Em especial, para mineiros e ….

magritte_limite

MAGRITTE-

Para apresentar a minha mais querida poeta viva que é Maria Lucia Alvim, (sim, sim, maior que Adélia que está mortinha de saber que é boa demais).
Mas já nos ensinava Guimaraes, o Super Rosa (daí o Sub Rosa) que “…Eu sou donde eu nasci. Sou de outros lugares.”

Então, se alguém já conhece Maria Lúcia Alvim, que fale agora;- ), pois que hoje é dia de eclipse lunar…

Que lindo, não é? Rima com a poeta , que é para todos, mineiros e todo o mundo.

===

Mínima mostra:

ALCOVA
Em meu corpo tem um bosque
que se chama solidão.

FRASCO DE ÂMBAR

À força de guardar-te
evaporaste

NOSFERATU

Não era bem isso que eu queria,
no entanto, ele veio
Olho de vidro, dente de espada,
sopro de guereiro afeito à noite

— Por que tarda tanto
o teu amanhecer sob a capa?
— Por que veio?
perguntei.

E ele debruçava, derramava
sobre mim
um jeito de morrer

MARCIANA

Não dou para ele nem dou para ela
Detenho as rédeas da crisáloda
para quando estiver com melhores cores
E o poder arregaçar o sonho

É possível, então, que nada peçam.


RELICÁRIO NEGRO

De tudo farei um responso
para que o sopro não cesse —
trança moringa ressalva
são instrumentos de prece

Adeus, portanto é esconso
tilintar de uma quermesse —
o sangue que derramamos
é instrumento de prece.


SOBRE AS TÍLIAS

Meu corpo está em julgamento
ninguém escuta

o silêncio da alma.

PELO TELEFONE

Abri um tempo em minha noite
para te ouvir
Abri um espaço em minha alma
para calar

AMOR CORTÊS

Uma vida é pouca
Para tantos joelhos

-=-=-=-=-=-=

MARIA LÚCIA ALVIM nasceu em Araxá. Mineira, portanto, escreveu, tal como Cecília, um Romanceiro de Dona BEJA. Autodidata, abandonou os estudos de Filosofia para se dedicar exclusivamente à poesia e à pintura.

Estreou em 1959 com XX Sonetos e em 1980 mostrou e demonstou o seu trânsito perfeito entre a forma fixa e o verso livre. Entre o registro da tradição e o moderno.

Multifacetadas ela própia e sua poesia, continua a escrever e dedica-se mais às artes plásticas.

Em 1989, a bendita editora (da) Livraria Duas Cidades, lançou na esplendorosa (desculpem os adjetivos, são modestos, até) Coleção Claro Enigma, 30 anos de sua poesia, sob o título de VIVENDA.

Se o livro estiver esgotado, tenha um bom e grande amigo em São Paulo, que lhe compre o livro num sebo, o que acho difícil, pois quem se desfaria do seu exemplar?

Aqui, vamos mostrar para nós mesmos , porque ela é, sob o “registro da dissonância”, a mais exuberante, culta, popular, moderna e atualmente a mais importante Poeta brasileira. (Pode ser que você não ache.)

Escreveu também: A LIRA RECLUSA, TAPA DE LUVA, SERTÃO DA FARINHA PODRE e o título mais bonito da poesia brasileira: ROSA MALVADA.

Sobre sub rosa
The most of all things and persons in the entire world drives me *flabbergasted". That includes me.

9 Responses to Em especial, para mineiros e ….

  1. Júnia says:

    Não, Meg, infelizmente ainda não li nada dela (alguém tem um buraco aí pra eu enfiar a cabeça? ;-)). Tanta gente boa que nem conhecemos… Fale mais um pouquinho dela!

  2. Maria Elisa Guimaraes says:

    Júnia, mal recebi seu comentário, coloquei-me a postos: estava ao telfone com a querida Magaly.
    Às duas dedico esta mínima mostra.
    Mas tem mais, oh! se tem.
    Um beijo
    M.

  3. habel says:

    Andas muito malvada, amiga rosa. Tá vendo no que dá voltar a ficar alegre com alguma coisa?!
    Tudo o que os mineiros legítimos não querem é um especial para eles.

    Quem poderia ter dito melhor sobre o assunto do que o Otto?
    A grande contribuição mineira para a cultura mundial foi a tocaia.
    Mas tocaia on-line agora? xiii, já era.
    É a grobarización.
    Agora só tem mineiro e tocaia do Paraguai.

    Pra que tanto joelho, pergunta meu coração.
    Eu te mandei um conto de um certo autor obscuro e impublicável conhecido nosso no qual tem um protagonista obcecado por joelhos?
    Você deu a mais esplêndida dica para uma epígrafe, quem sabe ele troca a que está lá!

  4. Maria Elisa Guimaraes says:

    Habel…hahaha ah Habel.

    1- Dizem que o Otto não disse isso ou aquilo hohoho.
    2- Acho que já estás de prevenção , hihihihi…. eu que ia te perguntar, tim tim por TIM MAIA, quem é mesmo a Dona Beja e como se pronunceia? Bêja, Béja?
    3- Pois olha ela fala e muito de tocaia.
    4- Diz que o poema RELICARIO NEGRO não foi feito pro teu gosto? “Esconso” não é palavra que se te parece?

    Agora que estou animadinha (hahah, dá para notar? Só me contento com muito, não é?) me mande ou diga-me se me mandou a história do obcecado por joelho, tema assaz interessante – que eu me lembre, não.
    E olhe que suas (dele, do escritor amigo nosso) epígrafes são as melhores que já li/vi e valem por um responso a San Juan de La Cruz

    Queria saber se existe um santo que governe as publicações que realmente valem a pena e que sejam, munificentes (oh!) ou seja que dêem grana que não seja paraguaia.

    Fico na tocaia.

    Uau! é o que estou pensando? Um computador e telefone?…Oba! Oba! Mande dizer, que eu respondo o quanto o joelho servia à fugidia e hoje fugida cortesia de qualquer tipo de amor.
    Feliz, feliz… por Frei Luis de Sousa e por você, Habel.
    beijos

  5. Magaly says:

    Esta poeta foi-me apresentada no ano passado por você, quando falou no blog das suas preferidas poetas vivas. Impressionou-me o seu lirismo espontâneo, a propriedade com que dispõe das palavras, a delicadeza com que trata seus temas aparentemente simples, mas riquíssimos e profundos . Sem dúvida, uma poeta maior.

  6. Maria Elisa Guimaraes says:

    Magister dixit!
    beijos com muito carinho.
    M.

  7. Magaly says:

    “Abri um tempo em minha noite
    para te ouvir
    Abri um espaço em minha alma
    para calar”

    Já havia reegistrado cá dentro; agora, digo abertamente: obrigada, amiga,
    sua homenageada escreve exatamente o que eu gostaria de dizer.

  8. telinha says:

    mammy, já acionei meus contatos sebísticos para comprar livros dessa moça. estou besta. me encantei com ela como há tempos não me encantava com ninguém…

  9. Antonio Luceni says:

    Parabéns pelos comentários feitos sobre Maria Lúcia Alvim. De fato, uma excelente poeta. Estive com elas pessoalmente por 3 dias na cidade-sede da família Alvim (Volta Grande/MG) e é verdade uma personagem singular, em todos os sentidos.
    Conhece também sua irmã Maria Angela Alvim? Tanto quanto Maria Lúcia, Angela é uma poeta de mão cheia!

%d blogueiros gostam disto: