veste
De uma outra mais interna’

É que o corpo quando se veste
De ela roupa , da seda ela,
nunca sente mais definido
como com as roupas de regra.

Sente ainda mais que despido:
Pois a pele dele, secreta,
Logo se esgarça, e eis que ele assume
A pele toda, que ela empresta.

Mas também a pele emprestada
dura bem pouco enquanto véstia:
com pouco, ela toda, também,
já se esgarça, se desespessa,

até acabar por nada ter
nem de epiderme nem de seda:
e tudo acabe confundido,
nudez comum, sem mais fronteira.

[…]

João Cabral de Melo Neto. (1920-1999) Obra completa. v1 Serial e Antes, Nova Fronteira, 1997. Prefácio de Marly de Oliveira

*****************

SERVIÇO:

Exposição “Digitalhas

02/05/2007, a partir das 19h – a exposição permanece até dia 27/05, aberta das 10h às 21h.

Espaço Cultural das Livrarias Curitiba

Shopping Estação – Loja 1108 – Centro

Curitiba – Paraná
Telefone: (41) 3330-5118
www.livrariascuritiba.com.br
====
E, claro, não poderia faltar o fundo musical, neste caso..frente;-)

Sobre sub rosa
The most of all things and persons in the entire world drives me *flabbergasted". That includes me.

17 Responses to CLAUDIO BOCZON convida…

  1. Antonio says:

    eu juro que um dia eu vou entender de poesia, mesmo que na minha opinião seja basicamente olhar e gostar ou não…
    falando nisso, olhei e escolhi, te digo o que deu assim que eu souber !
    beijo!

  2. Eduardo says:

    Meg, como você consegue tantas informações antes de todo mundo?Parabéns. Gostei tanto do seu texto, como da noticia da exposição, que levarei TUDO para o VARAL de amanhã. Ao Claudio sucesso, e terá,
    porque com uma MADRINHA dessas, quem não tem?

    Uau!
    Já respondi alé em cima ou em baixo, vá saber

  3. Ô Madrinha, assim caio da cadeira.

    Obrigado pelos exageros, não precisava tanto, apenas o João Cabral já seria suficiente, apesar de que ele provavelmente não iria gostar destes meus trabalhos barrocos, rocambolescos e cheios de rococolices – mas fazer o quê?!, é o espírito da época.

    enquanto lia o post, a jukebox taiwanesca estava no piloto automático e começou a tocar uma versão de Cheek to cheek que vou te enviar por email, vai ficar pesado, mas tanta coincidência assim nem lá na casa do chapéu.

    Dzięnkuje bardzo pela colher de chá com broinha de fubá mimoso, estou quiném o cachorro do Pepe Legal, quando ganhava biscoito canino…

    Pocałunki

    ps: desculpe a citação Hannabarberesca, mas é que vim de um post lá do Armazém Peri S.C. sobre desenhos animados, e como gosto de desenho e estou animado, não pude me furtar.

    Uééééé´!
    ENA!!!! Mudei a jukebox..
    Você nos deve aqui, a confirmação de que foi o maior evento cultural do ano, hein?

    Pocalunki

  4. aninhapontes says:

    Bonita, parabéns ao Cláudio, muito sucesso à ele.
    Bom o fato de vermos nosso trabalho exposto, de estar alí,para que outras pessoas vejam, já é gratificante né?
    É como exibir nossos filhos, e isso nós fazemos com orgulho.
    Prá você meu beijo. Estou com saudades.

    Sodade, também querida.
    Mas em dois ou três dias, volto.
    Volto pra ficar.
    Ueba!!!!
    beijos, minha amorzinha:-)

  5. mauricio says:

    Olá, vim do blog do Eduardo L.

    Parabéns pelo trabalho de pesquisa, muito bom mesmo! Vou agora visitar o blog do Boczon.

    Ótimo feriado.

    Mauricio: um prazer, volte sempre!
    Abraços

    Meg.
    P.S.
    O blog do Euardo é o máximo mesmo. E o do Claudio Boczon, diz: Te arreda;-) E o seu, pelo que vi, é muito chique:-)

  6. Vi teu comentário lá no Valter (Perplexo). Se estivéssemos tão à mercê de caçadores de “direitos autorais”, sequer poderias publicar o poema do João Cabral. Seria uma pena, né? bjs

  7. Desnecessário explicar, claro, mas não custa nada, né? hehehe

    Não foi apenas por causa do comentário lá no Valter. Somos movidos pela inércia (????) e, vez por outra, algo nos faz saltar da cadeira e fazer aquilo que queremos fazer todos os dias, mas não fazemos.

    Talvez eu não tenha batido de frente. Claro que vi todas as referências, mas é justamente isso que disse para o Valter: quando fazemos tudo direitinho, como fazes, não há com o que se preocupar (medo que ele parece ter). Pode ser que não tenha me expressado bem, mas foi isso que quis dizer. bjs

    IH Afonso, soube que o que faço, *TUDO DIREITINHO* não foi suficiente para a Denise Rangel. Um caso com a editora de nelida Piñon, que para mim, sinceramente, nem é essas Coca-Colas;-)))
    Uau!
    Mas não tenho hipocrisia, (que no grego significa máscara, nem desrespeito a obra dos outros. Considero-a bastante, se for boa.
    Mas acho que isso não é suficiente..Eu…hein!
    Pé de pato mangalô 3 vezes

    beijão, querido

  8. belinha says:

    “Todo mundo suspeita, imagina, acha e até acredita que sabe escrever. E muitas vezes com relativa facilidade até… publica.”

    Olá MEG!

    Olá Belinha

    Teu blog parece-me muito interessante: tem um pouco de tudo o que gosto. Obrigada

    Estava lá o link no Maurício?Sabes ele colocou os links numa caixinha e aquilo não favorece que a gente clique e descubra!
    Eu descobri pela identificação do Blogspot, como todo mundo faz:-), querida.

    Copiei essa frase aí no topo porque o fantasma de não ter uma escrita competente sempre evitou que enviasse meus escritos para concursos exigentes.E eu sempre quis escrever um livro!Comecei vários mas nunca acabo porque entretanto leio um excelente e isso arrasa comigo!!!!Realmente há muita escrita à venda que não me cativa, não acho boa, mas ela lá está a vender que nem laranja!Este ano comprei um livro de um autor português, o seu primeiro, chamado E se eu gostasse muito de morrer.Li em duas noites.Adorei!Tanto que depois lhe escrevi a dizer minhas impressões. Esse é um exemplo de um livro que eu gostaria de ter escrito. Sabes o que me fascina na escrita?É que a gente começa um parágrafo e depois ela leva-nos a lugares que não estavam previstos.Podemos até ter um plano, mas ela tem vida própria, conduz-nos.Isso é tão empolgante, mais, isso é viciante.Mas eu escrevo pouco.Escrevo no blog, ultimamente.Se a minha vida pudesse ser só escrever e desenhar seria o céu na terra.Obrigada pelas palavras sobre a Bruxa.Eu sublimei o caso naquele post anti-bife!!!!Escrevi histórias para crianças, tenho uma dúzia.(Mas não mostro, não sei se estão boas.)

    Tem muita razão no que diz. Agora cuidado, pois às vezes somos nossos piores críticos, mais severos,no seu caso, ou mais indulgentes, em outros casos.

    Faça interlocução como escritores que vc admira, E envie, envie seus originais para editoras.
    Você vai ver que um dia….
    Ademais, o blog é um excelente laboratório.

    Muitos beijos.
    Que vc ganhe o concursos dos selos, é o que desejo.
    Meg

    Ah, Doutor House!Imagina eu, que nunca gostei de séries com médicos, agora vejo sempre!É muito interessante. E a 24?!!A 24 viciou-me completamente, eu que quase não vejo TV!

    Hahahah.. Eu a-do-ro o Doctor House, de todas as maneiras, Ontem eu o vi no Saturday Night Live.
    Nunca vi 24 horas.

