SR-10 : Delícias da Selminha: arroz duetto, camarão do Pará e bacalhau do Porto.(updated)

Seguinte, venham comigo:

O Sub Rosa, como (nem)  todos sabem, completa, no próximo dia 19 de setembro, 10 anos no ‘jardim florido de sua existência’ (hohoho). E como 10 anos, em valores internetianos, é uma loooonga vida, acho que a gente pode se permitir umas certas coisas, nunca dantes pensadas nem ousadas. Quem foi mesmo que disse que a cada dez anos é lícito perder a cabeça? Vai daí que hoje, como parte das intensas comemorações da efeméride (hahah, gostaram?), publico, com toda a pompa e circunstância, uma receita (é, sim, e feche essa boca!) da minha querida Selminha, a professora Selma Amadora Henriques Santalices.  Neste post,  tudo é dela, eu só fiz copiar a receita e claro, tirar as (nefandas) fotos (Pater peccavi).

Voilà, segurem os cintos e me digam qualquer coisa, depois.

Arroz DUETTO: camarão seco salgado e bacalhau.

ARROZ DUETTO (Camarão (seco salgado) e Bacalhau) by  Selminha
INGREDIENTES:

  • 600g de camarão salgado (fumado) seco e grande  (não são os da Bahia e sim os do Norte: Pará e Maranhão.
  • 2 xícaras(chá) de arroz  parboilizado (o que é isso?) ou arroz integral  –  *atenção*: não use o arroz branco beneficiado, o comum, de cada dia – você verá depois o porquê:-)
  • 600 g de bacalhau -
  • 2 cebolas grandes cortadas em fatias ou tiras.
  •  2 dentes (grandes) de alho amassados ou 3 se forem médios.
  •  1 tomate grande picado, com pele e sem sementes.
  • 100 gr de azeitonas portuguesas pretas sem caroço, picadas.
  • 1 xícara  (chá) de salsinha picada e coentro a gosto.
  •  1 colher de sopa de açafrão ou raminhos de açafrão. (não confundir com cúrcuma)
  • 1 vidro (250g) de leite de coco.
  • Opcionalmente, um tantinho assim de curry (caril), a gosto.
  • 1 pimentão vermelho picado (em cubos)
  • pimenta a gosto
  •  1 maço de brócolis
  •  Azeite de oliva, q.b – ou seja, a gosto.

MODO DE PREPARAR:

Dessalgue o bacalhau (ponha-o de molho de véspera mudando a água umas 4 vezes). Retire a pele e as espinhas, dê uma fervura, reserve a água e desfie o bacalhau em lascas ou pedaços médios. Refogue-o em azeite com bastante alho, cebola, tomate, pimentão, coentro,  cebolinha verde. Deixe apurar o refogado e reserve.

Descasque o camarão, dessalgue-o (deixe-o de molho umas 8 horas, trocando a água 3 vezes)  e reserve alguns – dos grandes e bonitões – para enfeitar. Refogue-o (em azeite) com cebola, tomate, pimentão, salsinha, manjericão.

Cozinhe os brócolis mas, por favor, não deixe que amoleçam, o ponto deve ser al dente, mezzo crocante. Separe as flores e refogue-os rapidamente em azeite. Reserve.

Cozinhe o arroz utilizando a água do bacalhau (se a quantidade for pequena, complete até o suficiente). Aqui, a explicação da “exigência” de arroz parboilizado ou integral: para ‘contracenar’ com o duetto bacalhau & camarão, o arroz não pode ser mole, tipo molenga, empapado ou mesmo tipo risoto. Deve oferecer resistência ao ser mastigado, ‘tendeu? Vá pela Selminha;-), que está aqui ao lado.

Adicione o leite de coco ao camarão refogado no azeite, e deixe ferver e então misture-o com o arroz. Em seguida, adicione o bacalhau. Só no final, isto é, depois de tudo, adicione o brócolis (a “crocância”:-), lembra?), as azeitonas, misturando delicadamente , por fim, a salsinha.

Agora, tal como o Michelangelo, contemple sua obra de arte, e ao invés de bater com o martelo, use a sua energia, seu bom gosto para enfeitá-la: pode usar azeitonas inteiras, aqueles camarões, insinuantes e bonitões cozidos com casca e flores de brócolis. Sim, pode usar ovos cozidos cortados em 4 partes etc.

Você pode fazer qualquer coisa que goste, acrescentar o que quer que você ache que vai bem no prato e sirva imediatamente, não sem antes pedir ao seu companheiro (a) que faça a escolha na carta de vinhos:-). Bon appetit!

Depois, é só correr para o abraço, beijinhos e carinho sem ter fim…

Arroz duetto:camarão do Pará e Bacalhau do… Porto

=-=-=-=-=

Bom, sabem como é, não é? A receita da Selminha é maravilhosa mas também pode servir  apenas como um ponto de partida, você vê aí, pode imprimir a sua marca pessoal, afinal é a desobediência à receita que faz descer a ponte levadiça da sua criatividade. (viva o  clichê hihihi). Se você usar variações bem-sucedidas, por favor, deixe-nos saber. Mande-nos dizer.

Afinal é  assim que a banda toca, o mundo gira, foi assim que  saímos da Idade da Pedra e estamos aqui hoje, o Sub Rosa postando receitas ahá!:). Sem contar que Selminha, matemática (professora de Cáculo Diferencial e Integral e Cáculo Numérico – feche a boca de novo) e também apaixonada por química,   agora não quer saber de outra vida :  “faz chover” na alquimia dos saberes e dos sabores. E conta com você, diga lá:)

Por fim, aqui, Selminha e … a garotinha do  Wizard of Oz, over the rainbow, elas são as minhas duas meninas,  minha versão pessoal do Rose et Bleu (Les demoiselles Cahen d’Anvers) d’après Renoir. Digam se elas não são iguaizinhas(sp):-)

Disclaimer: isso foi antes, agora não faço mais a maldade” de colocar vestidinhos na Dorothy. Pater peccavi, e perdoai-me meu Deus, eu não sabia o que fazia. Sorry:-(

=-=-=
UPDATE: (em 25/08/2011): Justiça se faça, sobre a culinária paraense, seus peixes, frutos do mar e outros departamentos, nada como esse blog, dessa mulher-maravilha, maravilhosa, carioca, apaixonada pela minha/nossa terra: a gastrônoma Andrea Potsch. Dê uma lida aqui e veja porque a culinária é uma arte nobre. Apicius (tanto o nobre romano quanto o nobilíssimo brasileiro) que o digam. Cultura é isso!
(**) Sobre o grande jornalista brasileiro, Apicius, ou Roberto Marinho de Azevedo, Rebecca Lockwood escreveu esta brilhante monografia. q.v.). Rebecca , entre outras tantas distinções, é formada em Jornalismo,  UniverCidade RJ.  A  formação gastronômica – Chef de Cuisine, pela École Le Courdon Bleu de Paris. E mais, Curso de Iniciação à Prova de Vinhos Integrado na Equimagos, em Portugal. Confiram no site.

Sorry, banlieue:-) – que pode ser traduzido pelo simpático e reconfortante: “Te mete!”
=-=-
Ah! e já que falaram em música. Olhem, digo, ouçam esta. Se combina com a ementa, eu não sei, mas que é divina, lá isso é:

Billie HolidaySolitude de Duke Ellington, Eddie DeLange e Irving Mills (adouro, adouro, adouro):

http://www.divshare.com/flash/playlist?myId=8333004-ef3

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 742 outros seguidores