    Minha paixão no momento é HEROES

    O HOUSE é o que é.
    Não quero que mude.;-)
    Beijos

  9. Meg, comentei sobre a exposição do Cláudio lá no Varal de Idéias. Desejo a ele uma boa exposição e muito sucesso.
    Fiquei fora o dia todo e quando cheguei ví a discussão lá no perplexoinside.
    Gostei do teor e acabamos todos nos enriquecendo com as idéias e palavras que surgem.
    Obrigado pelas gentis palavras.
    Fique bem,
    Um beijo enorme para você

    Outro para você, Valter.
    Eu não estava muito inspirada quando escrevi. Não sei se falei besteira hohoho
    Entretanto , o que falei subsumia as suas idéias, pois concordo inteiramente com você e
    esta é a política que mantenho.
    beijos para vc e para a minha querida.

    Uma semana excelente…

    M.

  10. denise says:

    Oi, Meg, tudo bem!
    Ainda não conheci o trabalho do Claudio, vou lá conferir o blog dele. Obrigada pelo poema de JCabral. A gente vive desafiando a lei dos direitos autorais, mas é irresistível, né.
    beijo, menina

    Ih! Denise, estou passada.
    Desculpe, não sabia do epísódio Nélida Piñon – com você.

    O que lamento muito.
    É por isso que pouca gente a conhece .
    Às vezes, um escritor ganhar muitos prêmios, não significa, rigorosamente NADA.
    É o caso dela.

    Mas insisto que a editora dela *NÃO* TEM RAZÂO*, minha linda.
    Beijos, queridos,
    Meg

  11. Ery says:

    Bom estar em Curitiba numa hora importante como esta. Vou ao Estação ver esta mostra maravilhosa do Cláudio. Abraço MEG.

    Que bom, não é, Ery?

    Beijo grande

  12. Meg, ai ai ai, isto aqui está abandonado. Desse jeito, nos apossaremos deste espaço aqui e vamos bagunçar o coreto. Depois não venha com nhém-nhém-nhém.
    Por onde anda minha amiga?
    Desculpe a brincadeira, tudo bem com você?
    No aguardo de notícias(boas, por favor!)
    Um beijo grande

    Apossem-se. Tomem posse e façam uma grande revolução.

    Volto em dois ou três dias.
    Ou até hoje, se der.

    AS NOTÍCIAS NÃO PODEIAM SER MELHORES:
    Estou ótima!
    E com muito trabalho.
    E como já lhe disse: a casa é sua:-)
    Um beijo, meu amigo.
    Meg

  13. Mário says:

    Olá Meg, to com a turma que num entende quase nada de poesia…rs. Vim te visitar e avisar que te linkei lá no APOIO FRATERNO. Bom final de semana. Abs.

    Muito obrigada, Mário.

    Mas eu acho que poesia não é para se entender…Eu falei em *ENTENDER* poesia?

    Puxa, acho que não.
    Que eu saiba, poesia não é para entender. Poesia não é problema, nem notícia:-)))
    Eu acho.
    :-)))

  14. Eduardo says:

    Olá, Meg querida. Só para um beijo.Ou dois!

    Três, claro:-)

    Dentro de dois dias estou voltando.

    Obrigada, querido

  15. Bacana, Meg! e além de ser super competente, o Boczon é SUPER gente boa!

    Preciso incluir seu blog no meu blogroll do SdeE, desculpa se não fiz ainda, total falta de tempo, tenho tanto blog pra atualizar lá que fico adiando a tarefa :-)

    Beijos e boa semana!

    Oi Denise, eu sei muito bem disso.
    Afinal –er… não é a toa que eu e o Dudi Maia Rosa, meu querido amigo *DE TODAS AS HORAS*;-))) somos os padrinhos do Porão.
    Beijos
    Meg

    P.S. Quando puder você coloca o Sub Rosa v 2, será uma honra, mas visitá-lo
    já me dá uma grande alegria.

    Parabéns pelos prêmios todos.
    Uma excelente continuação de blogagens.

  16. Pingback: Retrato pelo artista que é jovem// e leitura com e para criança « Sub Rosa (flabbergasted) v.2

  17. Allos says:

    Hi, nice page.!
    look on my pages:
    conservation dedicated organization profit

    ok.. bitte

%d blogueiros gostam disto: